Ponta Grossa ‘ganha’ 1ª escola em tempo integral

Luana Souza

Fale com o repórter

Publicado em: 04/05/2012 - 00:00 | Atualizado em: 02/09/2012 - 22:27

Rodrigo Covolan
A secretária conta que para a realização do projeto foram feitas pesquisas com moradores e experiência com professores

 

 

A Escola Zilá Bernadete Bach é a primeira escola em tempo integral de Ponta Grossa. Ontem, a prefeitura inaugurou a instituição, que recebeu obras de reforma e ampliação. A partir de agora, os 375 alunos passam a cumprir 10 horas diárias de aula. “Não se trata de contraturno social e sim um enriquecimento curricular dos alunos incluindo várias oficinas transversais tendo a cultura como principal referência”, destaca a secretária Municipal de Educação, Zélia Marochi. 

De acordo com a secretária, desde 2005, quando a escola foi apontada através do Minicenso Educacional como local ideal para o ensino integral, a Prefeitura investiu R$ 1,5 milhão em estrutura. Além disso, segundo a secretária, foram feitas experiências de contraturno escolar, passando pela formação de professores na unidade. “Esse sistema exige muito cuidado e responsabilidade. Foi preciso dobrar a estrutura da escola, investimentos financeiros pesados, novos equipamentos e competências cientificas técnicas e humanas para alcançarmos esse resultado”, salienta Zélia.

A secretária comenta ainda, a possibilidade de colocar mais escolas em tempo integral na cidade. “Aplicando recursos da educação corretamente, quando o município sentir necessidade, aos poucos e com responsabilidade será possível expandir esse projeto em outras escolas da cidade”, revela.

O deputado Plauto Miró (DEM), 1º secretário da Assembleia Legislativa, também participou da inauguração da escola em tempo integral. “A inauguração dessa escola é muito importante porque atende crianças de várias localidades. Não podemos deixar de falar do seu alcance social ao oferecer ensino e atividades recreativas de qualidade em tempo integral para as crianças”, disse Plauto.

Para a diretora da escola, Ana Claudia Spanik, o contraturno escolar implica em um aumento quantitativo e qualitativo da educação. “Entendemos que expansão de horário é expansão de oportunidades para nossos alunos, que terão a chance de ter maior contato com música, teatro, informática, artesanato, esporte e lazer de maneira integrada ao currículo convencional”, ressalta.

Compartilhar esta notícia

Publicidade

Comentários

Você precisa estar logado para comentar, clique aqui para entrar.
Se você for um novo usuário, clique aqui para se cadastrar.

  • 04/05/2012 - 15:21 - luciane70

    Complementando o comentário acima, o CAIC/UEPG, não somente é a primeira escola de tempo integral de Ponta Grossa, como também o seu projeto de implantação foi gestado por educadores da UEPG, dentre os quais estava a professora Zelia Marochi, hoje nossa Secretária Municipal de Educação. O CAIC tem contribuido ao longo desses 18 anos de funcionamento não somente com a formação integral de cerca de 350 crianças (em tempo integral) e mais 300 em tempo parcial, como também tem se configurado em espaço de formação docente e campo de estágio para acadêmicos das licenciaturas de nossa Universidade. É lamentável que um órgão da imprensa como o DC não tenha buscado informações corretas antes de divulgar uma notícia que, na verdade deveria esclarecer a população de que a referida escola noticiada é a primeira escola de tempo integral da Prefeitura Municipal. A primeira escola de tempo integral de nossa cidade é o CAIC Reitor Alvaro Augusto Cunha Rocha!

  • 04/05/2012 - 13:25 - coelhobandrade

    Essa foi a notícia mais furada do Jornal Diário dos Campos. A primeira escola de tempo integral que foi criada em Ponta Grossa foi o CAIC/UEPG e olhe que a escola já tem 18 anos.