Blogs | Newsletter | Fale Conosco |
Economia

Empregados domésticos terão convenção coletiva de trabalho

29/05/2009 às 21:32 - Atualizado em 02/09/2012 às 22:25

Os empregados domésticos do Paraná serão os primeiros do Brasil a ter direitos reconhecidos em convenção coletiva de trabalho. A primeira prévia foi discutida e revisada ontem. Os sindicatos dos patrões e dos trabalhadores do setor esperam finalizar a convenção até o fim do mês que vem. A iniciativa é do Governo do Estado, em parceria com a gerência executiva do INSS em Curitiba, e abrange as empregadas domésticas, arrumadeiras, passadeiras, babás, cuidadores de idosos, jardineiros, caseiros e chacareiros, entre outros profissionais. Como não têm acordo coletivo de classe esses trabalhadores não recebem o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), salário-família, horas extras e adicional noturno.

No caso específico das empregadas domésticas, o grande problema é a informalidade. Dados da última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad - 2007) mostram que, das 392.329 empregadas domésticas do Paraná, apenas 103.610 trabalham com carteira assinada. Ou seja, cerca de 74% das trabalhadoras na atividade são informais. No Brasil, a Federação Nacional das Trabalhadoras Domésticas (Fenatrad) estima que, de 8 milhões de empregadas, 90% atuem sem registro em carteira.

O secretário do Trabalho, Emprego e Promoção Social, Nelson Garcia, acredita que a regulamentação vai pressionar para que todos os direitos sejam cumpridos e deve amenizar os altos níveis de informalidade. "A assinatura em carteira de trabalho será obrigatória, inclusive para diaristas que trabalhem, de forma continuada, por mais de dois dias na semana em uma mesma casa", adiantou ele. "Nosso objetivo é dar aos empregados domésticos as mesmas garantias que os demais trabalhadores já conquistaram", explicou.

O Paraná é o primeiro Estado brasileiro a seguir a orientação da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que sugere que todos os países regulamentem a categoria até 2010. Fábio Ubirajara de Campos Lantamann, da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE-PR), destaca que a convenção coletiva de trabalho tem poder de lei e deverá ser cumprida por empregados e empregadores.

"A CLT, que é a Consolidação das Leis do Trabalho, define que as convenções coletivas têm caráter normativo. Significa que esta iniciativa paranaense atuará nas brechas da lei e os envolvidos devem acolher o que ela determinar", ressalta.

Piso

Outro ponto abordado é o salário da categoria, que até então recebe o piso regional instituído pelo governador Roberto Requião. "Fizemos um acordo para manter o valor atual de R$ 610,12. Nos próximos anos, negociaremos com o sindicato dos trabalhadores o reajuste na data-base acertada em convenção", conta o presidente do Sindicato dos Empregadores Domésticos Paraná (Sedep), Bernardino Carvalho. Os patrões terão de fornecer cópia mensal dos recibos de pagamento e entregar o carnê para recolhimento da previdência social.

Publicidade
Enquete

O atual momento econômico está fazendo você adiar seus planos?

Publicidade
Flagra

Perigo

Publicidade