Geral

Empresários do comércio retomam a confiança

A Pesquisa de Opinião do Empresário do Comércio, Serviços e Turismo aponta esperança em dias melhores para a economia neste segundo semestre. De acordo com a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio PR), 58% dos empresários do Estado declaram ter boas expectativas para o período, o que representa alta de 17,4% em relação ao primeiro semestre.

A pesquisa avaliou a opinião dos empresários nas seis principais regiões do Estado. Ponta Grossa apresenta a segunda maior concentração de expectativas favoráveis, com 67%. Os que ainda possuem opinião indefinida para o próximo semestre somam 19% e os indiferentes, 5%. As respostas desfavoráveis na região concentram-se em 9% do empresariado.

Os maringaenses são os mais otimistas, com 79%. O nível de confiança na região Oeste, que na edição passada da pesquisa era o mais baixo do Estado, com 31%, voltou a subir e chegou a 58% para este segundo semestre. Em Londrina, 56% dos empresários esperam aumentar o faturamento e em Curitiba os otimistas chegam a 54%. Os comerciantes e prestadores de serviços da região Sudoeste estão um pouco menos confiantes, com 52%.

O setor de turismo possui o maior nível de otimismo, com 62%, enquanto os empresários do varejo e serviços apresentam opiniões bastante parecidas, com 57% e 56% de expectativas favoráveis, respectivamente.

Na edição anterior da pesquisa, 49% dos proprietários de estabelecimentos comerciais ou de prestação de serviços esperavam um faturamento melhor. Esta é a terceira alta consecutiva do indicador, e trata-se do melhor resultado desde o segundo semestre de 2014.

Colaboradores

A pesquisa identificou a tendência de manutenção do quadro funcional, com 75%. No 1º semestre, 67% dos empresários afirmaram que manteriam o número de colaboradores. Os que pretendem reduzir o número de funcionários são 11%, contra 14% no semestre anterior. Os que planejam abrir novos postos de trabalho são 10%, índice bastante semelhante à pesquisa anterior, quando era de 11%. Os que ainda não sabem somam 4%, ante 8% da edição passada.

PUBLICIDADE