Polícia

Integrante de quadrilha é preso em Ponta Grossa

Da Redação

15/12/2011 às 15:55 - Atualizado em 03/09/2012 às 01:29

Divulgação
Nilton foi preso por policiais do Tigre ontem, em Ponta Grossa

 

Polícia Civil prende mais um integrante de quadrilha de sequestradores nesta quarta-feira. De acordo com informações da Polícia Civil, numa ação conjunta do Tático Integrado de Grupos de Repressão Especial (Tigre) e da Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc), quatro suspeitos de sequestrar a família de um gerente do Banco do Brasil, no dia 5 de outubro, foram detidos: Carlos Andre Mota, de 32 anos, Cristiano Brandes, 32, José Marcelo de Oliveira, 25 e Nilton Cesar Ferreira Pedroso. A Polícia busca agora a localização daquele que seria o líder da quadrilha, João Romão Neto, 41 anos.

Durante as investigações a polícia identificou o envolvimento de parte da quadrilha com o tráfico de drogas. Um dos suspeitos, Cristiano Brandes, fora preso no dia 21 de outubro pela Policia Militar, acusado de tentativa de homicídio no bairro Campo Comprido, em Curitiba, numa disputa pelo domínio dos pontos de drogas na região. Na ocasião da prisão de Brandes, foram encontrados R$ 135 mil em sua casa.

Carlos André Mota foi preso por policiais do Grupo Tigre em Guaíra no último final de semana. Duas semanas antes, um arsenal de três fuzis, uma pistola calibre 9mm, uma pistola .40 e uma espingarda calibre 12 foram encontrados na casa de Mota por policiais civis do Cope. Na época, o suspeito conseguiu fugir.

A prisão mais problemática foi a de José Marcelo, preso pela Denarc no domingo, dia 11. Segundo informações da Polícia, na ocasião, Marcelo reagiu à voz de prisão e acabou alvejado com três tiros. Com ele foi apreendida uma pistola calibre .40 com a numeração raspada e um revolver calibre 38. Atualmente recolhido no Complexo Medico Penal, José Marcelo também é suspeito de vários homicídios.

Nilton foi preso por policiais do Tigre ontem, em Ponta Grossa. Com ele foi encontrado um revolver calibre 38, além de munições, maconha, cocaína e crack. Nilton ainda é suspeito de envolvimento em outro roubo na cidade de Telêmaco Borba.

De acordo com o delegado-chefe do Grupo Tigre, Renato Figueiroa, a quadrilha possui outros marginais envolvidos. “Os trabalhos de investigação continuam, visando responsabilização de todos os envolvidos”, afirma.

Penas

Todos os suspeitos irão responder pelos crimes de Extorsão Mediante Sequestro e Roubo, podendo pegar penas superiores a 20 anos de prisão. O delegado afirma que a localização do líder da quadrilha, considerado foragido da Justiça, ainda é incerta. Qualquer informação em relação ao seu paradeiro pode ser repassado pelo telefone 41-3343-7675.

Crime

De acordo com a polícia, os acusados usaram a família do gerente como barganha para ter acesso ao cofre do banco, na cidade de Tibagi. Após passar toda a noite com os reféns sob a mira de armas de fogo, os suspeitos tiveram tiveram o cofre aberto pela manhã e fugiram levando grande quantia em dinheiro.

Segundo a polícia, a quadrilha, que era bem organizada, fez um levantamento da rotina das vitimas. Alguns se passaram por vendedores ambulantes por dias na frente da agencia bancaria, visando colher informações sobre os funcionários. Durante o sequestro, membros do grupo ficavam do lado de fora da residência usada como cativeiro e nas proximidades da agência, para que fossem repassadas informações sobre qualquer movimentação da policia.

Publicidade
Enquete

Você acha que os descontos da Black Friday compensam?

Publicidade
Flagra

Locomoção

Publicidade