10 anos de Hospital

Em meio ao cenário turbulento de enfrentamento ao Coronavírus, não poderíamos deixar de comemorar os 10 anos de inauguração do Hospital Regional de Ponta Grossa, que completamos amanhã, 31 de março. Comemoro esta data lembrando momentos importantes desta história, que fez a diferença na saúde da comunidade dos Campos Gerais. 

Tive a honra, como enfermeira da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), de chegar ao hospital que mudaria a história da Saúde dos Campos Gerais e do Paraná. 

Junto com os demais colegas, fomos designados para atuar no hospital, com poucas atividades  assistenciais nos primeiros anos, e nos apresentamos para a realização de protocolos e a abertura do ambulatório, dos primeiros leitos de UTI, com assistência de enfermagem exclusiva por enfermeiros e para as primeiras cirurgias menos complexas. 

Os primeiros Diretores Gerais, Adroaldo Araújo e Scheila Mainardes, contribuíram para a estruturação, a preparação e as adequações necessárias ao funcionamento do então apenas “Regional”. Muitas vezes, houve comentários sobre ser apenas um hospital de fachada, que não funcionava. Eu acompanhei esses boatos. Toda esta situação doía porque eu tinha tanta vontade em trabalhar e fazer diferente no SUS. Um dia isto mudaria. 

Em 2013, uma lei promoveu a mudança que transformaria a assistência e o ensino do Paraná. O Regional passou a ser Universitário, ligado à UEPG. O professor Everson Krum assume a direção. Ele traz novos conceitos de gestão, que serão fundamentais para o reconhecimento do HU como referência no atendimento com qualidade, carinho e humanização. 

Uma consequência da transferência para Universidade é a vinda de um maior número de professores e alunos da UEPG, mas também de outras instituições da cidade, para práticas e estágios, num ambiente de ciência e transferência de conhecimento com os profissionais do Hospital. Reuniões técnicas e cursos de capacitação passam a ser constantes, com especial atenção ao atendimento com qualidade, marca do HU-UEPG. 

Outro conceito fundamental da gestão do HU foi fazer com que os pacientes SUS fossem muito bem atendidos e que o hospital pudesse ser uma ilha de excelência, exceção nos serviços públicos, onde há tantas reclamações. O Diretor pedia que os pacientes pudessem ter atendimento como se estivessem com plano de saúde ou atendimento particular. Que tivessem atendimentos resolutivos, entrando e saindo com exames, consultas e procedimentos como é visto nos melhores serviços. 

Naturalmente, como HU, é implantado e expandido significativamente o número de residências médicas, havendo ainda a submissão de projetos, a aprovação e a conquista de bolsas federais para residências Multiprofissionais, ao ponto de termos hoje nove programas. Orgulho-me de ter participado como coordenadora das residências Multi e Uni, função que propiciou conhecimento e reconhecimento que me levaram a assumir o cargo de Diretora Acadêmica do HU em 2018. 

Neste ano, temos uma Direção Geral inteira, exercida pelo professor e médico Gilberto Baroni, que teve o desafio de conduzir o HU, e o fez exitosamente, durante o processo eleitoral interno da UEPG. No início da Gestão da UEPG 2018-2022, dos professores Miguel Sanches Neto e Everson Augusto Krum, a Direção Geral do HU coube à professora e médica Tatiana Cordeiro, que seguiu os conceitos de diretores antecessores e ainda manteve a qualidade que é tão reconhecida pelos pacientes atendidos em nosso hospital. Ela consolidou as ações e os projetos da UEPG e fez o hospital avançar na constante busca pela qualidade. 

A partir de outubro de 2019, recebendo um convite especial do Reitor da UEPG, Miguel Sanches Neto, assumi a Direção Geral com o desafio de manter os pilares e os conceitos praticados pelos diretores que tão capazmente me antecederam. Recebi ainda o desafio de ampliar a assistência e as consultas nos  ambulatórios, no pronto atendimento, no centro cirúrgico, nos internamentos e nos leitos de UTI, conduzindo as equipes internas para que o HU se mantivesse como referência cada vez mais reconhecida em saúde nos Campos Gerais.

O trabalho recém iniciado é surpreendido por um grande desafio: planejar e conduzir uma estrutura tão complexa e com tantas particularidades no enfrentamento do novo vírus que assola outros países e outras regiões do Brasil. Mas, com conhecimento, muita vontade e dedicação, empenho e profissionalismo dos companheiros diretores, chefes e coordenadores, enfim da equipe de gestão e ainda de todos os servidores, funcionários, professores, residentes, acadêmicos, de todas as áreas – assistenciais, apoio e administrativas – tenho absoluta certeza que estamos preparados para fazer o melhor em benefício da comunidade. 

Parabéns a todos nós que, nestes 10 anos, construímos com muita dedicação o maior complexo hospitalar dos Campos Gerais e um dos melhores do Paraná.

Luciane Patrícia Andreani Cabral é enfermeira e Diretora Geral do Hospital Universitário da UEPG.