Coluna da Academia
12 de Outubro - Dia da Criança

Odenir Follador

Dos bons tempos de criança
também hoje, bem me lembro!
Da grande paz e bonança
pelos campos de setembro.

Nesta época da revolução eletrônica, contamos com notáveis e incontáveis recursos tecnológicos. Inúmeras são as opções criadas, para atender a todos os tipos de necessidade e, aos mais diversificados gostos dos consumidores, todos destinados às pesquisas, informações, cultura e diversões.

Porém, podemos observar que, as crianças principalmente, estão cada vez mais conectadas a este mundo mágico da tecnologia e, também, cada vez mais sedentárias. Há necessidade hoje, de mostrar a elas, que é possível conciliar esta era contemporânea com as brincadeiras da infância de outrora, onde as crianças se reuniam festivamente, em diversas brincadeiras.

Em pleno século atual, a maioria das crianças, desconhece o real significado de “brincar”. Palavra pequena e, ao mesmo tempo grandiosa e prazerosa. Podemos afirmar que as brincadeiras sofreram evoluções, mas a essência “criança” permanece. Voltando um pouco no tempo, vejamos como as brincadeiras tão inocentes, faziam parte, do dia a dia das crianças àquela época: brincadeiras de roda, cirandinha, pular amarelinha, pular elástico, pular corda, pião, bolinhas-de-gude, perna-de-pau, bete-ombro, etc.

Na maioria, os brinquedos eram confeccionados manualmente, e a confecção de cada um deles, requeria esforço, criatividade, concentração e habilidade. O mais importante em tudo isso era a união, a participação entre os colegas, e trabalho em equipe, para que, os brinquedos criados tivessem o efeito desejado. Dessa forma, todos ficavam satisfeitos. Era comum ver as crianças correndo, brincando nas ruas, campos e lagos, onde o horizonte era o limite.

Brincar é acima de tudo, produzir prazer, vivenciar momentos e lugares aprazíveis com seus amigos, onde eles buscam nas brincadeiras uma forma de extravasarem suas energias; unindo-as numa forma de criatividade, integração, companheirismo, socialização e autoestima. É também através das brincadeiras que eles aprendem a seguir, respeitar e criar regras, se conscientizando que todos são iguais em cor, raça e religião. O ato de brincar é indispensável à saúde física, mental e ao aprendizado em geral.

 

Oh! Nostalgia... Da alegria, dos brinquedos e brincadeiras da infância,

que tivemos um dia!