Grupo Nanoita
Bandeira roxa

Mauro César Cafundó de Morais

Pós-doutor pela Faculdade de Medicina da USP

[email protected]

 

O leitor já reparou que não existe cor roxa nas bandeiras dos países do mundo? Até a primeira metade do século XIX, a cor roxa era símbolo de nobreza e aristocracia. Isso porque o único corante que fixava em tecidos era obtido das mucosas de um molusco asiático da família Muricidae e sua obtenção era extremamente trabalhosa e de baixo rendimento. O corante conhecido como roxo tyriano valia mais do que ouro. Em 1856, trabalhando no Royal College of Chemistry em Londres, o jovem William Perkin, orientado por August Wilhelm von Hofmann (considerado pai da síntese química), trabalhava nos estudos da síntese de quinina, uma substância natural e muito cara sobre a qual recaía grande demanda para o tratamento da malária.

Certo dia, trabalhando em casa e tentando testar as hipóteses de síntese de Hoffman, o jovem Perkin acidentalmente obteve uma substância roxa. "Eureca!" Foi sintetizada a primeira anilina, batizada de malveína. Seus primeiros experimentos mostraram que era possível corar a seda de maneira estável depois de lavar ou quando exposta à luz. Com a ajuda de seu amigo Arthur Church e seu irmão Thomas, trabalhou na síntese de outras substâncias corantes. Como estes experimentos não faziam parte do trabalho com quinina designado para Perkin, este decidiu manter tudo em segredo de seu orientador desenvolvendo as tarefas em uma cabana no quintal de sua casa.

Perkin foi visionário. A crescente revolução industrial na Inglaterra do século XIX foi parte de seu sucesso. Ele enviou amostras para serem testadas por fabricantes de tecidos e fez patente de seu achado. Perkin desenvolveu mordentes (substâncias que auxiliam a fixar um corante) para algodão e dava conselhos técnicos para as empresas de corantes. Quando a Rainha Victória e a Imperatriz Eugénie, esposa de Napoleão III da França, adotaram uma cor semelhante, a demanda aumentou. O timing perfeito e muito trabalho fizeram Perkin ficar rico. Ele tinha apenas 18 anos quando fez sua patente e criou sua empresa.

Mas, e as bandeiras? Por que não existe bandeira com cor roxa? As bandeiras e brasões, em sua maioria, foram elaboradas antes da descoberta de Perkin. Corantes roxos eram extremamente caros e os impérios não iriam gastar fortunas apenas para corar bandeiras, uniformes e outros símbolos. Acredito que os símbolos que temos hoje em dia, que usam cores em tons de roxo, tenham sido elaborados após a segunda metade do século XIX.

Algumas vezes, na Ciência, as descobertas acontecem assim: de repente, não mais do que de repente. Mas é preciso estar atento ao mundo para entender o que se encontra e muito trabalho para realizar as ideias.