Grupo Nanoita
Morrer de amor

Gilberto Baroni

Professor do Departamento de Medicina e diretor técnico do Hospital Universitário da UEPG

[email protected]

 

Não é de se estranhar que a ciência descubra, tardiamente, o que a sabedoria popular ou a literatura já sabiam há muito tempo.

Quantos poetas, ao longo do tempo, afirmavam nas suas dores mais profundas, a possibilidade de se morrer de amor. A sabedoria popular, traduzida em frases comuns, também no diz sobre a possibilidade de se morrer de raiva, de ódio ou de susto.

A literatura científica identificou há muito tempo a relação entre se ter amor ou a falta dele, ou outras emoções intensas e a possibilidade de morrer. Quadros depressivos, tendo como fatores precipitantes ou agravantes, são reconhecidas causas de óbito, seja diretamente por suicídio, seja por uso de álcool e drogas, ou mesmo por negligência no cuidado de si mesmo.

Outra causa de morte relacionada à forte emoção foi descrita mais recentemente. Trata-se de uma doença cardíaca, que em quase tudo se assemelha ao infarto do miocárdio. Os pacientes apresentam dor intensa no peito, igual a do ataque cardíaco, associadas a outras alterações sugestivas de infarto, incluindo as mudanças no eletrocardiograma. Queda de pressão arterial e distúrbios do ritmo cardíaco também ocorrem, em tudo se assemelhando a uma doença coronariana. No entanto, estes pacientes, uma vez submetidos a um cateterismo cardíaco, não apresentam qualquer alteração na circulação cardíaca, mas uma modificação no formato do coração, típico desta doença, muito parecida com a armadilha japonesa para polvos, que é uma espécie de vaso ou pote com o formato de uma boca estreita e corpo arredondado, que é muito maior que a boca, chamada de Takotsubo. Por isso, essa doença cardíaca foi chamada de Síndrome de Takotsubo.  A doença é grave, podendo ser fatal. É ocasionada por fortes emoções, incluindo perda do parceiro, por isto também foi chamada Síndrome do coração partido. A maioria dos pacientes, que são predominantemente mulheres, se recupera, mas em até 20% dos casos permanecem sequelas, especialmente insuficiência cardíaca.

Takotsubo, uma doença grave, uma armadilha para polvos, que mata de amor.