Meus Escritos
PICHADORES: ARTISTAS OU VÂNDALOS?

         Todos nós, com poucas exceções, já entramos um dia em uma sala de aula. Aquelas do quadro verde, pendurado na parede, e do giz de cal. Escrevíamos e em seguida tudo poderia ser apagado, sem qualquer dano a lousa. Era como um passe de mágica.

         Hoje os quadros, são todos mais modernos, com canetas especiais, sem aquele pó do giz e com as mãos mais limpas. Mas e a nossa cidade, pode ou não ser comparada a um quadro escolar?

         Todos os dias, quando estou me deslocando ao meu trabalho, fico observando a imensa quantidade de muros pichados, principalmente na região do Jardim Carvalho. Aquelas bonitas casas, com seus muros altos e todos rabiscados. Nada é respeitado. Desenhos estranhos, letras desconhecidas do alfabeto normal, ameaças, entre tantas outras coisas. É um mundo paralelo que se desenvolve.

         Estes dias, observei em um muro, o seguinte escrito, em letras garrafais: “Somos o que o sistema fez de nós”. Fiquei pensando nisto e cheguei na seguinte conclusão: A nossa sociedade, é formada por diferentes classes, e cada pessoa, pensando de uma maneira diferente da outra. Isto é normal do ser humano. Não pode ser alterado jamais. Agora, dizer que o sistema, faz isso ou aquilo conosco, é bem diferente.

         Alguns dias atrás, lí uma reportagem, sobre dois adolescentes, próximos de uma estrada muito movimentada aqui de Ponta Grossa, os quais pichavam livremente um viaduto em plena luz do dia. Foram fotografados, pôr uma equipe de reportagem, e só depois de algum tempo, foram embora livres, leves e soltos. Mas deixaram a sua marca na parede.

          E o ginásio de esportes, dos deficientes, também recebeu, pinturas estranhas em suas brancas estruturas. Quanto desrespeito, cometido contra a propriedade do povo. E o pior, pôr integrantes da própria população.

         Não faz muito tempo, meu pai mandou pintar sua casa, inclusive os muros. Após o término, passado alguns dias, e os pichadores de plantão, deixaram sua marca de cor preta. Uma sujeira sem tamanho.

         Prédios públicos, muros de cemitérios, escolas, igrejas, nada fica esquecido, pois na primeira oportunidade, aquela superfície lisa e limpinha, pode ser transformada em um quadro escolar, mas sem direito de apagador. Agora deixo a pergunta, para que você leitor possa refletir:

         Os pichadores são artistas ou vândalos? É para pensar. Uma ótima semana a todos os leitores. Grande abraço!

O QUEBRA-CABEÇA

         Conta certa ilustração, que um pai, retirou de um jornal, uma ilustração do globo terrestre. Então, dividiu aquela figura em vários pequenos pedaços. Levou até o seu pequeno filho e solicitou que remontasse o globo.

         A criança calmamente, virou cada parte e observou que no verso delas, estava a figura de um rosto humano dividido.

         Quando o pai retornou para ver o resultado, não enxergou mais o mapa, mas sim o rosto de um homem. Então podemos fazer a seguinte reflexão, com base nesta história, que para organizar o mundo, antes é necessário “reestruturar o homem”, ou ainda, que para criar este mundo, foi necessária a dedicação de um único e insubstituível Homem, o qual é Deus.

         Todos nós, um dia já tivemos a oportunidade de brincarmos com um quebra-cabeça. Em seus diferentes modelos, alguns com peças maiores, outros com minúsculas partes, mas a finalidade é igual a todos eles, visualizar uma gravura, anteriormente parcelada em fragmentos.

         Mas o que eu gostaria de refletir, é sobre a necessidade de remontarmos nossas vidas, observando a prática do perdão, da amizade, verdade, sinceridade, mansidão, etc... Quantos de nós, buscamos posições sociais, o primeiro lugar no pódio, o bolso repleto de valores financeiros e deixamos o prato principal para trás. Preferimos nos alimentar de “restos” em prol de uma vida “farta”.

         Imagine a cena, de um quadro montado a partir de um quebra-cabeça. Uma única peça que falte, entre milhares, pode ocasionar uma visão distorcida ou até prejudicar toda a gravura certamente. Assim é a nossa existência, uma única mancha, pode estragar todo o resto.

         Como temos cuidado do ser humano, nesta realidade triste e assustadora? Pessoas que matam o seu semelhante, e vão para casa dormir normalmente, como se nada tivesse ocorrido. Outros, olham a pobreza ao seu redor e preferem chamá-los de vagabundos. Sim, existem pessoas, que gostam de aproveitar das situações para tirar proveito próprio, mas muitas outras, necessitam de urgente ajuda.

         Assim, como uma peça do quebra-cabeça, com seus contornos diferenciados, mas que definem um encaixe perfeito ou não, é também a vida. Nem tudo é como gostaríamos. Somos imperfeitos e como queremos ter uma vida perfeita? Somente com fé e esperança, podemos alcançar a alegria verdadeira.  

         A palavra exata, talvez seria otimismo. Não cultivar a raiva, o rancor, a indiferença, pois seus frutos são amargos e prejudicam a nossa mente e espírito. Ser otimista não é ser conformado, de maneira alguma. É o primeiro passo, para alcançar o degrau seguinte e assim por diante.

         Espero que você, encaixe cada momento vivido, como um quebra-cabeça, e alcance um bonito resultado no final.

O FIM DOS MODELOS

EMERSON PUGSLEY

 

 

            Vivemos e morremos, cercados de modelos pré estabelecidos pela sociedade. Se temos um corpo “bonito”, somos valorizados. Se alcançamos uma boa nota na prova, ocupamos melhores lugares na sala. Se chegamos em primeiro na competição, as medalhas brilhantes nos aguardam.

         Mas precisamos pensar, em todos aqueles, que não alcançam estes patamares. Nem sempre o primeiro lugar é o melhor. Alunos brilhantes já tiraram notas baixas também e vice-versa. Todos são capazes de melhorar a cada instante. Só depende da dedicação.

         Estes dias, lendo uma reportagem, fiquei pensando sobre o que realmente é esforço? Um jovem pobre, sem qualquer chance real, com poucos estudos em seu histórico escolar, sai em busca de um trabalho para sobreviver. Descobre que existem vagas para faxineiro de uma faculdade. Vai correndo, repleto de esperanças. Era uma chance de verdade. A maior alegria, momento de puro êxtase, é escolhido para aquele trabalho digno e honesto.

         Convive com novas pessoas, cultos e estudiosos, alunos, funcionários e professores. Passado algum tempo, é chamado pela diretoria do estabelecimento. Pedem a ele, que continue seus estudos, e em breve receberá uma bolsa para um curso de sua escolha naquele local. Sem quase acreditar, sai a luta. Termina o ensino fundamental e médio. Apresenta seus documentos regularizados e começa o ensino superior.

         Dedicação total, com excelentes notas, chega o dia da formatura. Aquele antes faxineiro, agora com um diploma em mãos. Aquelas mãos sofridas, calejadas, agora cuidadas e segurando sonhos mais próximos de serem alcançados. E finalmente, esta história tem um fim fantástico, pois este jovem, é convocado para um teste seletivo de professor desta faculdade e consegue a primeira colocação. O antes faxineiro, agora um formador de opinião.

         Todo este exemplo, pode ser a nossa vida também. Temos inúmeros casos ao nosso redor, de pessoas que foram a luta, enfrentaram intempéries, e tiveram sucesso ou não, mas nunca desanimaram.

         Quando tomávamos, uma latinha de Coca Cola, em tempos atrás, se prestássemos atenção, veríamos histórias brilhantes e emocionantes, nelas impressas. Catadores de alumínio e recicladores, falam sobre como venceram as piores barreiras que a vida lhes impôs. Chocantes mas muito incentivadoras para todos aqueles, que tem tudo fácil ao seu redor, e muitas das vezes, não dão o devido valor.

         Se somos trabalhadores, temos saúde perfeita, uma família que nos ama, não precisamos ficar fazendo comparações. Estes “modelos” impostos pela sociedade da “beleza”, onde magros e gordos são diferenciados, brancos ou mulatos, cultos e incultos, é simplesmente uma falta de respeito e compreensão da diversidade humana e social. Uma “modelo” que come tudo o que tem pela frente e depois busca um banheiro para jogar tudo fora, estragando o seu próprio corpo, não tem nada de exemplar. É um rito profissional, pois ao contrário, são jogadas fora, como algo descartável e desprezível.

         Quantos baseados em seus “pré-conceitos”, ignoram o seu semelhante pela cor da pele. Triste isso, algo detestável, pois ninguém é proprietário da genética, é a natureza. Negros foram escravizados e mortos, albinos foram utilizados como cobaias vivas, brancos são mortos a todo instante, e mesmo assim, não conseguimos alcançar a harmonia de sentimentos baseados no respeito.

         Concluindo, temos que diariamente, pensarmos que metas e objetivos são de suma importância, mas jamais, tentarmos estabelecer “modelos”, pois olhando para o lado espiritual, temos Jesus como modelo de vida, o qual mesmo maltratado e  humilhado não esquece de nós em nenhum segundo, mas nós é que deixamos Ele de lado.

 

 

Reflita:

 

“Uma pessoa é capaz de conseguir qualquer coisa se o seu entusiasmo não tiver limites.”

                                                                               ( CHARLES SCHWAB )

O AR QUE RESPIRO

EMERSON PUGSLEY

 

        

         Quando saímos de nossas casas, sentimos o ar em movimento suavemente tocar em nosso rosto. Mesmo dentro de nossas residências, não viveríamos sem sua presença fundamental.

         Más o que é o ar? Algo invisível, que não pode ser medido, tocado, mas somente sentido. Independente de classes sociais, todos utilizam o ar. Um avião para levantar voo, necessita dele. Os pneus de um veículo também. Um balão para embelezar o céu, sem ar, não iria sair do chão.

         Dentro de nós temos pulmões, aonde tudo o que respiramos é filtrado, sendo de suma importância a saúde humana.

         Quantos de nós, não valorizamos diariamente este precioso elemento, o qual não encontramos a venda em lugar nenhum.

         Uma pessoa que não respira está morta. Quantos de nós paralisados pelos problemas, deixamos de viver? Buscamos o sucesso, o poder, dinheiro, mas nada disto nos dá alegria. O mundo está repleto de pessoas assim.

         Quantos de nós temos uma família e preferimos a solidão? Nem ao menos nos lembramos daqueles orfaõs da sociedade, os quais dariam tudo para estarem em nosso lugar.

         Temos um trabalho, somos úteis, mas mesmo assim reclamamos sempre de levantar cedo, do frio, do calor, do vento, etc. Não percebemos que somos felizes por ter um local de serviço, pois muitos estão soltos nas filas do desemprego.

         Quando a noite chega, temos um teto, um lar, uma cama macia, o alimento e preferimos lamentar por fatos tão sem importância, enquanto muitos dormem em calçadas, pontos de ônibus ou ruas, largados a própria sorte.

         Poderíamos perguntar então: - Onde está Deus?

         Será que em um distante céu, cuidando de anjos ou dos maiores problemas da humanidade. Será que Ele lembra que eu existo?

         A resposta é mais simples do que imaginamos. Deus está mais perto do que pensamos. No canto de um pássaro, no perfume de uma flor, no sorriso de uma criança. Lembro daquele exemplo, de alguém que dizia que gostaria de conhecer este Deus. Várias vezes, um homem pobre bateu a sua porta. Ele expulsava aquele coitado sem piedade.

         Então Deus aparece para ele e diz: - Estive várias vezes em sua casa e fui expulso em todas elas.       

         Assim como o ar que respiramos, Deus é a nossa vida. Pense nisto sempre, e verá mudanças concretas na sua trajetória terrena.

NOSSAS MODERNAS PREOCUPAÇÕES

 

EMERSON PUGSLEY

 

 

         Começo este artigo, com a seguinte pergunta: - o que mais te preocupa hoje? Alguns podem dizer, a falta de emprego, a violência, questões financeiras, entre muitas outras coisas.

         Ao deitarmos, pensamos em tudo, menos no sono. Ao acordarmos, nos deparamos com a vida como ela realmente é. Então alguns a enfrentam com coragem e tantos outros, adormecem em um “sono profundo”, do comodismo.

         Os pais e mães, com o cuidado constante dos filhos e filhas. É o colégio, o material escolar, a roupa, o alimento, as diversas despesas que vão a todo instante surgindo. Isto sem falar, nas outras “exigências”.

         Então, mandam os filhos para a escola, passando a responsabilidade do ensino e aprendizagem aos professores. É o templo do saber em ação. Mas no mundo no qual estamos, temos assistido cenas estranhas a este meio. Crianças e adolescentes grudados ao celular, com visuais diferenciados, sem nenhuma concentração nos conteúdos, das diversas disciplinas, trabalhadas em sala de aula.

         Penso eu, que a procura por seguros, nunca foi tão alta, como em nossos dias. Desde um simples celular até a residência, carro ou empresa, incluindo a própria vida, tudo devidamente segurado. Muitos dizem, preciso me proteger, neste mundo tão conturbado e violento.

         Existem ainda, aqueles que não se desligam, em momento algum, dos seus bens materiais. São eternos preocupados. Estes dias, lendo uma reportagem, fiquei perplexo, diante da situação de um cidadão americano, o qual já doente, solicitou aos seus familiares, que quando morresse, pudesse ser enterrado, em seu moderno automóvel. Seu desejo foi prontamente atendido.

         Buscamos o tempo todo, basear as nossas ações em previsões. Seja do tempo, da economia, do astral e tantas outras. Tentamos até adivinhar, o que está pela frente. Assim como aquele homem, que a televisão mostrou recentemente, o qual durante anos, guardou suas economias em sua própria casa, pensando em um futuro melhor para a família. Para sua surpresa ou susto, agora descobriu que sua pequena “fortuna”, não tem mais nenhum valor financeiro, pois com a troca das moedas, o valor monetário não existe mais.

         Você pode então me perguntar:- mas como posso viver, sem me preocupar? Os desafios são necessários, pois sem os mesmos, não teríamos incentivo para buscarmos os nossos objetivos. E é justamente, quando surgem os obstáculos, que começamos a crescer.

         Espero que você, aprenda a caminhar tanto em retas estradas, quanto em curvas estreitas, sem nunca perder os seus referenciais, aprendidos ao longo de sua vida, preenchendo o seu coração e pensamento com coisas boas, jamais se esquecendo de Deus.

AS RUAS DA VIDA

         Diariamente, pessoas e meios de transporte, se utilizam delas. Algumas pavimentadas, outras não, pouco organizadas e várias esburacadas.

         Sem as ruas, não conseguiríamos chegar confortavelmente nos destinos que necessitamos alcançar.

         Observe o bairro da cidade onde mora. É repleto de ruas largas e estreitas. Algumas não levando a lugar nenhum. Somente caminhos ou trilhas para caminhantes.

         Quantos veículos, ônibus, caminhões, bicicletas, carroças e pedestres, passam diariamente sobre elas? Algumas bastante judiadas, outras ainda com calçamentos do tempo antigo. E ainda, algumas sem qualquer tipo de pavimento, deixando aquela aparência de sujeira nas casas ao redor e moradores desanimados ou revoltados.

         Também podem ser palco de tragédias. Quantas vidas perdidas em nossas ruas das grandes e pequenas cidades. Entre atropelamentos, acidentes, assassinatos, etc e tal. São as várias faces, de nossos caminhos, com alegria e choro presentes.

         Costumo sempre observar, logo pela manhã, as cenas das nossas ruas e suas curiosidades. Catadores de recicláveis, acordam cedinho, pois já estão em movimento. Sempre com um cachorrinho em sua retaguarda. Na esquina movimentada e mal sinalizada, o veículo da cor verde todo arrebentado. Sinal de que tivemos mais acidentes, em nossas estatísticas urbanas.

         As ruas que estão sendo revitalizadas. Primeiro, todo o processo de preparação, com máquinas diversas, material apropriado para o trabalho, homens vestidos na cor laranja, prontos para as lutas, de mais um dia. E mesmo, com transtornos para melhorar, percebemos motoristas impacientes a reclamar e buzinar sem piedade.

         As nossas vidas, podem ser comparadas a ruas. Somos pedestres, em diferentes momentos, passamos por ruas bonitas, bem iluminadas, e em outras ocasiões, podemos passar por ruas empoeiradas, nas quais não enxergamos um palmo a frente dos nossos olhos.

         Iluminadas ou não, representam perigos aos homens e mulheres. Quantos de nós, estamos passando pela escuridão dos problemas, sem perspectivas de encontrar uma luz no final do túnel?

         Um dia destes, passei por uma esquina, quando observei uma placa em letras grandes, a qual dizia “Rua Sem Saída”. Então pensei, sobre as questões que nos rodeiam diariamente, e quantas delas, parecem não ter uma solução positiva.

         Que a cada momento, você possa refazer trajetos, para alcançar melhores posições, jamais desanimando ou desistindo. Assim como as formigas fazem na natureza, carregando o seu alimento em longas distâncias, construindo a sua morada, que mesmo, após uma enxurrada, poderá ser carregada, mas elas sempre trabalham.

         Concluindo, espero do fundo do coração, que a sua vida, seja uma rua que o leve para locais felizes, e quando vierem as lutas, que os seus pés jamais cansem das batalhas. Um forte abraço queridos leitores.

PREPARANDO 2019

         Um novo ano chegando, repleto de expectativas. É o momento de pensarmos em tudo o que realizamos e naquilo, que por algum motivo, também não alcançamos.

         Mas o que estamos realmente planejando? Muitas coisas talvez. Alguns podem dizer, vou passar no vestibular. Outros vou casar. E ainda todos aqueles, que almejam ter um trabalho, para dele tirar o seu sustento e de sua família.

         Quero comparar, com o processo, de preparação de um bolo. Primeiro definimos o que queremos comer. Em seguida, buscamos uma receita, para vermos do que precisaremos, separando os ingredientes. Iniciamos misturando o trigo, ovos, azeite, manteiga, etc... Após alguns instantes, tudo transforma-se em uma única massa. Levamos até o forno para assar.

         Mas tem um detalhe, é de suma importância, o uso do fermento, sem o qual, todo o trabalho anterior, pode ser perdido, pois a massa não crescerá.

         Nossa vida é assim. Necessita de ânimo, fé e esperança, aliados com boa vontade, determinação e muita luta. Todos os nossos planos de ano novo, podem e devem ser anotados, dos menos importantes aos mais importantes.

         A medida que formos alcançando as nossas metas, vamos estabelecendo outras.

Se sonhamos com algo específico, devemos plantar sementes de sabedoria, pois assim colheremos vitórias.

         Toda aquela empolgação de véspera de ano novo, deve continuar a cada momento. O que ocorre, é que tão logo passem os festejos, a rotina encobre tudo aquilo que pensamos de diferente e logo desanimamos.

         Muitos buscam pular ondas do mar no reveillon. Dizem que dá sorte. Que tal, começar pulando os obstáculos, que surgem a todo instante em nosso caminho?

         Viva intensamente os 365 dias, com muita fé em Deus, e fazendo sempre a sua parte em tudo. Não fique na sombra somente. Saia ao sol, pois valorizará cada gota de suor que escorrer do seu rosto.

         Desejo do fundo do coração, um excelente ano novo a todos, com tudo de melhor e mais feliz possível, e quando surgirem as dificuldades, lembre-se que não está sozinho ou sozinha neste mundo.

 

 

“O objetivo de um ano novo não é que nós deveríamos ter um ano novo. É que nós deveríamos ter uma alma nova.”

                                                                            (GILBERT KEITH CHESTERTON)

A EMOÇÃO DO NATAL

 

EMERSON PUGSLEY

 

         Estamos em um período festivo. Uma comemoração muito antiga, onde o aniversariante principal é o Homem que faz história – Jesus.

         Todos preocupados com os festejos de uma noite. Roupas novas, alimentos diversificados, luzes coloridas, ornamentos, tudo previamente preparado, com muitos presentes embaixo da árvore de natal. Papai e mamãe noel espalhados pelas lojas, passeando em trenós, conquistando crianças e adultos, no sonho de ganhar algo.

         No final da festa, um amontoado de papel de presente amassado, caixas vazias, alegrias e decepções e estômago cheio. Sem falar nas dívidas contraídas.

         Mas onde fica Jesus em todo este episódio? Talvez, em um cartão recebido e não lido, dormindo no presépio não compreendido, nas mensagens bonitas na teoria, com uma prática totalmente diferente.

         A televisão e o comércio em geral, fazem a sua parte direitinho. Contagiam as pessoas a gastarem, por falsos e passageiros momentos de prazer. As ruas iluminadas, escondem os problemas em nossos caminhos.

         Agora, imagine que o aniversariante, o mesmo que nasceu em uma humilde estrebaria, dentro de uma manjedoura, junto de  animais, resolvesse chegar em sua casa na noite de natal, aquela que já citei anteriormente, de mesa farta e presentes espalhados pelos cantos, mas com corações distantes de Deus, somente voltados para o consumismo exagerado.

         Como você reagiria? O personagem principal esquecido da própria festa. Triste isto não acha? Muitos ficariam religiosos em um piscar de olhos. Outros talvez não percebessem o que estaria ocorrendo.

         Atitudes humanas somente, para Aquele Homem acima dos humanos.

         Natal não é uma noite isolada no ano, deve ser toda uma vida. Olhe para o verdadeiro presépio, aquele da humildade, do Jesus que não teve um hospital moderno para chegar neste mundo, e mesmo assim, deu sua própria vida pelos habitantes deste planeta, que ao invés de festejarem o significado, preferem comer e beber do nada.

         Jesus é o maior presente que já ganhamos, o qual é eterno e concreto, amigo para todos os momentos e ocasiões, alegres ou tristes, e que não encontramos embrulhado em uma caixa com um laço vermelho.

         Deixo a todos o desafio, que reflitam neste natal, sobre novos rumos em sua vida, de propósitos renovados, de raivas e ódios esquecidos, da comunhão com os excluídos, de uma vida nova ao lado de Deus, inspirando a viver um ano novo, com conquistas diárias e bençãos sem igual.

 

 

“O Natal dos sonhos é aquele que você idealiza no espírito, sente no coração e partilha na solidariedade.”       

                                                                        (GISLAINE SCHINEIDER)

CARTINHAS PARA O PAPAI NOEL

         Estamos em um período festivo. Uma comemoração muito antiga, onde o aniversariante principal é o Homem que faz história – Jesus.

         Todos preocupados com os festejos de uma noite. Roupas novas, alimentos diversificados, luzes coloridas, ornamentos, tudo previamente preparado, com muitos presentes embaixo da árvore de natal. Papai e mamãe noel espalhados pelas lojas, passeando em trenós, conquistando crianças e adultos, no sonho de ganhar algo.

         Dias atrás, eu andava de carro, pelo centro da cidade, e ao parar no semáforo fui rapidamente surpreendido pôr um humilde menino, de roupas judiadas, o qual me entregou uma folha dobrada de papel fotocopiado.

         A história ali contada, era de muitas dificuldades, desde familiares presos, outros doentes e a falta de tudo dentro de casa. Os pedidos eram de fraldas, bombons, latas de achocolatado, entre outros.

         A televisão e o comércio em geral, fazem a sua parte direitinho. Contagiam as pessoas a gastarem, por falsos e passageiros momentos de prazer. As ruas iluminadas, escondem os problemas em nossos caminhos.

         Esta é uma época, onde cartinhas assim se multiplicam. É o “espírito natalino” chegando nas comunidades mais carentes e miseráveis.

         Ainda existem aqueles, que deixam seus pedidos nas agências dos Correios, redes de supermercados, etc...O sonho acalentado, de receber a visita do bom velhinho, é construído a cada instante nestas frágeis mentes.

         O que para muitas crianças, é um brinquedo desprezado, para tantas outras é o paraíso terrestre. E isto é bem sério. Se pensarmos que as crianças, são o futuro desta nação, o que será do país, se ficarem todas revoltadas, desprotegidas, humilhadas e abandonadas?

         E quando estiver, confortavelmente sentado, na frente de uma mesa, repleta de guloseimas festivas natalinas, lembre-se que muitos pratos estão vazios, pessoas enfraquecendo diante de tantas lutas, sonhos transformados em pesadelos.

         Deixe que a solidariedade, entre em seu coração, e busque meios de presentear vidas com aquilo que estiver ao seu alcance. Não vamos jamais esquecer, que tudo plantado um dia, dará seus frutos, os quais podem ser bons ou péssimos, para nós mesmos.

         Precisamos urgentemente, sair do “mundo imaginário”, criado pelas modernas sociedades, nas quais não existem pobres. Estes estão ao nosso lado. Só precisam ser enxergados e auxiliados.

         Deixo a todos o desafio, que reflitam neste natal, sobre novos rumos em sua vida, de propósitos renovados, de raivas e ódios esquecidos, da comunhão com os excluídos, de uma vida nova ao lado de Deus, inspirando a viver um ano novo, com conquistas diárias e bençãos sem igual.

 

A DINÂMICA DOS RELACIONAMENTOS

Vivemos em um mundo globalizado. Na era de tecnologia de massas. Tudo muda em instantes. Os segundos transformam vidas. As horas rapidamente passam. Dias e noites vão se alternando e uma luta desigual entre a vida e a morte vai se travando. Nos berçários, bebês chorando. É a vida começando. Enquanto isto, ao redor do mundo, muitas vidas vão sumindo por diferentes fatores. Nada se leva desta terra, ao contrário, tudo é deixado. Ficam bens materiais, dinheiro, carros, etc... Más também ficam histórias, aquelas que escrevemos, com nossas atitudes, ao longo de nossa jornada terrena. E esta ninguém pode escrever em seu lugar. É só você. Diz um pensamento que “viver é desenhar sem borracha”. Profundo isto, porque tudo o que fazemos tem uma consequência e não conseguimos voltar atrás para corrigir. O tempo não pode ser rebobinado.

         Em nossos relacionamentos também é assim. Tudo o que fazemos, terá um resultado. Se construímos em cima do diálogo, da sinceridade e da verdade, alcançaremos êxito. Lógico, isto não significa, ausência de problemas. Todos os temos e sempre teremos, pois fazem parte do nosso existir. Por outro lado, relacionamentos baseados na falsidade, mentira, desentendimentos em geral, podem entrar em nosso coração como espinhos, sangrando nossa alma e deixando profundas marcas.

         O que mais nos preocupa, é saber que adolescentes e jovens, estão crescendo em uma sociedade, que deixou os valores morais para trás. Ao mesmo tempo que pensamos em fidelidade em nossa vida conjugal, pesquisas demonstram estatísticas assustadoras. A infidelidade tem mostrado toda a sua força. Homens e mulheres casadas, buscam novos parceiros e parceiras, os quais devem ser casadas também. Segundo a pesquisa, o medo de serem descobertos, traz mais prazer ao relacionamento extraconjugal.

         Este é somente um dos inúmeros casos que lemos diariamente nos meios de comunicação. Aquele modelo de família tradicional, onde pai, mãe e filhos interagiam, foi trocado por um modelo “moderno”, onde pais criam sozinhos seus filhos e filhas, mães solteiras fazem o que podem pelos seus filhos e assim por diante.

         Quantos e quantas querem ser felizes. Este é o maior anseio do ser humano. Só que a felicidade legítima não cai pronta e acabada do céu. Ela é fruto de um trabalho diário, onde casais devem compreender que o outro também sente dor, que seu esposo ou esposa, namorado ou namorada, devem diariamente estabelecer modelos de vida, alicerçados em valores cristãos, independente de raça, condição social ou religião

         Experimente pegar duas folhas de papel. Passe cola em uma das faces e deixe secar. Depois de alguns minutos, tente separar as folhas. Você perceberá que irão rasgar-se, nenhuma ficará intacta. Assim é o casamento também e cada um de nossos relacionamentos.

         Jamais alcançaremos a perfeição, mas leve em conta sempre, a compreensão.