Meus Escritos
PICHADORES: ARTISTAS OU VÂNDALOS?

         Todos nós, com poucas exceções, já entramos um dia em uma sala de aula. Aquelas do quadro verde, pendurado na parede, e do giz de cal. Escrevíamos e em seguida tudo poderia ser apagado, sem qualquer dano a lousa. Era como um passe de mágica.

         Hoje os quadros, são todos mais modernos, com canetas especiais, sem aquele pó do giz e com as mãos mais limpas. Mas e a nossa cidade, pode ou não ser comparada a um quadro escolar?

         Todos os dias, quando estou me deslocando ao meu trabalho, fico observando a imensa quantidade de muros pichados, principalmente na região do Jardim Carvalho. Aquelas bonitas casas, com seus muros altos e todos rabiscados. Nada é respeitado. Desenhos estranhos, letras desconhecidas do alfabeto normal, ameaças, entre tantas outras coisas. É um mundo paralelo que se desenvolve.

         Estes dias, observei em um muro, o seguinte escrito, em letras garrafais: “Somos o que o sistema fez de nós”. Fiquei pensando nisto e cheguei na seguinte conclusão: A nossa sociedade, é formada por diferentes classes, e cada pessoa, pensando de uma maneira diferente da outra. Isto é normal do ser humano. Não pode ser alterado jamais. Agora, dizer que o sistema, faz isso ou aquilo conosco, é bem diferente.

         Alguns dias atrás, lí uma reportagem, sobre dois adolescentes, próximos de uma estrada muito movimentada aqui de Ponta Grossa, os quais pichavam livremente um viaduto em plena luz do dia. Foram fotografados, pôr uma equipe de reportagem, e só depois de algum tempo, foram embora livres, leves e soltos. Mas deixaram a sua marca na parede.

          E o ginásio de esportes, dos deficientes, também recebeu, pinturas estranhas em suas brancas estruturas. Quanto desrespeito, cometido contra a propriedade do povo. E o pior, pôr integrantes da própria população.

         Não faz muito tempo, meu pai mandou pintar sua casa, inclusive os muros. Após o término, passado alguns dias, e os pichadores de plantão, deixaram sua marca de cor preta. Uma sujeira sem tamanho.

         Prédios públicos, muros de cemitérios, escolas, igrejas, nada fica esquecido, pois na primeira oportunidade, aquela superfície lisa e limpinha, pode ser transformada em um quadro escolar, mas sem direito de apagador. Agora deixo a pergunta, para que você leitor possa refletir:

         Os pichadores são artistas ou vândalos? É para pensar. Uma ótima semana a todos os leitores. Grande abraço!