Saúde em Pauta
A fé pode ajudar na cura?

 

Atualmente fé e ciência estão dialogando e inúmeros estudos neurocientíficos comprovam que a oração ativa certas regiões do cérebro (lobos frontais) responsáveis pela concentração e sistema límbico onde se situam nossas emoções.  

 

A FÈ ATUA A NÍVEL METABÓLICO NAS DOENÇAS?

  • Sim. A Sociedade Americana de Hipertensão (2006) aponta que a oração pode diminuir a pressão arterial e o ritmo cardíaco contribuindo para um sistema imunológico mais resistente.
  • Crentes se recuperam de câncer de mama mais rápido do que os não-crentes.
  • A fé induz à melhores resultados em doença coronária e artrite reumatoide.

· A fé contribui na redução da carga viral em pacientes com HIV, além de reduzir mortes por AVC.

· 42 estudos (2009), com mais de 126 mil pessoas apontaram que quem frequenta cultos religiosos pelo menos uma vez por semana tem 29% mais chances de aumentar seus anos de vida em relação àqueles que não frequentam.

· Quem ora apresenta níveis menores de estresse e menos inflamações.

 

EXISTE ALGUM FATOR GENÉTICO NA FÉ?

O geneticista americano Dean Hamer em 2004 anuncia a descoberta dos genes da fé – ou, como ele preferiu chamar, os genes de Deus. Batizado de VMAT2, que atuam no cérebro regulando a ação dos neurotransmissores dopamina, ligada ao humor, e serotonina, relacionada ao prazer.

 

NOS HOSPITAIS SE UTILIZA A FÉ?

  • Sim! Nos EUA (Duke) objetivando mensurar os benefícios biológicos da fé em pacientes espiritualizados submetidos à cirurgia de ponte de safena comprovaram que estes, detém menos inflamações no pós-operatório já que existe um marcador de inflamação que parece apresentar menores níveis em religiosos.

 

E ORAR UNS PELOS OUTROS?

Em 1988, o físico Randolph Byrd surpreendeu o mundo com os resultados de um estudo de cinco anos com 393 pacientes, onde dividiu esses pacientes em 2 grupos: um que recebeu orações e outro que não recebeu nenhuma.  O resultado apontou que 85% do grupo que recebeu oração estavam menos propensos a sofrerem um ataque cardíaco, precisarem de antibióticos ou necessitarem de intervenções como ventilação ou intubação.

 

E AS UNIVERSIDADES?

Hoje, as principais faculdades de medicina americanas dedicam uma disciplina exclusiva ao assunto. No Brasil, algumas já inserem a espiritualidade como terapêutica complementar. A UEPG no último dia 8 trouxe uma palestra abordando o assunto, compatível com a proposta de Wiilian Osler, ícone da medicina moderna, que há um século já disse: “a fé despeja uma inesgotável torrente de energia”.

Indígenas caiçaras inspiram fitoterápico contra dores musculares

O Brasil é um dos países dono de uma das maiores biodiversidades do planeta, sendo muitas vezes chamado de celeiro do mundo.  Suas espécies medicinais se constituem matérias primas usadas pelas indústrias farmacêuticas para a elaboração de medicamentos fitoterápicos.

 

Na procura de novos medicamentos, as etnias indígenas têm contribuído?

MUITO! Porque a grande maioria das plantas medicinais comprovadas pela ciência, primeiro foram utilizadas popularmente. E a população indígena utilizando o empirismo tem trazido grandes contribuições. Neste universo existe uma, chamada cientificamente de Cordia Verbenacea e conhecida popularmente como era baleeira ou Maria preta, estudada desde 1991 e demonstrou uma expressiva atividade antiinflamatória gerando o primeiro medicamento fitoterápico essencialmente brasileiro.

 

Como se descobriu seu potencial de cura?

Há séculos os indígenas já conheciam seus poderes curativos, especialmente as comunidades litorâneas onde ela é usada na forma de pomada, extrato ou folhas maceradas para curar ferimento provocados por acidentes com

peixes nas pescarias. Imagina-se, que o nome "baleeira" seja inspirado justamente nesta associação com o uso da planta por pescadores.

 

Para que é usada popularmente?

Seus poderes como cicatrizante e antiinflamatória é que fizeram a fama desta planta é usada contra artrite, reumatismo, artrose, contusões e na forma de bochechos para tratar inflamações bucais.  Em algumas regiões, as folhas da erva baleeira são cozidas e aplicadas sobre feridas para acelerar a cicatrização.

 

E cientificamente?

Com o aval da Agencia Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), hoje, a erva baleeira é indicada nos casos de artrite, artrose, tendinite, dores miofasciais, LER (lesão por esforço repetitivo) e outros processos inflamatórios dolorosos. Encontrada no mercado de medicamentos na forma de creme ou gel para uso tópico, ou seja, para ser aplicado no local da dor.

 

Foto: Planta Mundo

Existem outras essências florais...além dos Florais de Bach?

Sim!

O Dr. Edward Bach foi quem primeiro buscou nas essências das flores seus princípios biativos com o propósito de reequilibrar estados desarmonizantes da mente ou da esfera emocional. Para tanto, andou pelos campos e campinas verdejantes de uma região da Inglaterra, chamada Mount Vernon onde conseguiu catalogar 38 plantas nativas que após experimentações, deram origem a um sistema chamado Terapia Floral de Bach. Hoje, esse sistema terapêutico é reconhecido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como um terapia complementar ou integrativa, ou seja, uma coadjuvante importante no tratamento da ansiedade, depressão leve ou moderada, ou emoções em desequilíbrio como o medo, a culpa, a angústia, a tristeza, o desânimo, o pânico, entre outras.

 

Existem outros sistemas florais?

A resposta é SIM! Novas alternativas de cura encontradas em outras espécies vegetais somente foram possíveis graças ao trabalho exaustivo realizado por Dr. Edward Bach. A partir das descobertas deste médico homeopata, bacteriologista e imunologista, inúmeros pesquisadores aperfeiçoaram a sua técnica original, dando origem a uma infinidade de sistemas florais, utilizando a flora regional de cada pesquisador. Isso aconteceu após sua morte, onde os relatos de seus experimentos caíram em mãos igualmente competentes, e novos resultados foram possíveis. Atualmente, já existem cerca de 20 sistemas florais.

 

Vamos apresentar aqui um breve leque de opções onde as pessoas simpatizantes das terapias florais podem encontrar opções de cura para suas angústias do corpo e da mente.

 

Florais da Califórnia

Este sistema é mais conhecido nos Estados Unidos, sendo as essências preparados desde 1970 pelos fundadores e pesquisadores Richard Katz e Patricia Kaminski. Esse casal foi responsável por fundar a Flower Essence Society (FES), uma entidade sem fins lucrativos que estuda espécies vegetais passíveis de serem transformadas em medicamentos. Essa fundação também investe em projetos educativos e trabalhos sociais. Uma de suas atividades filantrópicas é proceder doações de seus florais à população carente ou destinados à vítimas de desastres naturais, que precisam reestruturar o emocional.

Atualmente, o sistema conta com 103 essências de origem própria e outras 39 inglesas, dentro dos preceitos e ensinamentos dos Florais de Bach. A cartilha com todos os florais pode ser encontrada diretamente no site da fundação, o FES Flowers.

 

Florais de Saint Germain

Esse sistema foi fundado em 1997 pela terapeuta Neide Margonari e foram desenvolvidos aqui, no Brasil. Essa terapia até o momento detém 89 essências, e a diferença com outros sistemas reside na forma de sua produção que é totalmente artesanal. Ao contrário da terapia de Bach, que levava em conta o temperamento do paciente, suas emoções em desarmonia no momento da enfermidade, os florais de Saint Germain considera o histórico de vida do paciente, suas relações com os que o cercam buscando os prováveis gatilhos emocionais que possam ter provocado sintomas mentais e emocionais desarmonizantes.

Mais informações sobre essa terapêutica encontra-se no site da fundação Florais de Saint Germain.

 

Florais Joel Aleixo

A flora brasileira devido à riqueza de sua biodiversidade tem provocado em alguns pesquisadores uma grande motivação para se descobrir novas essências florais. Quem está na lista, é o brasileiro Joel Aleixo que há mais de duas décadas se dedica à pesquisa de plantas medicinais com potencial terapêutico voltado ao equilíbrio. Acreditando, que a natureza possui uma energia vital, essa linha terapêutica tenta promover o reajuste das esferas psíquicas e físicas.

A linha terapêutica possui especificidade para uso em adultos, criança, animais e indivíduos sensíveis ao álcool, cujos medicamentos são disponibilizados em 10 kits de essências florais sutis, bem como uma linha cosmética floral. Com plantas regionais, foram elaborados 308 florais, os quais se encontram distribuídos em 12 grupos distintos, onde terapeutas da Escola Joel Aleixo são preparados para prescrevê-los.

 

Florais do Alaska

O frio e condições climáticas extremas do Alaska não foram impedimento para que o americano Steve Johnson, buscasse entre as flores nativas e silvestres de paisagens quase intocáveis desta região, essências de flores que se constituíram novas opções de cura. Essa terapêutica foi desenvolvida a partir de 1983 e se apresenta com 72 essências cultivadas em solos quase estéreis. Os seus idealizadores Steve Johnson e Jane Bell promovem periodicamente cursos de treinamento à pessoas interessadas neste tipo de Terapia. Mais informações podem ser encontradas no site Alaskan Essences.

 

Florais do Hawaii

Jane Bell, a co-produtora e pesquisadora dos Florais do Alaska é também a idealizadora de um outro sistema floral. Os florais do Hawaii. Como profissional especialista em terapia vibracional, Jane Bell além de se utilizar de flores nativas da região e por e viver em locais à beira mar, se dedicou a recolher algumas espécies marinhas, e através da experimentação chegar à descoberta de sua efetividade em determinados sintomas de aflição que acomete os seres humanos. Esse sistema conta com cerca de 36 essências.

 

Florais Filhas de Gaia

Desde de 1980, Maria Grillo, além de simpatizante pelas Medicina Natural passou a utilizar as essências florais de Bach, para problemas de ordem física, emocional e mental, obtendo sempre resultados bastante animadores. Então, se sentindo grata por tantos benefícios recebidos com esta terapêutica, a partir de um desejo pessoal de contribuir em amenizar sofrimentos alheios, teve a iniciativa de pesquisar essências florais em áreas de preservação ambiental e santuários ecológicos, como o Parque Estadual da Ilha do Cardoso e áreas preservadas como a Grota Funda, em Itatiba; Mata Atlântica, dentro do Parque Estadual da Serra do Mar; Serra da Mantiqueira. Atualmente, os Florais Filhas de Gaia são encontrados à venda através de representantes ou farmácias de manipulação. Mais informações estão no site oficial do sistema floral.

 

Florais Living Essences

Provenientes das paisagens naturais da Austrália, os Florais Living Essences constitue-se uma terapêutica baseada nas preconizações dos ensinamentos do Dr. Bach, que insiste em afirmar que estados mentais desarmônicos podem influenciar diversos metabolismos da fisiologia humana, podendo provocar enfermidades. Os florais Living Essences são considerados líderes mundiais na pesquisa sobre essa relação dos florais com a saúde da mente-corpo.

Pesquisas realizadas como aporte à essa terapêutica, chegaram à conclusão que, em pessoas deprimidas, as plaquetas (que promovem a coagulação) mudam sua consistência e vasos sanguíneos como artérias e veias também podem sofrer obstrução. Estas sintomatologia física influencia o estado mental da pessoa acometida o que poderá levar as pessoas a estados de grande negativismo e desânimo para situações do cotidiano, provando a relação intrínseca que existe entre corpo e mente. Mais informações podem ser obtidas no site da Fundação.

 

Florais de Minas

Os Florais de Minas constituem-se o primeiro sistema ou linha de florais nacionais, produzidos e pesquisados aqui no Brasil tendo como inspiração o trabalho do Dr Bach. Produzidos dentro das Boas Práticas de Fabricação, a pesquisa dos Florais de Minas consolidou sua presença junto ao público brasileiro ao longo dos anos. Usando estratégias e abordagens que combinam o rigor do controle de qualidade com as indicações específicas para cada essências, essa empresa produz florais, combinações de florais e outros produtos que são resultado de sua pesquisa original sempre balizado nos conhecimentos da medicina tradicional. Sempre tendo em foco o cultivo e a proteção à flora utilizada a empresa busca no solo brasileiro a sua riqueza terapêutica.

Breno Marques da Silva e Ednamara Batista Vasconcelos são os fundadores, produtores e pesquisadores dos Florais de Minas. Ele, químico responsável e Doutor em Ciências pela USP, possui em sua equipe técnica químicos, biomédicos e farmacêuticos, os quais desenvolvem estratégias cientificas específicas sobre os processos produtivos e de controle de qualidade, visando atender as Boas Práticas de Fabricação (BPF). Além de deter equipamentos de última geração, a empresa possui laboratórios de Farmacognosia, Microbiologia, Análise físico-química, Microscopia, Estereoscopia ótica e digital, além de Análise Quantitativa de substâncias ativas de plantas, realizadas com equipamentos modernos tais como sistema de CLAE/HPLC (cromatografia líquida de alta eficiência) e espectrofotômetro UV-VIS (ultravioleta-visível).

Doenças da tecnologia - um mal a ser evitado

Em publicação anterior (20/06/18), já foi abordado nesta coluna as chamadas Doenças da Tela. No entanto os resultados preliminares de um estudo realizado pelo National Institute of Health nos EUA comprovaram dados alarmantes sobre o impacto da exposição de crianças e adolescentes à tela de celulares, computadores, tablets. Tais resultados devem levar pais e responsáveis à novas reflexões.

 

Como foi conduzido este estudo?

 O estudo recebeu o nome de ABCD Study (Adolescent Brain Cognitive Development), feito a partir do escaneamento do cérebro de crianças entre nove e dez anos de idade, ao longo de uma década com cerca de 11 mil crianças, distribuídas em 21 cidades americanas. O estudo ainda contou com o apoio de 4.000 imagens cerebrais que registraram alterações neurológicas nos participantes.

E os resultados?

 Dados preliminares obtidos através de ressonâncias magnéticas demonstraram diferenças significativas em crianças que usam a tecnologia virtual, mais de sete horas por dia.

 * Afinamento precoce do córtex cerebral (atrofia) com diminuição das informações sensoriais – visão, audição, tato, olfato e paladar. E crianças acima de duas horas junto às telas obtiveram pontuações mais baixas em testes de raciocínio e linguagem.

* Aceleração do processo de envelhecimento cerebral.

 * Em adolescentes que seguem o Instagram observou-se a liberação de dopamina, substancia química que pode desencadear comportamentos compulsivos análogos à dependência de drogas.

* Quanto maior a exposição à tela, pior foi o desempenho em testes de linguagem e matemática.

* Observou-se que meninas que usam mais as redes sociais possuem tendências maiores à automutilação

* Uso das redes sociais menos de 30 minutos por dia apresentaram muito menos sintomas depressivos e autodestrutivos.

* Outro estudo (San Diego State University) observou aumento da depressão e desejo de ficarem sozinhas em crianças nascidas a partir de 1995.

Queda de cabelo: a natureza a seu favor

Assim como nossas unhas, pele e outros tecidos, nossos cabelos estão sempre a se renovar. Por isso nem toda queda de cabelo é patológica, já que é normal perdermos de 50 a 100 fios de cabelo por dia.

Queda de cabelo é a mesma coisa que calvície ?

Não! A queda de cabelos pode ser uma situação transitória, passageira, enquanto que a calvície, chamada de alopecia androgenética tem diversas causas e vai se instalando progressivamente aumentando a perda dos fios. Por ser determinado por um fator genético (é hereditário), a calvície atinge mais homens que mulheres. Apenas 10% das mulheres são calvas.

Quais as causas da queda de cabelo?

  • Mulheres : enfermidades como  tireoide (hormônios T3  e T4 aceleram ou lentificam a reposição capilar) , deficiência de ferro, amamentação, doenças infecciosas,mudanças hormonais ( gravidez,  menopausa, parto) medicamentos quimioterápicos, estress
  • Homens : a causa mais comum  é a  calvície.

Como prevenir a  queda de cabelo?

  • Ingestão de vitaminas do complexo B (biotina)
  • Ferro ( sua falta leva à anemia que provoca queda de cabelos)
  • Vitamina C -ajuda na produção de colágeno  (fibra capilar)

Porque dizem que massagear o couro cabeludo fortalece o cabelo?

Por aumentar o aporte de oxigênio e nutrientes nas células da região, fortalecendo o bulbo capilar. A massagem trará maiores resultados ao se utilizar  óleos essenciais como óleo de côco, amêndoas, oliva, rícino ou alecrim.

E o jaborandi? Funciona na  queda de cabelo?

Sim! O Pilocarpus  jaborandi foi descoberto pelos indígenas da Amazônia  a quem deram o nome de “yaboran-di” (faz babar). Possui propriedades sudoríferas e diuréticas e usado também no tratamento do glaucoma. Detém o importante alcalóide chamado de pilocarpina que por ser um vasodilatador do bulbo capilar melhora a microcirculação do couro cabeludo fortalecendo suas raízes. O jaborandi pode ser encontrado em shampoos e loções capilares.

 Com uma boa massagem capilar... trará bons resultados!  

Florais de Bach para crianças com dificuldade de adaptação na escola

            As aulas estão se iniciando e com elas o desafio para um novo ano.

            Para as crianças que já frequentam a escola, os primeiros dias são de festa, para matar as saudades dos colegas e animação para começar um ano cheio de novidades.

            Mas tanta euforia não é para todos.

Principalmente àquelas crianças que vão à escola pela primeira vez.

Se o medo nos assusta, que somos adultos, imagine as criancinhas que abandonam seus lares para novas vivências nunca experimentadas.

E então vem o sofrimento para ela, com o medo do novo, dificuldade de adaptação e  cortar os vínculos familiares por tantas horas seguidas.

Quem pode ajudar?

Com certeza, os florais de Bach. Uma medicação natural, que harmoniza emoções em conflito e neste caso,  o medo do novo, momentos de transição, desapego do cotidiano familiar, adaptação à novas situações.

Crianças de que idade podem tomar florais para se adaptar à escola?.

            De todas as idades. Inclusive bebês que vão às creches pela primeira vez.

Existe uma fórmula para se enfrentar o novo?

Sim! Os florais de Bach por atuarem numa esfera tão sutil, que não podemos tocar ou sentir, onde estão localizadas as nossas emoções agem também de uma forma sutil reequilibrando sentimentos desarmonizantes que podem comprometer o nosso dia a dia. Para situações de transição, onde o novo pode ser o grande fantasma impedindo que a criança possa ter uma vida serena e normal, existe uma fórmula de florais de Bach que poderá ajudar muito.

  • Rescue Remedy
  • Walnut
  • Mimulus

Posologia : Ingerir 4 gotas 4 a 5 vezes ao dia. Sendo a primeira dose em jejum.

Observações-

  1. Preparar todas as essências no mesmo frasco
  2. Solicitar ao farmacêutico, que a fórmula seja preparada sem conservante (que é o brandy), um conservante alcoólico não indicado para crianças
  3. Pelo fato desta fórmula não ter conservante, ela deve ser consumida no máximo em 3 semanas.

Qual a indicação de cada essência floral desta fórmula?

São elas:

  1. Rescue Remedy – como o nome diz é a essência da emergência, quando precisamos de uma energia extra para enfrentar situações adversas. No Rescue Remedy, vamos encontrar essências que irão trabalhar o pânico (Rock rose), medo de perder o controle diante da nova situação (Cherry plum), agitação (Impatiens), choque emocional diante do desconhecido (Star of Bethlehem) e aumento da concentração (Clematis).
  2. Walnut – é o floral da transição, do novo caminho, novos propósitos, onde temos que usar nossa força interior para nos adaptar à vivências nunca experimentadas
  3. Mimulus – é a essência indicada para o medo conhecido. Neste caso é o medo de enfrentar uma escola que não conhece, medo da nova professora ou de amigos que ainda não teve convivência.

Existe floral de Bach para as mães não sofrerem tanto longe de seus pequenos que vão  à escola?

        Existe também! Porque os pais, e principalmente as mães, são as que mais sofrem com os primeiros dias de aula longe de seus filhos. Para elas, às vezes se torna muito doloroso, ver seus filhotes chorando e querendo voltar para casa, para o aconchego do lar. Então poderão preparar esta fórmula:

  1. Red chestnut – é o floral que ameniza a preocupação excessiva que temos com as pessoas que mais amamos
  2. Chicory – é a essência que trabalha o apego que sufoca e que nos cega diante das verdadeiras necessidades do momento
  3. Walnut – como floral da transição vai ajudar a mãe a se adaptar com mais serenidade à esta nova caminhada, tanto sua como de seu filho
  4. White chestnut – é o floral do pensamento repetitivo, quando uma determinada situação nos leva a pensar na mesma coisa, ou seja, a dificuldade do filho na escola pela primeira vez.

 

Posologia – preparar todos no mesmo frasco e ingerir 8 gotas 3 vezes ao dia. Primeira dose sempre em jejum (livre de qualquer interferência energética)

 

 

Qual o tempo de tratamento para essas situações?

    Varia muito! Porque cada pessoa como ser único, tem uma resposta também única ao tratamento. No entanto, nessas situações, normalmente com 30 dias, tanto a criança como a mãe, terão superado esse momento traumático do novo  e desconhecido.

Então .... bom retorno à escola! Bom ano de estudos!

 

 

 

 

PRÓPOLIS

PRÓPOLIS

Estudos científicos corroboram que a própolis possui grande potencial terapêutico e o Market Research Future, cita o consumo mundial de 2,3 mil toneladas ao ano, sendo o Brasil o terceiro maior produtor com 13 categorias.

O que é própolis?

É um produto obtido a partir de exsudatos de resinas que as abelhas recolhem das plantas e usam para vedar suas colmeias defendendo-as dos invasores.

Quantos tipos que existem?

Cor marrom, verde e vermelha, dependendo das plantas e regiões onde as abelhas recolhem.

Porque é tão usada popularmente e cientificamente?

Devido aos seus flavonóides, terpenóides, proteínas, vitaminas, sais minerais que interferem nos processos fisiológicos como:

  • Antiinflamatória e antimicrobiana
  • Antineoplásica - atualmente se descobriu que células tumorais da próstata são sensíveis à ação da própolis
  • Imunomodeladora –aumenta a produção de macrófagos e neutrófilos (células de defesa) que como coadjuvante potencializa a imunidade principalmente no reumatismo e lúpus onde os medicamentos convencionais provocam reações gástricas e renais

Usa-se na Odontologia?

Sim! Faz parte de cremes dentais, já que inibe os polissacarídeos que colam a placa bacteriana e os ácidos que desmineralizam os dentes.

Usa-se na prevenção de doenças?

Sim! Seus grupos fenólicos de ação antioxidante combatem radicais livres, prevenindo doenças caridovasculares, neurológicas, osteoporose, diabetes.

Como a encontramos no mercado?

Extratos alcóolicos, aquosos, cápsulas, colutórios, gel, spray que pode estar associada a plantas antinflamatórias (gengibre, romã)

Qual a dose para amigdalites?

  • 30 gotas – duas vezes ao dia 
  •  spray – 3 vezes ao dia

 

 

Qual a forma mais agradável de ingerir?

Dissolver as gotas em leite morno ou sucos, que camuflam o sabor

 

Temos que ter cuidados com a própolis?

MUITO! Existem pessoas sensíveis onde uma superdosagem pode levar a edema de glote. Cuidado!

 

Como identificar própolis de qualidade?

Conter o selo de registro do Ministério da Agricultura e Pecuária.

Stress térmico: porque o calor judia tanto?

Por causa de um fenômeno chamado STRESS TÉRMICO, que acontece quando o ganho de calor supera a quantidade dessa perda de calor pelo nosso corpo. Isso ocorre em dias muito quentes de verão.

O STRESS TÉRMICO É UMA DEFESA DO ORGANISMO?

Sim! Porque temos um termostato natural, ou seja, um centro nervoso regulador no hipotálamo (na base do cérebro), que programa o organismo para funcionar a 37oC. Muito calor aumenta a temperatura do sangue acima do limite e ocorre a vasodilatação, ou seja, os vasos capilares se aproximam da superfície da pele para eliminar o calor. Também se produz suor que ao evaporar reduz a temperatura.

QUAIS OS IMPACTOS NEGATIVOS DO STRESS TÉRMICO AO ORGANISMO?

  • Hipotensão – a vasodilatação em resposta ao calor provoca insuficiência de sangue do córtex cerebral resultando em queda da pressão arterial
  • Sinais de mal-estar, fadiga, sonolência, suor intenso, possível desidratação
  • Arritmias cardíacas (coração acelera)
  • Ressecamento das vias aéreas
  • Alteração no ritmo respiratório
  • Câimbras de calor (pela perda de água e sais minerais, como o cloreto de sódio)
  • No campo imunológico, os glicocorticóides produzem alterações no número de  linfócitos (glóbulos brancos),  que promovem a defesa contra doenças

QUEM SOFRE MAIS?

São os bebês, os idosos e pessoas com problemas crônicos de saúde

 

O STRESS TÉRMICO AFETA OS ANIMAIS?

Muito! Na agropecuária pode afetar a reprodução do gado de corte, bem com afeta negativamente a produção do leite!

 

COMO AMENIZAR O STRESS TÉRMICO?

  • Hidratação diária (2 a 3 litros de água)
  • Evitar tecidos que impeçam a respiração da pele (usar roupas leves e claras)
  • Reduzir a intensidade de exercícios físicos (evitando câimbras)
  • Evitar álcool e cafeína (aumentam a chance de desidratação)
  • Usar protetor solar
  • Evitar sol entre 10 e 16h
  • Ingerir bebidas que contenham sódio (água de côco e laranja)
  • Ingerir frutas que contenham água (melão, melancia, abacaxi, carambola, caju)
  • Carregar sempre uma garrafinha de água
Cuidados com seu pet em dias de calor

O verão chegou e com ele todas as delícias da estação: praia, piscina e passeios ao ar livre. Tudo isso acompanhado de muito sol e calor. E estes passeios envolvem toda a família, incluindo nossos queridos pets.

Mas você já pensou em como essa época do ano pode afetar nossos animais de estimação? Seguem algumas dicas de como trazer mais conforto aos dias de calor dos nossos companheiros:

 

Cuidado com os horários

É importante priorizar os horários mais frescos do dia para levar seu pet para a diversão. Evitar o sol direto e exercícios físicos intensos no horário entre as 10 horas da manhã até as 4 horas da tarde é muito importante.

 

Hidratação sempre

Independentemente do horário de passeio nunca se esqueça de levar água para seu companheiro. Assim como nós, eles sentem mais sede em dias muito quentes e precisam repor as perdas hídricas durante as horas de passeio.

 

Proteja seu pet do sol

Animais de estimação também podem usar protetor solar, sabia? A recomendação vale principalmente para os pets com pele clara, mais suscetível a problemas com o sol. As áreas com pelos mais curtos como ao redor dos olhos, focinho e orelhas devem ser protegidas sempre que necessário. Claro, utilize sempre um protetor solar próprio para animais e recomendado pelo seu médico veterinário de confiança.

 

Evite banhos em excesso

Com o calor, costumamos dar mais banhos nos nossos pets na intenção de refrescá-los, mas é importante tomar cuidado. Banhos em excesso podem fragilizar a pele do seu animal de estimação e causar dermatites. Não é necessário aumentar a quantidade de banhos, a rotina usual pode ser mantida normalmente.

 

Atenção com os parasitas

Essa época do ano propicia a proliferação de vários parasitas e vermes que costuma incomodar nossos amigos. Pulgas e carrapatos podem facilmente infestar seu animalzinho. Existem produtos no mercado que evitam a proliferação destes parasitas no ambiente e também no seu pet.

 

Local de descanso

Nas horas de descanso, procure deixar seu pet em lugares com sombra à vontade e onde haja uma boa circulação de ar. Dê preferência a locais que possuam piso frio, como por exemplo, com revestimento de cerâmica ou porcelanato.

 

Esteja atento aos sinais

Sempre que levar seu pet para passeios, fique atento ao seu comportamento. Respiração ofegante, sede excessiva e até mesmo fraqueza e desorientação podem ser sinais de que seu pet não está confortável com a temperatura ou com o nível de exercícios. Nesses casos, mantenha seu companheiro em um local fresco e com disponibilidade de água. E não hesite em procurar um médico veterinário sempre que necessário.

 

Ao tomar esses cuidados você garante que seus dias de verão sejam de muita diversão e sem nenhum contratempo, tanto para a família, como para o pet!

 

Autora: Priscila Ferreira – veterinária da Vigilancia Sanitária - Terceira Regional de Saude - Ponta Grossa PR

Proteção solar

O primeiro protetor solar foi inventado em 1944, por Benjamin Greene, em função da Segunda Guerra Mundial onde soldados sofriam sérias queimaduras solares.

 Luz solar é sempre nociva à pele?

Nem sempre. Dependendo da intensidade e tempo de exposição, é benéfica como a produção da vitamina D que impede o raquitismo.

Porque se proteger?

Para impedir que os raios UVA alcancem a derme (camada interna da pele), e UVB atinjam a epiderme (mais externa) evitando câncer de pele (melanoma e carcinoma) e envelhecimento precoce.

 

Qual a diferença de bloqueador solar e protetor solar?

O protetor solar possui componentes que absorvem os raios UVA e UVB e os transformam em luz visível, inofensiva à pele e o bloqueador reflete a radiação UV.

 

Porque alguns deixam a pele esbranquiçada?

 

Por possuírem na sua composição óxido de zinco e dióxido de titânio que refletem as radiações. É o caso dos bloqueadores solares.

 

O que protege mais:  bloqueador ou filtro solar?

Com certeza o bloqueador, por ter substâncias refletoras.

 

Qual a diferença entre os FPS 30,50,70?

Quanto mais baixo, menor é o tempo de proteção. Um filtro com FPS 30 protege a pele da ação dos raios solares por um período 20 vezes menor do que um com FPS 50.

 

De acordo com o tipo de pele, o que usar?

Peles secas – cremes e loções

Peles oleosas – gel e loções (oil free)

Pele normal – todos

 

Como identificar um bom filtro solar?

  • Aqueles que levam o selo da Sociedade Brasileira de Dermatologia
  • Resistência à água
  • Proteção contra raios UVA

 

Onde usar?

Todas áreas expostas, inclusive lábios, orelhas e couro cabeludo (homens calvos)

 

E as maquiagens que vêm com filtro?

São ótimas, só que não protegem todo corpo.

 

Como usar?

  • 2 a 3 horas- praia e piscina
  • 2 vezes ao dia no cotidiano

 

Que outras situações usar?

  • Dias nublados e mormaço (não vemos, mas as radiações estão lá)
  • Sob a sombra do guarda sol
  • Em caminhadas
  • Natação em ambientes abertos
  • Viagem de carro (raios atravessam os vidros)
  • Onde houver lâmpadas (provocam melanoses - manchas de pele)