Toque de Letra
Operário Ferroviário em ritmo de decisão

A temporada mal começou e o Fantasma já está em um ritmo frenético de decisão. Após o confronto diante do Coritiba, que valeu a passagem de ambos paras as semifinais, graças a detalhes favoráveis na tabela, já que empataram em Vila Oficinas, agora o Operário Ferroviário tem pelo menos mais uma decisão pela frente e que vale vaga na final do primeiro turno do Campeonato Paranaense 2019, denominado Taça Barcímio Sicupira.

O desafio será bater o Toledo em seus domínios. No caso de terminar empatado, a vaga será definida na cobrança de pênaltis. Na outra semifinal, também longe do Couto Pereira, o Coxa terá que superar o embalado FC Cascavel, do técnico Paulo Foiani.

Até agora foram seis partidas oficiais do Fantasma na temporada 2019 e mesmo com uma boa pré-temporada, pelo menos no que diz respeito ao tempo de trabalho, jogos-treino e tudo mais, o time do técnico Gerson Gusmão ainda busca pelo ritmo de jogo. Isso se reflete principalmente no meio campo, que quando de posse de bola, o time ainda tem dificuldade para avançar ao taque com segurança. Nesse embalo, devem chegar logo em Vila Oficinas mais um zagueiro e um meia.

A verdade é que a ausência do meia Cleyton, que vinha treinando como titular no início dos trabalhos e depois desfalcou o time devido a necessidade de fazer uma artroscopia no joelho, atrapalhou todo o esquema tático que estava na cabeça do treinador alvinegro. Contudo, o time parece estar melhorando e fez um bom jogo diante de Alviverde do Alto da Glória, mas precisa ficar mais atento. Portanto, neste domingo, diante do Toledo, tem pedreira pela frente e não é mais permitido vacilar.

É preciso manter viva a aura de campeão

O Fantasma parte para a primeira decisão da temporada 2019. Na prática, a decisão do turno já começou para o time do técnico Gerson Gusmão. Diante do Coritiba, neste domingo, em Vila Oficinas, o Operário Ferroviário precisa da vitória nesta última rodada da fase de classificação para seguir às semifinais da Taça Barcímio Sicupira Junior, equivalente ao primeiro turno do Campeonato Paranaense desta temporada.

O Fantasma vacilou, é verdade, mas ainda tem crédito. Está na briga e joga em casa, mas tem pela frente um adversário tradicional e na mesma situação. Portanto, o Fantasma, que tem no escudo duas recentes estrelas nacionais, agora se vê na obrigação de superar o adversário num jogo chave para manter viva essa aura de campeão. Isso significa que vencer o Coxa e depois chegar até a final da Taça Barcímio Sicupira levantando o troféu deste primeiro turno seria como autenticar a real boa fase do Operário Ferroviário.

Como ambos dependem de si mesmos para chegar nesta semifinal, a expectativa fica por conta de um jogo muito tenso no Germano Krüger. Como diz o velho ditado: não deixe para depois o que pode ser feito agora. Portanto, além de esquemas táticos e tudo mais, chegou a hora de ser criativo, do improviso para colocar a bola no fundo das redes.

A verdade é que esse primeiro turno é um momento de construção das equipes, que renovadas ou não, estão todos em início de temporada e se acertando. Uma vitória basta para o Fantasma e será preciso aquele algo a mais. Na teoria, deixar escapar essa oportunidade é dar chance para o azar. No returno, será outro campeonato e a tendência é que os times voltem mais capacitados, bem armados e preparados.

 

Fantasma tem crédito, mas é preciso reagir

Na noite da estreia da nova iluminação no Germano Krüger, os holofotes se voltaram para o atacante Lucas Tocantins, do Cascavel FC, que marcou o único gol do jogo contra o Operário Ferroviário, quebrando então uma invencibilidade de um ano e quatro meses do Fantasma, em Vila Oficinas. A verdade é que o resultado não estava nos planos da equipe, que sucumbiu diante de um eficaz adversário e que está mostrando força na competição.

Levando em consideração o viés cronológico do futebol, o Fantasma ainda tem muito crédito, mas é preciso reagir rápido. O jogo foi no chamado pau a pau e a derrota ensina, e mexe com os brios da equipe, além da necessidade da busca pelos objetivos traçados pela diretoria alvinegra. Mas tem dias que a bola não entra. O técnico da serpente, Paulo Foiani, que já atuou com a camisa alvinegra dentro e fora do campo, encarou o jogo como uma verdadeira decisão.

Armou o time com dois atacantes pelo lado, prendendo os laterais alvinegros. Após as modificações no Fantasma, por força maior, o capitão Chicão saiu do meio e a marcação perdeu na eficiência. Perdendo o jogo, o time não se encontrou. Faltou aquele improviso na entrada da área e sobrou bola aérea para o atacante Schumacher, lutando entre três defensores. Mas dessa vez o celebrado atacante não deu sorte. Acontece. Afinal, não dá mesmo para ganhar todas.

Neste domingo tem uma pedreira em Paranaguá. Contra o lanterna, é a oportunidade para tentar recuperar os pontos perdidos em casa e recolocar a campanha alvinegra nos trilhos nesse campeonato estadual. O Rio Branco também corre atrás para se livrar do prejuízo e vai ter que sair para o jogo. O Fantasma joga direitinho, mas chegou a hora de começar a botar a bola pra dentro.

 

Só há uma verdade no futebol: bola na rede

Depois de vencer o Paraná Clube na estreia do Campeonato Paranaense - Taça Barcímio Sicupira, em plena Vila Capanema, o Operário Ferroviário empatou sem gols com o Cianorte, no meio da semana Estádio Municipal Albino Turbay. Até aí tudo bem, não perdeu e somou pontos necessários. Mas algo parece estar fora da curva nesse celebrado time do Fantasma, comandado pelo técnico campeão, Gerson Gusmão.

É fato que é início de temporada e tal, mas nessas duas partidas o time não conseguiu ser mais eficiente no setor ofensivo. Venceu o Tricolor da Vila Capanema em seus domínios, é verdade, mas contra um time em formação e com um homem a mais durante todo o segundo tempo. Antes de o jogador Dione, que veio do banco, marcar o único gol do jogo no apagar das luzes, Simão salvou o time mais uma vez, operando mais um dos seus milagres na Vila Capanema no momento crítico do jogo.

Nesta partida contra o Leão do Norte, diante de um time que precisava muito da vitória, o Fantasma fez seu jogo. Soube segurar o adversário, teve bons momentos, mas que acabou não se traduzindo em gols. Somou um ponto importante, porém, como prejuízo, perdeu a liderança no saldo de gols e ainda teve o capitão Chicão expulso. A realidade é que o time alvinegro está bem armado e joga bem, mas falta aquele tempero ofensivo. Afinal, sabemos que só há uma verdade no futebol: bola na rede.

Agora o time alvinegro tem dois jogos em casa para tentar alavancar a campanha neste primeiro turno do Estadual. Para isso, é fundamental que o ataque começa a funcionar. Neste domingo, enfim, o Operário Ferroviário estreia na temporada 2019 em Vila Oficinas, no duelo contra o Cascavel Clube Recreativo, às 17 horas. Depois, na quarta rodada no meio da semana, recebe o Futebol Clube Cascavel.

 

Fantasma contra tudo e todos na temporada 2019

Enfim, chegou a hora. Neste domingo, o Operário Ferroviário inicia mais uma temporada repleta de expectativas positivas. Como ponto de partida, o confronto contra o Paraná Clube, na Vila Capanema, pela primeira rodada do Campeonato Paranaense da divisão de elite. Vale lembrar que o Alvinegro de Vila Oficias parte em busca do segundo título estadual, já que foi campeão em 2015, numa afinal épica diante do Coritiba e agora tem bala na agulha para repetir a dose.

Não falta confiança à nação alvinegra, principalmente no que diz respeito a torcida e a própria mídia especializada local. Com dois títulos nacionais na bagagem, além da invencibilidade em casa e tudo mais, o time comandado pelo técnico Gerson Gusmão vai entrar em campo com a mesma base e o entrosamento que o tornaram praticamente imbatível nos últimos jogos.

Contudo, é preciso ficar de olho aberto. Trata-se de uma outra temporada e vai começar tudo de novo, porém com um detalhe a mais. Agora, todos os adversários sabem que é o Operário Ferroviário e cada jogo será como uma decisão. A primeira delas será justamente contra o Paraná Clube, que já comandou o futebol paranaense, mas no momento anda devendo para a torcida tricolor. O último título estadual foi há 13 anos. Voltou para a primeira divisão nacional no ano passado, mas deu vexame. Jogou a competição toda no Z-4 e foi novamente rebaixado. Agora vai com tudo neste Estadual na tentativa de recuperar a autoestima.

Aliás, é preciso abrir o olho, já que o Fantasma joga as duas primeiras fora de casa neste Paranaense. O campeonato é curto e não dá para vacilar. Depois do Paraná, na segunda rodada tem outra pedreira fora de casa, contra o Cianorte. A estreia no Germano Kruger será na terceira rodada, contra o Cascavel.

 

Contagem regressiva para início da temporada 2019

Com diz o velho jargão do futebol: jogo é jogo e treino é treino, isso está valendo mais do que nunca para o Operário Ferroviário. Até agora foram quatro confrontos deste tipo, diante de equipes como o FC Cascavel, Maringá FC e o sub-20 do Furacão. O Campeonato Paranaense começa no próximo fim de semana, mas esses confrontos já estão mexendo com as expectativas, tanto da torcida, como da mídia, que já abriu contagem regressiva para o pontapé inicial da temporada 2019.

São essas movimentações, que obviamente não valem absolutamente nada em termos de pontuação, mas que possibilitam ao técnico Gerson Gusmão ir lapidando o time. Enfim, os jogos-treino só servem mesmo para as observações. Ganhar é bom, mostra força e dá confiança para o grupo. Entretanto, se jogar mal ou perder, também garante dar tempo para as correções ou algo nessa lógica. Com certeza, o treinador alvinegro já tem na cabeça esse ou aquele time titular para a estreia no Campeonato Paranaense. O confronto deste sábado contra o Maringá deve ser o último do tipo antes da estreia, dia 20 de janeiro contra o Paraná Clube, na Vila Capanema.

Até agora foram quatro jogos, com duas vitórias e dois empates. Nos jogos fora, venceu o Cascavel, empatou em 1 a 1 com Maringá e bateu o sub-20 do Athletico, no CT do Caju. Mas, no primeiro jogo-treino em casa não conseguiu marcar. Nada de desespero. Aliás, considerando que o Cascavel jogou no Germano Krüger e não queria saber de perder a segunda seguida para o Fantasma. Providencialmente, o técnico Paulo Foiani, armou um esquema fechando a casinha.

Portanto, o teste neste sábado é vital para o time do técnico Gerson Gusmão. O Maringá vem encarando o Estadual de forma muito séria e pode ser sim mais um perigoso adversário do Fantasma. Lá foi 1 a 1, com um golzinho deles no final do jogo.

 

Campeão não pode esquecer da humildade

Vai começar tudo de novo. Daqui a pouco mais que duas semanas a bola começa a rolar oficialmente pela temporada 2019, quando o Operário Ferroviário estreia no Campeonato Paranaense diante do Paraná Clube, longe de Vila Oficinas. Aliás, será um início de campeonato bem difícil para o Fantasma, que carrega consigo estrelas recentes no escudo. Em evidência pelos títulos nacionais, além de uma invencibilidade em casa e tudo mais, sem dúvida, o Alvinegro do técnico Gerson Gusmão será o alvo dos adversários, principalmente no Estadual.

O confronto contra o Paraná Clube, que vem de uma campanha desastrosa na Série A do Brasileirão em 2018, está repleto de expectativa. O time paranista busca desesperadamente dar uma resposta positiva para a sua torcida amargurada. Obviamente, pelo que jogou o Fantasma na temporada, e agora com uma boa preparação e expectativa de bom entrosamento, torna o time ponta-grossense como favorito para vencer a partida. Mas, como se sabe, cada jogo é uma história. O adversário da capital também tem camisa e joga em casa buscando a afirmação.

Portanto, apesar de todas as façanhas recentes do Operário Ferroviário, é preciso esquecer tal clima de otimismo e encarar com humildade e muita concentração os jogos que tem pela frente. Iniciar um campeonato com vitória é fundamental, ainda mais fora de casa e contra um dos grandes do futebol paranaense.

Na primeira rodada, além do duelo na Vila Capanema, o atual campeão, Athletico Paranaense, estreia contra o Cascavel. O Coritiba enfrenta o Foz, fora de casa, enquanto o Londrina sai para encarar o Cianorte. Portanto, todo cuidado é pouco. Na segunda rodada, o Fantasma joga novamente fora de casa, contra o Cianorte.

 

Operário Ferroviário, orgulho da madrinha do futebol paranaense

A Princesa dos Campos vem se destacando no esporte em geral e tem seu maior triunfo num dos ícones do futebol paranaense, que é o Operário Ferroviário Esporte Clube. Em seus mais de cem anos de história, o Fantasma está realmente assombrando. Aliás, para quem não sabe, a origem do apelido de Fantasma surgiu na crônica esportiva de Curitiba.

Desde o início das disputas, o Operário Ferroviário faz frente aos clubes da capital. Lá pelos idos de 1914, foi um ano em que o clube alvinegro de Vila Oficinas passou invicto, por exemplo. Assim, os locutores e jornalistas da época, usaram expressões como: “Esse time surge como um fantasma”, e assim ficou estabelecido o apelido, que hoje também é o mascote do time alvinegro.

Outra curiosidade sobre Operário Ferroviário - quando ainda não tinha sido fundado oficialmente -  fica por conta do primeiro jogo de futebol oficial no Paraná. Na época, com as primeiras movimentações futebolísticas dos ferroviários, logo foi formado um time denominado Club de Foot-Ball Tiro Ponta-grossense, que no dia 23 de outubro de 1909, jogou em Ponta Grossa contra o Clube Ginástico Turnverein, de Curitiba – alguns dizem que foi no Jockey Club e outros afirmam que a partida ocorreu no Alto do Cemitério.

A partida acabou 1 a 0 para o time princesino, que em 1912 acabou se transformando no Operário Ferroviário. O time curitibano voltou para a capital e imediatamente fundou oficialmente Coritiba Foot Ball Club. Portanto, em suma, Ponta Grossa é a madrinha do futebol paranaense. No tempo presente, em 2015, o Fantasma assombrou o Coxa novamente e foi campeão paranaense pela primeira vez. Agora o Fantasma parte confiante para assombrar na temporada 2019 buscando o bicampeonato na elite estadual, além de partir para a disputa da celebrada Série B do Campeonato Brasileiro. Feliz Natal!

 

Tudo encaminhado para temporada 2019

Enfim, elucidado o certame em 2018, está tudo encaminhado para as futuras e fortes emoções reservadas na temporada 2019. Acabou o Brasileirão, com o Palmeiras campeão e assim, também definiu os últimos adversários do Operário Ferroviário na campanha inédita pela moderna e competitiva Série B do futebol nacional. Dos que estavam na elite brasileira em 2018, caíram o Sport, América Mineiro, Vitória e o Paraná Clube, que aliás, o glorioso Tricolor da Vila Capanema disputou toda a Séria A no chamado Z-4.

Contudo, será esse mesmo Paraná Clube, que levou dez anos para voltar a Série A - e só voltou mesmo para matar a saudade – que será o primeiro adversário do Fantasma na próxima temporada. O confronto vale pela primeira rodada do Campeonato Paranaense e será na Vila Capanema. Com certeza, um jogo duro e, embora a má fase do time da capital, será uma nova faze para o adversário que busca honrar a camisa e apagar o vexame na Série A.

Bem, mas até lá, ainda tem muito treino pela frente. O Fantasma parece ter uma boa vantagem nesse período. Tem um bom tempo para realizar a pré-temporada, além de manter o mesmo ritmo de trabalho, com praticamente o mesmo grupo campeão, mesma comissão técnica, comandada pelo competente técnico Gerson Gusmão, que parte para sua quarta temporada à frente do Alvinegro de Vila Oficinas.

Enquanto isso, o estádio Germano Krüger segue em obras de infraestrutura. As melhorias exigidas pela CBF estão sendo cumpridas, como a irrigação automática e nova iluminação. A expectativa que tudo fique pronto até a segunda quinzena de janeiro, quando começa o Estadual.

 

Dois grandes do Brasil podem visitar Vila Oficinas

Chega ao fim mais um Campeonato Brasileiro e consagrando o Palmeiras como o maior vencedor do torneio, com dez títulos devidamente reconhecidos. Mas ainda tem emoção nas decisões pela zona de rebaixamento, que vão definir o restante dos futuros adversários do Operário Ferroviário na Série B, em 2019. Com o Paraná Clube e o Vitória já rebaixados, as equipes do América-MG, Sport, Vasco, Chapecoense e Fluminense estão no sufoco. Portanto, existe a real possibilidade desses grandes cariocas visitarem Vila Oficinas.  

O Brasileirão como conhecemos se formatou em 1971. A partir de 2003, na sua 47ª edição começou a ser disputado no sistema de pontos corridos, ou seja, sem a existência de partidas finais eliminatórias. Este foi um sistema inovador não só para as equipes, como também para as torcidas brasileiras, mais acostumadas a torneios com finais. Por isso, a primeira impressão deixada nesse modelo não foi das melhores. O fato de o campeão ter sido decidido com duas rodadas de antecedência contribuiu ainda mais para isso. Nesta edição, como em todas as edições anteriores aconteceu a mesma coisa.

Sobretudo, é um certame muito longo, com um primeiro turno que não vale absolutamente nada, a não ser muita grana para os canais de pay-per-view. É isso aí, grade para TV durante o ano todo. Enquanto isso, o futebol como deve ser, fica desprezado.

A conseqüência disso são, na maioria, jogos horrorosos, além de tornar os clássicos algo banal. Pelo menos ainda temos a Copa do Brasil, que sem dúvida, está na preferência do torcedor brasileiro. Enfim, parabéns ao Palmeiras, que apesar de tudo, é o mais novo campeão brasileiro e também ao Cruzeiro, seis vezes campeão da Copa do Brasil, e que faturou 50 milhões de reais, contra 18 milhões do Verdão.