Toque de Letra
Tudo encaminhado para temporada 2019

Enfim, elucidado o certame em 2018, está tudo encaminhado para as futuras e fortes emoções reservadas na temporada 2019. Acabou o Brasileirão, com o Palmeiras campeão e assim, também definiu os últimos adversários do Operário Ferroviário na campanha inédita pela moderna e competitiva Série B do futebol nacional. Dos que estavam na elite brasileira em 2018, caíram o Sport, América Mineiro, Vitória e o Paraná Clube, que aliás, o glorioso Tricolor da Vila Capanema disputou toda a Séria A no chamado Z-4.

Contudo, será esse mesmo Paraná Clube, que levou dez anos para voltar a Série A - e só voltou mesmo para matar a saudade – que será o primeiro adversário do Fantasma na próxima temporada. O confronto vale pela primeira rodada do Campeonato Paranaense e será na Vila Capanema. Com certeza, um jogo duro e, embora a má fase do time da capital, será uma nova faze para o adversário que busca honrar a camisa e apagar o vexame na Série A.

Bem, mas até lá, ainda tem muito treino pela frente. O Fantasma parece ter uma boa vantagem nesse período. Tem um bom tempo para realizar a pré-temporada, além de manter o mesmo ritmo de trabalho, com praticamente o mesmo grupo campeão, mesma comissão técnica, comandada pelo competente técnico Gerson Gusmão, que parte para sua quarta temporada à frente do Alvinegro de Vila Oficinas.

Enquanto isso, o estádio Germano Krüger segue em obras de infraestrutura. As melhorias exigidas pela CBF estão sendo cumpridas, como a irrigação automática e nova iluminação. A expectativa que tudo fique pronto até a segunda quinzena de janeiro, quando começa o Estadual.

 

Dois grandes do Brasil podem visitar Vila Oficinas

Chega ao fim mais um Campeonato Brasileiro e consagrando o Palmeiras como o maior vencedor do torneio, com dez títulos devidamente reconhecidos. Mas ainda tem emoção nas decisões pela zona de rebaixamento, que vão definir o restante dos futuros adversários do Operário Ferroviário na Série B, em 2019. Com o Paraná Clube e o Vitória já rebaixados, as equipes do América-MG, Sport, Vasco, Chapecoense e Fluminense estão no sufoco. Portanto, existe a real possibilidade desses grandes cariocas visitarem Vila Oficinas.  

O Brasileirão como conhecemos se formatou em 1971. A partir de 2003, na sua 47ª edição começou a ser disputado no sistema de pontos corridos, ou seja, sem a existência de partidas finais eliminatórias. Este foi um sistema inovador não só para as equipes, como também para as torcidas brasileiras, mais acostumadas a torneios com finais. Por isso, a primeira impressão deixada nesse modelo não foi das melhores. O fato de o campeão ter sido decidido com duas rodadas de antecedência contribuiu ainda mais para isso. Nesta edição, como em todas as edições anteriores aconteceu a mesma coisa.

Sobretudo, é um certame muito longo, com um primeiro turno que não vale absolutamente nada, a não ser muita grana para os canais de pay-per-view. É isso aí, grade para TV durante o ano todo. Enquanto isso, o futebol como deve ser, fica desprezado.

A conseqüência disso são, na maioria, jogos horrorosos, além de tornar os clássicos algo banal. Pelo menos ainda temos a Copa do Brasil, que sem dúvida, está na preferência do torcedor brasileiro. Enfim, parabéns ao Palmeiras, que apesar de tudo, é o mais novo campeão brasileiro e também ao Cruzeiro, seis vezes campeão da Copa do Brasil, e que faturou 50 milhões de reais, contra 18 milhões do Verdão.

Fantasma inicia pré-temporada de olho no futuro

 

No último dia 19 de novembro (dia da bandeira nacional) o elenco do Operário Ferroviário se reapresentou em Vila Oficinas para dar início a nova preparação, tendo em vista a temporada 2019 e de olho no futuro A certeza é que vem aí uma temporada como nunca o torcedor alvinegro viveu em sua centenária história. O Fantasma vai começar o ano disputando o Campeonato Paranaense em busca do bicampeonato na elite e depois partir para o Brasileirão da Série B, que significa uma outra realidade para o clube.

O impacto desta façanha pela vaga no Campeonato Brasileiro da Série B se direciona ao próprio estádio Germano Krüger, onde a diretoria do grupo gestor do futebol profissional corre atrás de melhorias para a praça de jogo alvinegra. Obviamente, ainda não é aquela mudança para um grande e moderno estádio, mas são reformas básicas para que o Germano Krüger tenha as condições mínimas para receber todo o aparato desta competição tão importante no cenário nacional.

Entre elas, talvez a mais significativa seja mesmo a nova iluminação do Germano Krüger. A que existe atualmente é antiquada e está sendo obrigatoriamente substituída. Isso já começou a ser feito em Vila Oficinas. Trata-se de um investimento necessário e também muito caro e que já estava passando da hora para acontecer. O grupo gestor fez parceria com a torcida, através do projeto Fantasma Iluminado. Por meio desta iniciativa, o torcedor está colaborando para que isso seja possível, através de doações depositadas em uma conta no Banco Sicredi. Portanto, a expectativa é pra que tudo fique pronto antes do início do Paranaense.

 

Brasileiros se esqueceram de jogar no ataque

 

Ao que tudo indica, após a eliminação nas semifinais da Copa Libertadores da América pelo time do Boca Juniors, o Palmeiras caminha para ser o mais novo campeão. Já o Grêmio, que buscava ser o único clube brasileiro com quatro títulos na competição continental, também foi desclassificado na semifinal por outro grande clube argentino, o River Plate, e agora, ironicamente, joga as últimas rodadas deste Brasileirão tentando voltar à Libertadores.

Mas, qual a razão destes dois gigantes do futebol brasileiro terem sido despachados da Libertadores diante dos argentinos? Afinal, na visão da cfrônica tupiniquim, são considerados os clubes com maior potencial nesta temporada. O time paulista por ter um bom e numeroso elenco, enquanto o clube gaúcho, pela longevidade do técnico Renato Portaluppi. Mas, então será que os argentinos jogam mais bola?

Historicamente os times argentinos se mostram muito mais competitivos. O Boca já levantou 6 taças da Copa Libertadores da América, enquanto o River Plate conquistou a América 3 vezes. O maior vencedor da competição também é outro argentino: o Independiente, com inacreditáveis sete títulos e que agora pode ser alcançado pelo rival portenho.

Portanto, a resposta é simples. Sim, eles são melhores. Afinal, a melhor defesa é o ataque, coisa que nossos times esqueceram como se faz. O que vimos nestes dois confrontos foi um grande exemplo disso. Grêmio e Palmeiras jogaram apenas por uma bola, para depois resolver em casa. No caso do time gaúcho quase deu certo, mas esbarrou na mística argentina com auxílio do VAR. Já o Palmeiras de Felipão, que tinha tudo para vencer, não viu a bola nos dois jogos. No futebol, a única verdade é mesmo a bola na rede e hoje, nossos times jogam na contra mão.

 

Fantasma busca a luz no Germano Krüger

 

A temporada 2018 nos certames nacionais está chegando ao fim, quando então serão conhecidos os campeões brasileiros das duas principais divisões nacionais. Nesse pacote está quem sobe, quem desce e por aí vai. Por outro lado, o Operário Ferroviário vive uma situação inversa, iniciando os trabalhos para 2019 e tem ainda muita coisa para ser feita e com urgência. Com a vida acertada de toda a base do elenco dos jogadores campeões, o grupo gestor segue trabalhando nos bastidores de olho no elenco e no estádio Germano Krüger.

Já foi confirmada a vinda de reforços e o clube trabalha intensamente em busca das melhorias no estádio Germano Krüger, que foi fundado em 12 de outubro de 1941. O que antes parecia algo até mesmo utópico, hoje é uma realidade. O Fantasma vai disputar a Série B do Campeonato Brasileiro. Isso fez com que as atenções finalmente se voltassem de modo mais direto à modernização da tradicional e antiga praça de jogo alvinegra. Hoje, tem capacidade para pouco mais de 10 mil torcedores, mas há registro de que seu maior público foi em 1975 quando 18.562 pagantes viram o Fantasma perder para o Coritiba por 3 a 2.

Com a credencial para jogar na cobiçada segunda divisão nacional, que hoje é um grande campeonato e transmitido na TV para todo lugar, o Fantasma corre atrás para dar as condições básicas de uso do estádio. Contudo, entre as melhorias, o principal foco agora é de iluminar o Germano Krüger. Os atuais postes, refletores e toda fiação estão sucateados. Portanto, uma iluminação moderna em Vila Oficinas é fundamental e urgente e agora conta com a colaboração da torcida. Depois disso, o restante das reformas vai se resolvendo com o tempo, que, aliás, já está passando.

 

Futebol passa por uma transformação radical

Como tudo na natureza se transforma, o mesmo parece estar acontecendo com o futebol, só que agora de uma maneira mais dramática. Desde que foi criado no pais bretão, o futebol como conhecemos teve mudanças muito tímidas e que pouco influenciaram na dinâmica do jogo. Isso tornou a modalidade como a mais conhecida no mundo. Contudo, o avanço da tecnologia vem mudando radicalmente o futebol. A implantação do VAR definitivamente está transformando o esporte.

Uma das primeiras mudanças autorizadas pela International Football Association Board (IFAB), que é o órgão que regulamenta as regras do futebol, fundada no dia 6 de dezembro de 1883, foi em acabar com a mesma linha no impedimento, além do goleiro ter que usar os pés no recuo de bola. Tudo visando o gol e o bom andamento do jogo. Inclusive a recomendação no lance de impedimento era de que na dúvida, deixasse o lance seguir. Isso no campo de jogo, sob o olhar da arbitragem.

Mas, nas transmissões pela TV surgiu aquela linha imaginária conhecida como tira-teima e que matou essa regra. A partir disso, os árbitros começaram a ficar reféns do que aparece na tela. Como resultado, na prática, mesma linha voltou a ser impedimento. Portanto, o árbitro já começou a perder a sua confiança.

Agora, temos o glorioso VAR. Pelos exemplos que temos visto desde que foi implantado, muda completamente o espírito do jogo. Para começar, ainda não se chegou a um procedimento padrão e correto para o uso dessa iniciativa. O que sem tem visto são somente lambanças. O árbitro agora é o cara mais inseguro no gramado. Sobretudo, ainda deixa o público presente nas arquibancadas sem saber o que está acontecendo quando o jogo é subitamente interrompido, algumas vezes durante do grito de gol. Tudo bem, se vale tal mudança, com certeza o futebol não será mais o mesmo. O fato é que desse modo, existe um jogo no campo e outro para o público da TV.

 

Fantasma no vácuo para a próxima temporada

Após uma temporada com sucesso absoluto – somando dois títulos nacionais além do certame estadual - o Operário Ferroviário agora vive um período de vácuo competitivo até a próxima temporada, em 2019. É o momento das férias dos bravos jogadores que defenderam com garra a camisa alvinegra, demonstrando muito profissionalismo, sob o competente comando do técnico Gerson Gusmão. A reapresentação do elenco está prevista para a segunda quinzena de novembro.

Nesse tempo, a diretoria do grupo gestor do futebol profissional do Fantasma já acertou a renovação de contrato com  a base do grupo campeão. A partir disso, todos estão de olho no Campeonato Paranaense, além, claro, da Série B, e a expectativa é das melhores. O Fantasma vai iniciar a próxima temporada em busca do bicampeonato estadual. Pela frente, como sempre, os tradicionais adversários da capital e também o Londrina, eternos rivais do Fantasma de Vila Oficinas.

Na torcida, a expectativa cresce a cada dia e o ano nem acabou ainda. Embalada pelas últimas façanhas do Fantasma, a nação alvinegra acredita em mais um título estadual e não vê a hora de a bola rolar pelo Paranaense. O Fantasma ganhou em 2015 e o atual campeão é o Atlético Paranaense.

Na próxima terça-feira (23), acontece o arbitral que vai começar a definir os rumos do Estadual em 2019, em Curitiba. A FPF convocou os 12 clubes que vão jogar a competição para a reunião. Além do Operário Ferroviário, deverão estar presentes o Cascavel Clube Recreativo, Cianorte Futebol Clube, Clube Atlético Paranaense, Coritiba Foot Ball Club, Foz Do Iguaçu Futebol Clube, Futebol Clube Cascavel, Londrina Esporte Clube, Maringá Futebol Clube, Paraná Clube,Rio Branco Sport Club e Toledo Esporte Clube.

Esperança e expectativa para temporada 2019

Com muita esperança e expectativa, o Operário Ferroviário já tem o plano para a próxima temporada. O primeiro desafio será o Campeonato Paranaense, no qual o Fantasma volta para a elite em busca do bicampeonato. Depois, vem o esperado Brasileirão da Série B - uma competição inédita para o Alvinegro, nesse formato atual. Enquanto isso, se debate o futuro do estádio Germano Krüger, que vem passando por melhorias básicas para poder estar apto às exigências da CBF.

Aliás, o futuro do Germano Krüger parece fácil e complicado ao mesmo tempo, e vem assombrando o imaginário alvinegro. Embora haja uma série de circunstâncias a serem resolvidas, o importante é que todos sigam na mesma direção, que é a revitalização do estádio – um ícone da centenária história do Operário Ferroviário e também do futebol paranaense – o mais rápido possível.

Nos últimos anos, tanto dentro, como fora de campo, através do grupo gestor do futebol profissional, o Fantasma vem se confirmando como um clube emergente no cenário nacional. Ganhar ou perder faz parte do jogo e no momento o Fantasma vem levando vantagem. Nesse embalo, o trabalho está sendo recompensado graças a gestão do futebol profissional, também com o técnico Gerson Gusmão seguindo para a terceira temporada.

A soma de tudo isso levou o Alvinegro a ficar agora entre os quarenta melhores clubes do Brasil. Na sala de troféus do clube, também estão as taças de campeão nacional das Série D e C, além do troféu de campeão da primeira e da segunda divisão estadual, mais o do vital título da Taça FPF Sub-23. Agora, necessariamente, o momento é de olhar para frente.

 

Fantasma vislumbra a próxima e inétida temporada

O Fantasma de Vila Oficinas está assombrando e cumpriu um ciclo vitorioso, conquistando dois títulos nacionais seguidos, além de retornar a elite do futebol paranaense, na qual foi campeão em 2015. As duas últimas temporadas foram talvez as mais intensas e marcantes na história do centenário Operário Ferroviário. Agora, tanto a torcida como todos os envolvidos com o Alvinegro vislumbram uma nova realidade e a temporada 2019 está repleta de expectativas.

O primeiro passo agora e redefinir o elenco alvinegro, que parte para as disputas do Campeonato Paranaense e depois encarar a inédita Série B do Brasileirão, como é disputada hoje. Conforme o competente presidente do grupo gestor do futebol profissional do Operário Ferroviário, Álvaro Góes, a ideia é manter a base titular novamente sob o comando do técnico campeão, Gerson Gusmão.

Com o plano traçado, antes tem a adrenalina do Campeonato Paranaense. Nesse embalo, o Fantasma vai em busca do bicampeonato. Pela frente, os tradicionais rivais da capital paranaense, além do Londrina, num certame que transpira rivalidade. Muitos estão contando os dias para a bola voltar a rolar em 2019. Com certeza, mais uma temporada para entrar para a história do Fantasma de Vila Oficinas.

Nesse pacote, é preciso olhar para o estádio Germano Krüger, que está nos corações alvinegros, mas que precisa urgente ser reformado e modernizado para receber as próximas competições. Agora o Fantasma vai disputar uma das principais competições do Brasil, que é a Série B e tem pelo menos mais três anos de calendário em nível nacional, com potencial para até mesmo chegar até a Série A. Ano que vem o Fantasma entrará em campo com o sonho de alcançar a elite do futebol brasileiro, mas precisa ter um estádia altura.

 

Decisão na bola e equilíbrio na Arena Pantanal

Antes de qualquer coisa, foi uma grande partida o primeiro confronto entre Operário Ferroviário e Cuiabá, no domingo passado. O placar de 3 a 3 na base do vira-vira, em Vila Oficinas, mostrou mesmo que não tem favorito nesta decisão do Campeonato Brasileiro da Série C. Mesmo jogando na Arena Pantanal, não dá para confirmar um favoritismo da equipe da casa ou mesmo qualquer outro resultado.

O fato é que está tudo em aberto. Durante o campeonato todo, o Cuiabá não fez bons jogos em casa, enquanto o Fantasma não perdeu no Germano Krüger. Mas, nesse embalo, o time mato-grossense conseguiu uma vitória por 4 a 0 em Cuiabá, fato que vem gerando uma certa rivalidade, pela coincidência do Gerson Gusmão e Itamar Schulle terem trabalhados juntos no Fantasma. Ambos se conhecem bem e foram campeões com o próprio Operário Ferroviário, no Paranaense de 2015.

Mas, inexplicavelmente, as hostilidades partem do adversário cuiabano. Muita falação fora de campo que culminou naquela confusão no final do jogo, no domingo passado, claramente provocada pelos jogadores do Cuiabá. Tentando consertar a situação após o incidente, o técnico Itamar Schulle chegou a dizer que é operariano e que a conquista do título paranaense marcou sua carreira...além de elogiar o comportamento da torcida alvinegra.

Nesse clima, a expectativa para esta partida final lá na Arena Pantanal fica por conta de que só se jogue e fale em futebol, e nada mais. Afinal o título está em disputa entre as duas melhores equipes da competição e é isso que deve ser levado em conta. Vale lembrar que ano que vem tem mais pela Série B do Brasileirão.