Toque de Letra
Todo mundo de olho no calendário

O novo coronavírus virou de cabeça para baixo o mundo esportivo, além dos outros segmentos da sociedade em geral. Mais especificamente o futebol está perdido e não sabe o que fazer com seus calendários, a não ser ficar na expectativa de quando a pandemia vier a acabar. Nesse espaço de tempo da quarentena, todo tipo de especulação segue na pauta do dia.

A mais debatida fica por conta do reinício dos campeonatos, no caso tupiniquim, falta a definição dos campeonatos estaduais. Alguns pedem o encerramento como ficaram no momento da paralisação e outros precisam da continuidade para poder sobreviver. Todas as questões são complexas porque existem vários interesses diferentes em jogo.

Nesse ritmo, a CBF estabeleceu alguns prazos na tentativa de reorganizar o certame, adequando férias até o próximo dia 20 para os elencos que disputam o nacional. Em seguida um período de dez dias para que os times possam recuperar as condições mínimas de disputa. Assim a ideia seria que os estaduais retomassem os jogos no mês de maio. Mas o fato é que a pandemia é quem está no comando e precisa ser extinta para que a vida volte ao normal.

O presidente da Federação Paranaense de Futebol, Hélio Cury, mantém o discurso de que ainda não há nenhuma data para o reinício do Campeonato Paranaense, que parou antes do início das quartas de final, onde o Fantasma tem como adversário o Cianorte, em jogos de ida e volta. Porém, existe uma expectativa de que os duelos aconteçam conforme o plano da CBF.

Enfim, ninguém pode afirmar coisa alguma ainda, apenas que é preciso ficar atento às medidas de prevenção contra o coronavírus. Desta forma, segue o período de dúvidas e também as especulações.

 

 

 

 

Só o tempo tem a resposta

A pandemia do novo coronavírus vem transformando a rotina das pessoas e negócios no mundo inteiro e também gerando muita polêmica e política. A gravidade da doença atinge diretamente o universo financeiro e isso parece estar deixando tudo de cabeça para baixo. De fato, é uma situação inédita, inclusive pelo confinamento. Na área esportiva, como em todas as outras a paralisação das atividades vem causando um colapso geral. Acima de tudo, ninguém sabe ao certo quando tudo isso vai acabar.

Esta semana o presidente Jair Bolsonaro pediu para que o comércio volte a abrir as portas, tendo em vista o fator econômico. Segundo o presidente, tomando os devidos cuidados necessários, é possível voltar às atividades e assim tentar evitar a falência de empresas e o desemprego em massa. A partir disso, se apresenta uma situação onde se busca um equilíbrio para evitar a desgraça econômica dos brasileiros e ao mesmo tempo brecar o avanço da pandemia.

Nessa situação de se ficar o bicho come e se correr o bicho pega, ninguém sabe ao certo o que deve ser feito. O presidente do Operário Ferroviário, Álvaro Góes, que também é empresário, está no olho do furacão. De acordo com o dirigente, a economia precisa voltar ao normal, mas também não se pode fragilizar nas medidas de proteção contra o vírus e isso atinge direto as competições e tudo mais.

Portanto, este é o desastroso cenário que se apresenta nesses dias e é preciso consenso. A torcida ,mais do que nunca, é para que tudo volte ao normal o mais rápido possível. A única certeza mesmo é de que só o tempo dará a resposta.

 

 

 

 

É preciso fazer a mágica do futebol

A fase mudou e as coisas não andam dando certo para o Fantasma. Mas no futebol ganhar e perder faz parte. O Operário ficou fora da Copa do Brasil na segunda fase, num duelo em que foi dominado pela superioridade do América Mineiro, que aliás, lidera o Estadual no campeonato de Minas Gerais.

Mas, c derrotas consecutivas, estão pedindo a saída do técnico Gerson Gusmão. Entretanto,  agora é tocar a bola para frente que tem muito ainda jogo pela frente. Neste domingo tem mais um compromisso importante para a definição da campanha alvinegra no Campeonato Paranaense. O adversário é o Toledo, num confronto em que o Fantasma precisa se reencontrar com a vitória. Vale lembrar que além do Estadual, logo mais tem Brasileirão pela frente.

A vitória neste domingo é fundamental para que o time recupere a autoestima. Depois do Toledo, na última rodada o time alvinegro sai para jogar com o Londrina no Estádio do Café. Esse sim será um duelo cercado de rivalidade e como o Tubarão joga em casa, todo cuidado é pouco. Até agora, tanto o Fantasma como o Londrina, estão fazendo uma campanha semelhante e, como joga em seus domínios, naturalmente o Tubarão leva um certo favoritismo.

Nas tentativas do técnico Gerson Gusmão, o Fantasma vem buscando melhorar em alguns aspectos, principalmente pela qualidade técnica dos jogadores, mas entre os problemas, segue errando no mesmo fundamento, que é a falta de arremates para o gol. O time toca, toca até errar o passe, mas não chuta. Aliás, isso não acontece só por aqui. No geral, o futebol brasileiro parece ter se esquecido o caminho do gol, se preocupando em não dar espaços e tudo mais.

Chega um momento no jogo em que é preciso dar aquele algo mais e para isso, a imaginação e o improviso precisam aparecer. Essa é a mágica do futebol.

Jogo encardido pela frente

Com passagem comprada para a segunda fase da Copa do Brasil e com uma boa sequência de vitórias, o Operário Ferroviário entra em campo neste domingo para enfrentar a equipe do Paraná Clube. Ambos vivem situações diferentes neste Campeonato Paranaense. Embalado, o Fantasma busca a ponta da tabela e ao que tudo indica, deve ficar entre os quatro primeiros na classificação ao término desta primeira fase.

Já o Tricolor da Vila Capanema vive um drama dentro e fora de campo e uma derrota para o Alvinegro de Vila Oficinas, pode levar o time a conviver com a zona de rebaixamento do Estadual. Portanto, a expectativa é de um jogo dramático para o Tricolor, que já foi a maior potência do futebol paranaense, na década de 1990. Hoje, passa por dificuldades financeiras e vem fazendo uma campanha modesta no Campeonato Paranaense.

Para esta partida, o técnico Gerson Gusmão ganhou a semana inteira para recuperar jogadores e trabalhar melhor o encaixe do time. Algo raro desde o início da temporada. Desta forma, a expectativa fica por conta de um time ainda mais descansado e motivado para este confronto regional, que pode alavancar a campanha do Fantasma na temporada.

Porém, como o futebol prega peças a todo momento, este com certeza será um jogo encardido para o Operário Ferroviário. Embora o time alvinegro esteja subindo de produção a cada rodada, não significa que a vitória está garantida neste domingo. O Paraná tem tradição e precisa muito da vitória. Vai jogar em casa e só pelo fato de ter o Fantasma pela frente, já serve de estímulo a mais para a equipe da capital buscar uma arrancada e fugir da crise.

Vem aí o América Mineiro no mata-mata

Enfim, a locomotiva começa a ganhar velocidade na campanha do Operário Ferroviário nesta temporada 2020. A classificação para a segunda fase da Copa do Brasil, mesmo diante do então desconhecido Barbalha, serviu de motivação para o Fantasma, tanto dentro de campo, como para os cofres alvinegros. Com a missão cumprida com um placar de 3 a 0 no Ceará, o Alvinegro de Vila Oficinas já tem depositado na conta mais um milhão, cento e noventa reais.

O próximo desafio no mata-mata nacional será a perigosa equipe do América Mineiro na quarta-feira do dia 19,  às 21h30 no estádio Germano Krüger. Trata-se de um conhecido do time alvinegro, na disputa do Brasileirão da Série B na última temporada. Foi a primeira vez que ambos se enfrentaram na história, nos confrontos pelos dois turnos da competição. O Fantasma saiu invicto do embate, com uma vitória por 1 a 0 no Germano Krüger e depois um empate sem gols em Belo Horizonte.

Entrando na filosofia de jogo proposta pelo técnico Gerson Gusmão, que vem utilizando três atacantes, os destaques do time começam a aparecer. São eles o goleador Douglas Coutinho e também a qualidade do Bustamante, assim como todo restante do time que vem sendo escalado, que se mostra melhor tecnicamente do que as equipes anteriores do Fantasma. O goleiro André Luiz, que estava afastado por contusão, voltou e vem mostrando segurança.

Neste domingo tem o Campeonato Paranaense e o Fantasma pretende assombrar o PSTC, que segura a lanterna da competição, sem nenhum ponto ganho em cinco rodadas até agora. Mas todo cuidado é pouco, mesmo com todo favoritismo do Operário Ferroviário. Se não entrar em campo concentrado, a zebra pode aparecer e isso não é novidade nenhuma no futebol.

Chegou a hora do mata-mata

A partir desta quinta rodada do Campeonato Paranaense 2020, a temporada do Operário Ferroviário vai começar para valer e será como um divisor de águas. No Estadual, que mostra ainda estar com um início embolado, daqui para frente vai começar a aparecer as diferenças na tabela de classificação. Desta forma, é preciso aproveitar as chances, como no jogo deste domingo, em Vila Oficinas.

Sobretudo, chegou o momento da cobiçada disputa pela Copa do Brasil. Obviamente, o Fantasma já está de olho nesta partida e vai até o Ceará na próxima quarta-feira para encarar o então pouco conhecido, Barbalha. Um confronto no qual o favoritismo é do Operário Ferroviário por tudo que vem acontecendo no clube. Também, a principal razão desta confiança na classificação alvinegra no mata-mata nacional fica por conta dos resultados de vitória e empate a favor do Fantasma.

Porém, a Copa do Brasil é traiçoeira e a zebra costuma passar no certame com frequência. Portanto, todo cuidado é pouco. Mesmo com uma equipe supostamente mais qualificada do que o time cearense, trata-se apenas de um jogo e neste tipo de situação pode acontecer qualquer coisa. O Barbalha não é dos piores no atual Campeonato Cearense. Vai jogar em casa, no meio da tarde, e com uma temperatura que pode ultrapassar 30 graus. Com certeza será um grande desafio para o time do técnico Gerson Gusmão.

Portanto, chegou a hora de começar a decidir as coisas dentro de campo e parece que o ataque alvinegro começou a voltar a achar o caminho do gol. Resta agora aguardar pelas próximas emoções reservadas na temporada.

Técnico não joga e não marca gols

Bastaram duas rodadas com uma vitória e uma derrota para começarem os questionamentos sobre o trabalho do técnico Gerson Gusmão, que comanda o Operário Ferroviário pela quarta temporada seguida. Mesmo com um currículo com um bicampeonato nacional com o Fantasma, o momento do treinador alvinegro passa por algumas críticas, fundamentadas pelo fato de que o atual elenco é supostamente superior tecnicamente ao do time das últimas temporadas. Sendo assim, o treinador teria obrigação de fazer o time render mais.

A vitória suada sobre a primeira das cobras no Campeonato Paranaense, o Cascavel CR por 1 a 0, em Vila Oficinas, e depois a derrota pelo mesmo placar para o FC Cascavel, no Olímpico Regional, já bastaram para que a cabeça do treinador esteja a prêmio.  Mas, obviamente ainda não é a hora de pedir a saída de Gerson Gusmão. O treinador já mostrou que pode levar o Fantasma mais longe, mas é preciso paciência.

Quem acompanha os treinos entende o trabalho desenvolvido pelo treinador alvinegro, que, como não poderia ser diferente, segue com sua própria filosofia de jogo no esquema tático do Fantasma. Mudaram as peças, mas a visão de jogo de Gerson Gusmão se mantém fiel.  O resultado disso fica por conta da determinação dos jogadores escalados. E está na hora de ter mais atitude.

Afinal, técnico não joga, não defende nem marca gols. Essa tarefa é dos jogadores, que quando entrarem em campo precisam, sim, criar uma identidade com a camisa centenária alvinegra e jogar bola. Se isso não acontecer, além do Paranaense, vem aí a Copa do Brasil e dependendo do resultado, as coisas até podem mudar em Vila Oficinas.

Torcida que ver a bola na rede

Agora vai. O Operário Ferroviário entra em campo neste domingo dando a largada para a temporada 2020. Com ele a esperança de toda uma nação alvinegra, que sonha em ver o Fantasma apavorando os adversários, conquistando títulos e indo o mais longe que puder. Nesse embalo, o que a torcida quer ver mesmo são os gols. Essa é a alegria do futebol e que à vezes parece ficar em segundo plano, levando em consideração o famigerado sistema defensivo e tal.

Assim, com uma bonita camisa nova, o Fantasma vai entrar em campo em busca dos seus objetivos a partir deste domingo. Mas, existe uma pulga atrás da orelha. Afinal, o time ainda aparece estar carente do mesmo problema que sofreu na última temporada que é o de não marcar muitos gols. Fez dois jogos treino contra o Londrina nesta curta pré-temporada e marcou apenas um golzinho.

Mas como dizem que treino é treino e jogo é jogo, a esperança fica por conta de quando a bola rolar oficialmente. Vai jogar em casa e o torcedor, sem dúvida, quer ver a rede balançar. Para isso, o técnico Gerson Gusmão manteve a dupla Lucas Batatinha e Schumacher no elenco, que também foi recheado de novos atacantes. Ambos já construíram uma grande identificação com o Operário Ferroviário e os novos que estão chegando terão a oportunidade de escrever uma nova história no clube de Vila Oficinas.

Enfim, chegou a hora e todas as esperanças estão depositadas para uma temporada de sucesso para o Fantasma no certame nacional. Mas a rede tem que balançar. Vem por aí o Paranaense, Copa do Brasil e o Brasileirão da Série B.

Fantasma corre em busca do time ideal

Como parte da preparação para a temporada 2020, na última quarta-feira o Operário Ferroviário foi até o Estádio do Café para enfrentar o então rival Londrina, num jogo-treino em que acabou voltando para Ponta Grossa com a derrota por 2 a 1. Neste caso, o resultado vem em segundo plano, mas obviamente não é bom perder e já serviu para apontar o que deve ser aperfeiçoado no time e tudo mais. Foi o primeiro lampejo do Fantasma neste ano e a expectativa vai crescendo ainda mais.

Neste sábado, será a vez de o Tubarão jogar em Vila Oficinas e levar o troco. O técnico Gerson Gusmão já deve ter mais clareza do que deve fazer para testar as peças no esquema de jogo proposto. A tendência é basicamente de manter a mesma de atuar com fez nas últimas temporadas. A diferença está voltada para o aperfeiçoamento desta identidade de jogo que o mais longevo técnico do Brasil vem colocando em prática no Operário Ferroviário.

Tais características tornaram o Fantasma capaz de levantar duas taças nacionais, com uma marcação forte e principalmente aplicação tática. Mas com o tempo, algumas peças passaram a não funcionar como deveriam e a engrenagem começou a falhar. A partir disso, foi providenciada uma renovação no elenco alvinegro. Mas, o principal problema do Fantasma vem sendo a falta de gols. Isso foi o que emperrou o time na temporada passada.

A lição deve ter sido assimilada pela comissão técnica e a torcida fica por conta de ver o Operário Ferroviário marcando gols. Isso é fundamental, já que tem pela frente uma Copa do Brasil e mais o Brasileirão. Buscando acertar o ataque, Lucas Batatinha e Schumacher permaneceram no grupo. Afinal, já deram provas que podem ajudar o Fantasma. Mas com eles, também uma nova leva de atacantes. Já nessa primeira movimentação, Douglas Coutinho, que mal chegou em Vila Oficinas, já balançou as redes.

 

Começa a temporada 2020

Enfim, vai começar a temporada 2020 e Ponta Grossa segue na expectativa pelo Operário Ferroviário, assim como no vôlei e no basquete, além de outras várias modalidades esportivas, que terão pela frente grandes desafios, individuais e coletivos, distribuídos num calendário bastante competitivo. Que seja mesmo um ano de realizações e conquistas.

O Fantasma de Vila Oficinas, além do Paranaense, Copa do Brasil e Brasileirão da Série B, já começa entrando em campo neste sábado, pela Copa São Paulo de Futebol Júnior, quando enfrenta nada mais, nada menos que o São Paulo Futebol Clube, atual campeão da competição. Nesta primeira participação do Operário Ferroviário nesta competição de base, que é de fato o maior torneio da categoria no Brasil, a expectativa é de fazer um bom papel, tentando pelo menos passar pela fase de grupos.

Sobretudo, a Copa São Paulo dispensa comentários, já que é uma grande vitrine para os atletas, que buscam ter sucesso dentro das quatro linhas e assim alcançar bons contratos e tudo mais. Portanto, encarar o Tricolor do Morumbi logo na estreia, é mesmo tudo que o Fantasma precisa. É, sem dúvida, um jogo histórico para os garotos alvinegros. Depois, o que vier é lucro.

Longe dos gramados está a equipe do Ponta Grossa Vôlei. Mesmo com todas as dificuldades, levando em consideração orçamento, tempo de trabalho e tudo que cerca uma disputa de uma mega competição como é a Superliga, o time ponta-grossense está em quadra e lutando para tentar melhorar a sua condição.

Nos lados do Borell, está a guerreira equipe do Novo Basquete Ponta Grossa. Depois de praticamente comandar o basquete no Paraná, nesta temporada parte mais uma vez para uma competição nacional. É o começo de um novo ano, novos sonhos e a expectativa fica por conta de que alguns deles possam ser alcançados. Enfim, é treinar e ir em busca dos objetivos.