Visão Empresarial
É errado transformar colegas de trabalho em amigos?

Bom senso

Nunca é demais lembrar que no meio corporativo, e principalmente quando se fala de relações humanas, não há fórmula mágica, não há uma espécie de regra que você tenha que seguir de maneira absoluta. Ao contrário, o que há são apenas duas práticas, recomendações que devem ser interpretadas pela pessoa e depois aplicadas com extremo bom senso. Uma dessas situações é o caso daquele profissional que se questiona se deve ou não transformar um colega de trabalho num amigo do peito. Ora, você deve sim, pois afinal de contas o seu colega não tem culpa de ser um grande amigo e trabalhar na mesma empresa.

 

Profissionalismo

O que se deve evitar é um relacionamento de amigos, pois na verdade, no ambiente de trabalho, vocês são e devem se comportar como colegas. Onde está a diferença? É simples. Imagine uma situação em que dois colegas se tornam grandes amigos. No dia-a-dia corporativo eles devem evitar falar sobre questões pessoais. O seu assunto deve limitar-se ao relacionamento profissional. É evidente que trivialidades, brincadeiras poderão ocorrer.

 

Separar

Entretanto, essas brincadeiras deverão ser realizadas tal qual você faria com qualquer pessoa na organização. Já assuntos de natureza pessoal, assuntos que só dizem respeito a amigos de verdade, esses devem ser tratados única e exclusivamente fora do ambiente da empresa. Fato triste é que normalmente os amigos acham que irão separar a relação pessoal da profissional, mas na verdade não conseguem fazer isso e aí os prejudicados serão somente eles mesmos. Para a coluna Visão Empresarial        

 

Luciano Salamacha