Cidades

Base da Polícia Militar na UEPG será entregue neste mês

Obras da Base da Polícia Militar, no campus da Universidade Estadual de Ponta Grossa, estão quase finalizadas. Prédio será entregue ainda neste mês
Obras estão em fase final e prédio deverá ser entregue nas próximas semanas (Foto: José Aldinan)

As obras do prédio onde funcionará a Base da Polícia Militar, na Universidade Estadual de Ponta Grossa - campus de Uvaranas, já estão em fase final. A estrutura deverá ser entregue à PM ainda neste mês. Contudo, a operação do módulo dependerá de uma data que será estipulada pelo próprio Batalhão da PM.

O local servirá como ponto de apoio para as viaturas da região. Dois policiais militares irão atuar na base, de forma administrativa, na confecção de boletins de ocorrências.

“O intuito da base é atender a população do bairro, de forma mais abrangente, e também aos frequentadores da UEPG”, reforça o reitor Miguel Sanches Neto. “Acreditamos que a presença da população vai ser o grande diferencial da segurança no campus Uvaranas. Então, é um ciclo: você melhora as condições de segurança para atrair pessoas, que darão muito mais segurança para quem frequenta o local", complementa o reitor.

Com a instalação da base, a expectativa da UEPG é reduzir os casos de roubos, furtos e violência. A reforma do prédio incluiu a construção de uma rampa de entrada e intervenções no forro, iluminação e instalações elétricas. No edital para reforma do espaço, previa-se um investimento de até R$ 81,6 mil, mas a obra foi fechada com economia, no valor de R$ 69,3 mil.

Fazenda Escola

Além do campus de Uvaranas, a Fazenda Escola Capão da Onça, localizada na zona rural, PR-513, sentido Itaiacoca, também receberá reforço na segurança. Uma empresa será contratada para realizar a vigilância armada no local. De acordo com Josué Linhares de Lara, chefe da Diretoria de Segurança e Apoio da UEPG, atualmente, é realizada Vigilância Patrimonial, porém os servidores não podem atuar com porte de arma.

"A área é extensa, com 312 hectares. Essas características, isolamento e extensão, requerem um reforço na vigilância, de forma mais ostensiva para prevenir roubos”, disse Linhares no mês passado.

Segundo a UEPG, a contratação inicial corresponde a R$156 mil ao ano. Nesse valor, a empresa deverá dispor de um vigilante para o turno de 12 horas, todos os dias da semana, das 18h30 às 06h30 com apoio tático, ou seja, carro de apoio.

O edital de contratação, no valor de R$ 610.198,56, foi publicado no final de abril e, segundo a universidade, a verba será destinada caso haja a necessidade de contratação de mais um vigilante armado e outros quatro desarmados.