Safra 2016/2017

Caixa quer dobrar volume em negócios

A Superintendência da Caixa Econômica nos Campos Gerais contratou mais de R$ 375 milhões em operações de crédito Rural no ano de 2016. A expectativa é dobrar o valor neste ano.

Segundo o superintendente regional da Caixa, Adriano Resende, como a Caixa tem linhas de custeio, investimento e comercialização que atendem médios e grandes produtores, “nosso ticket médio de liberação por operação é em torno de R$ 250 mil”, conta.

A Caixa vem progressivamente aumentando sua participação no mercado de crédito rural. “Nossos grandes diferenciais aos produtores são a disponibilidade de recursos obrigatórios, sem a necessidade de mix de taxas; a liberação do recurso do custeio diretamente na conta corrente do produtor e a possibilidade de dispensa do seguro agrícola para a região (para operações da Safra de Verão, acima de R$ 300 mil);

Ele cita ainda a ausência de cobrança de taxa flat nas operações de investimento e a possibilidade de convênio com as cooperativas clientes da Caixa para contratação de operações customizadas. “E o mais importante o atendimento e operacionalização tempestivos nas contratações. As operações de custeio agrícola de até R$ 500 mil têm sua análise técnica realizada de forma on-line, quando da apresentação do plano simples nas agências”, afirma.

Para o superintendente, “a região é referência em gestão profissional das propriedades agrícolas, produtividade de grãos e alto nível tecnológico adotado no campo em todo o Brasil. Aqui nasceu o Plantio Direto”, avalia.

Plano

“A Caixa vem se preparando para ampliar a carteira de crédito rural na região, e atender as necessidades dos clientes ao longo de todo o ciclo produtivo, desde o plantio até a colheita. Estamos investindo também em tecnologia, de forma a atender nossos clientes e parceiros do Agronegócio de forma cada vez mais rápida e interativa”, fala.

Adriano: “a região é referência em gestão profissional das propriedades agrícolas”

Foto: Arquivo