Economia

China segue como principal parceiro comercial da região

O país detém a maior quantia de produtos exportados e importados dos Campos Gerais

O mês de abril foi o menor do ano na movimentação de cargas entre os municípios dos Campos Gerais e outros países. Foram exportados cerca de US$ 187,61 milhões e importados US$ 55,28 milhões - os menores valores entre os quatro primeiros meses do ano. A maioria das transações, tanto de entrada quanto de saída, foram feitas com a China, que foi a responsável pela compra de 30% dos produtos exportados e pela venda de 18% dos produtos importados.

Os dados foram divulgados pelo boletim mensal sobre do Núcleo de Economia Regional e Políticas Públicas (Nerepp) da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), publicado esta semana.

Entre os resultados do ano da balança comercial o mês de abril também foi o que apresentou o menor número: US$ 132,33 milhões, uma variação superior a US$ 30 milhões em relação ao mês anterior. A China é o único país que se mantém entre os cinco principais parceiros comerciais tanto na exportação quanto na importação. Enquanto no envio de mercadorias também se destacam França (10,59% do total), Estados Unidos (8,74%), Romênia (7,2%) e Argentina (5,73%), nas compras da região também figuram no topo da lista Países Baixos/Holanda (9,68% do total), Alemanha (7,97%), Áustria (6,66%) e Arábia Saudita (5,07%).

Desagregando os dados por municípios, a maior parte das exportações da região foi efetuada pelo município de Ponta Grossa, cujo valor foi de US$ 82,25 milhões. Segundo o estudo, como já era esperado, a segunda e a terceira posição são ocupadas pelos municípios de Ortigueira e Telêmaco Borba, que exportaram US$ 49,77 e US$ 28,99 milhões, respectivamente.

 

Em relação às importações o ranking nas importações também se mantém semelhante; a maior parte das importações da região é efetuada pelo município de Ponta Grossa. No mês de abril as importações do município alcançaram US$ 42,15 milhões e representaram 76,25% do total da região, número muito à frente do segundo colocado, Telêmaco Borba, que importou US$ 5,86 milhões.

Parceira estadual

Além do seu destaque no comércio exterior da região dos Campos Gerais, a China também é a principal parceira do total de transações estaduais. O mercado chinês é o principal destino das exportações paranaenses, respondendo por 44% do total exportado em 2018.

No final do mês de abril uma comitiva do governo estadual, liderada pelo chefe do Executivo, Ratinho Junior, esteve no país asiático em missão oficial para apresentar oportunidades de negócios e prospectar novos investimentos chineses para o Paraná, principalmente no setor de infraestrutura e logística.

Na ocasião, o governador destacou que o estado está em uma posição geográfica capaz de atender 70% do setor produtivo da América do Sul, já que concentra seis das dez maiores cooperativas agrícolas da América Latina.

 

 

Celulose é destaque na exportação

Assim como em períodos anteriores em abril a modalidade “pastas de madeira ou de outras matérias fibrosas celulósicas; papel ou cartão para reciclar; papel e suas obras” foi destaque, sendo a maior categoria de produtos exportada no mês – totalizando US$ 79,52 milhões, o correspondente a 42,39% de todo o total enviado da região para fora do Brasil.

E esse número tende a aumentar em breve devido ao anúncio da Klabin Papel e Celulose sobre o novo investimento de R$ 9,1 bilhões para ampliação da fábrica localizada em Ortigueira (Unidade Puma), que está em operação desde 2017. A direção da empresa explicou que a unidade Puma II abrange a instalação de duas máquinas com capacidade de produção de 920 mil toneladas anuais de papéis Kraftliner. A construção da nova planta vai abrir 11 mil postos de trabalho na região e a companhia estima iniciar as atividades da nova planta em 2021.

Foto: Agência Estadual