PG 188 anos

Confira Especial sobre os 188 anos de PG

Prestes a concluir seu segundo mandato como prefeito, Wosgrau pretende colocar mais programas e açõe

 

créditos
imagem
 Pedro Wosgrau Filho: “estamos buscando todas as alternativas para cumprir os pontos de nosso plano de governo”

Daqui a 13 meses, o prefeito Pedro Wosgrau Filho deixará de comandar a cidade, mas muitas ações, programas e obras dirigidas por seu governo continuarão beneficiando os ponta-grossenses. E o que esperar de realizações para o próximo ano? “Temos ainda muito a fazer. E dispomos dos recursos humanos e materiais para isso. Estamos buscando todas as alternativas para cumprir os pontos de nosso plano de governo”, garante o prefeito.

Entre as metas está o programa Remédio em Casa. “Somente estamos conseguindo começar a implantar agora, ainda em experiências piloto”, diz ao destacar também o programa de consultas com hora marcada, que vem sendo testada com algum êxito em pontos específicos, e a Internet grátis, “que devemos ter efetivada, ou em vias de efetivação, até o final do ano”, aposta.

E como uma cidade vive de conquistas, Wosgrau fala do “espetacular avanço também na área da habitação popular, com a abertura de novas oportunidades a tantas famílias. E estamos avançando bastante na área da pavimentação, em todos os setores da cidade. Acredito que vamos conseguir alcançar a meta que propusemos, e também nesse setor fazer a diferença na vida dos ponta-grossenses”.

Na educação também ainda há o que se fazer, mas o prefeito lembra que algumas alterações no sistema foram fundamentais para atender um contingente bem maior. “Conquistamos um avanço espetacular, na educação infantil, baseado na qualidade de ensino e também em obras. Só até o final deste ano, vamos licitar mais 22 Centros Municipais de Educação Infantil, num investimento de mais de R$ 38 milhões”, relata.

O prefeito lembra que a crise econômica de 2008 afetou não só o setor produtivo, mas impactou negativamente em seu governo. “Apesar da crise, e ela nos afetou muito, nós tivemos grandes conquistas na área social, com uma redução significativa no contingente dos mais necessitados. Desenvolvemos programas de inserção social, de segurança alimentar e de incentivo à moradia própria, num volume inédito. Estamos finalmente dotando a cidade de uma estrutura adequada para seus eventos culturais, avançamos bastante na expansão dos serviços de saúde e na sua qualificação, conseguimos gerar empregos numa velocidade e num ritmo bastante elevados, diferente do que tem acontecido em outras regiões, e estamos vendo essas conquistas se cristalizarem em outras ainda maiores”, fala.

Incentivo

Não só as indústrias que estão chegando na cidade, mas também as empresas que estão aqui são incentivadas pelo Município a produzirem e gerarem emprego e riquezas. O polo de confecções é uma realidade. “É uma alavanca para sustentar dezenas de empresas de todos os portes e para manter centenas e centenas de famílias”, relata o prefeito.

 

 

Hospital Regional é a grande conquista

Para o prefeito, Pedro Wosgrau Filho, muitas obras, ações e programas merecem ser destacadas, mas a grande conquista, em sua opinião, é o Hospital Regional. “Hoje o Hospital Regional é uma realidade. Ainda está distante daquilo que queremos, ainda não está funcionando como deve, mas é inegável que se trata de uma grande conquista para a área da saúde. E vai ser fundamental para resolvermos em boa parte os problemas desse setor, em nossa cidade”, diz.

Mas não é só o Hospital que continuará recebendo atenção. Até o final deste ano, o prefeito pretende inaugurar mais três lojas do Mercado da Família. Já, o programa Feira Verde deve aumentar em pelo menos 50% o número de pontos de troca de recicláveis por frutas, verduras e legumes. “E isso sem contarmos a Rodoviária e tantas outras obras de impacto que tivemos neste mandato”, comenta.  

Para o prefeito, muitas obras poderiam ter sido realizadas antes não fosse à crise econômica de 2008. “Preciso registrar que este foi um período bastante difícil. Enfrentamos uma severa recessão no período 2008/2009, com reflexos diretos na receita do Município, com uma queda forte nos repasses do Fundo de Participação dos Municípios e no ICMS. Além disso, muitas das ações que estávamos programando tiveram que ser adiadas. Projetos financiados com recursos do BID, que esperávamos vê concretizados ainda em 2007, foram barrados pela crise e só tiveram seus recursos liberados este ano, além de outros investimentos que tínhamos programado e que deveriam receber aportes do governo federal, por exemplo. Com a crise, os cofres se fecharam e muita coisa teve que ser adiada. Felizmente conseguimos reorganizar nossa agenda e manter muitos dos nossos programas dentro do cronograma. Mas uma parte considerável foi afetada”, revela.

 

 

O futuro nas eleições de 2012

Expectativas não faltam quanto o assunto é sucessão. Em outubro de 2012, os ponta-grossenses irão às urnas escolher o novo prefeito da cidade. Mas, neste momento, o que se tem são especulações em torno dos nomes dos candidatos que concorrerão à cadeira.

Sandro Alex (deputado federal pelo PPS), Marcelo Rangel (deputado estadual também PPS), Plauto Miró Guimarães Filho (do DEM é 1º secretário da Assembléia Legislativa), Péricles de Holleben Mello (deputado estadual pelo PT) e Márcio Pauliki (presidente da Acipg) aparecem entre os cotados pela população, hoje, para assumir o cargo de prefeito. No entanto, até o momento, nenhum lançou a candidatura e é provável que alguns destes nem lancem.

E o que estas pessoas têm que se destacam em meio a tantos outros que também sonham com a cadeira de prefeito. Marcelo se destaca por ter sido o deputado mais votado em Ponta Grossa nas últimas eleições. Já, o irmão Sandro – que disputou a Prefeitura com Wosgrau – teve 47,7% dos votos no segundo turno.

Plauto se destaca por estar atualmente ao lado do governador Beto Richa, participando das decisões. Bom para Ponta Grossa que tem alguém no ‘alto escalão’. Péricles está impedido de concorrer por ter desaprovadas as contas como prefeito, no entanto é o nome mais forte do PT.

O empresário Márcio Pauliki diz que não pretende concorrer, mas os partidos políticos apostam na figura do presidente da Acipg, que vem desenvolvendo um grande trabalho no Município.

Também vislumbram as eleições: Marcos Zampieri (PSC) que tem o apoio de Jocelito Canto e com isto pode ganhar os eleitores do ex-deputado; Tavinho Luck (PV) que obteve 13 mil votos quando concorreu a deputado federal e George Luiz de Oliveira (PMN), foi o segundo vereador mais votado em 2008.

Mesmo diante da incerteza das candidaturas, de antemão, todos sabem que o que terão pela frente, no futuro, é muito trabalho e um compromisso com a população. Compromisso de manter a cidade se desenvolvendo e crescendo e cada dia mais se tornando conhecida no cenário nacional. E como? Através de ações e programas que mostrem que o Município - com população superior a 300 mil habitantes - está no caminho do progresso.