Economia

Construção Civil impulsiona geração de empregos durante pandemia

Agência do Trabalhador faz o encaminhamento para as vagas do setor da construção
Construção civil gerou 449 empregos em abril (Foto: Arquivo DC)

O Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgou nesta segunda-feira (29) os dados de admissões e demissões em Ponta Grossa no mês de maio deste ano. Mesmo com números negativos, o setor da construção civil contratou mais do que demitiu e com isso a cidade começa a sinalizar para uma recuperação de empregos durante a pandemia do coronavírus.

Em maio, a construção civil contratou 784 pessoas e demitiu 335 trabalhadores, ficando com um saldo de 449 empregos. Foi o único setor em Ponta Grossa que teve saldo positivo. As outras áreas ficaram com números negativos: agropecuária (-3), comércio (-290), indústria (-82) e serviços (-308).

Comparando o mês de maio com o de abril, todos os setores demitiram menos, e a construção civil novamente fechou positivo. Em abril, a agropecuária ficou com saldo negativo de -12, o comércio -496, a indústria -407, os serviços -651, e a construção com saldo positivo de 189.

De acordo com o coordenador da Agência do Trabalhador de Ponta Grossa, John Elvis Ramalho, a expectativa é que a construção civil empregue ainda mais trabalhadores nos próximos meses. “A maioria das vagas na agência são desse setor. Estamos otimistas e os profissionais dessa área vão conseguir emprego com certeza”, explica. As pessoas que quiserem se candidatar para uma vaga de emprego na construção, a agência faz encaminhamento das oportunidades de segunda a sexta-feira.

Na avaliação de Ramalho, a recuperação do comércio e do setor de serviços deve ser lenta. “Os empresários destas áreas não estao conseguindo financiamento, por isso, está difícil manter as empresas. Mas tão logo libere mais recursos do governo federal, acredito que todos os setores irão fechar positivo”, avalia.

No acumulado do ano, de janeiro a maio, Ponta Grossa ficou com saldo negativo de -104 empregos. A área da agropecuária e construção civil fecharam números positivos: 13 e 1.639, respectivamente.

Paraná

O estado do Paraná também fechou maio com saldo negativo e seguindo a mesma linha de Ponta Grossa, apenas o setor da construção civil contratou mais do que demitiu. De acordo com os dados do Caged, em maio no Paraná a agropecuária ficou com saldo negativo de -341, comércio -6.625, indústria -6.999, serviços -11.380, e saldo positivo de 1.489 na construção civil.