PG 191 anos

Copel aplicará R$ 60 mi em duas subestações

O consumo industrial de energia elétrica em Ponta Grossa cresceu em média 3,7% ao ano, entre 2011 e 2013. Segundo a Copel, a energia disponibilizada equivale a toda energia demandada pelo setor industrial no período.

Para atender à demanda, a Copel está desde janeiro de 2013 investindo R$ 13,6 milhões em novas obras de distribuição e transmissão de energia. Esses projetos devem ser concluídos até dezembro deste ano.

Além disso, de acordo com a assessoria da Companhia, serão investidos R$ 60 milhões na construção de duas novas subestações de 138 mil volts no Vendrami e no Distrito Industrial, além de quatro trechos de linhas de transmissão, ampliando a disponibilidade de energia para todo o município e aumentando a flexibilidade para manobras em caso de emergência para toda a região.

A Copel assegura que a energia disponibilizada atualmente atende toda a demanda, seja das indústrias ou das residências. “As obras de melhoria e ampliação do sistema elétrico realizadas pela Copel são programadas para atender ao crescimento do consumo em longo prazo, de acordo com as projeções feitas no Plano Decenal de Expansão de Energia, cuja última edição, de 2013, prevê as necessidades de expansão até 2022”, informa nota encaminhada pela assessoria de comunicação.

Ainda segundo a Companhia, em 2013, o setor industrial de Ponta Grossa consumiu 501 GWh (gigawatts-hora). No mesmo ano, o consumo dos demais segmentos de consumo (residencial, comercial e rural, entre outros) somou 450 GWh.

Hoje o município é o quinto maior consumidor de energia elétrica do Paraná, considerando o consumo total, e o terceiro maior em consumo industrial. Para um retrato mais fiel do crescimento de consumo no setor industrial, os dados de consumo mencionados se baseiam no chamado mercado-fio da Copel, que abrange tanto os clientes industriais cativos da Copel Distribuição quanto as indústrias ali sediadas que possuem contratos de compra de energia firmados junto a outros fornecedores, no mercado livre de energia.

 

Copel aplicará R$ 60 mi em duas subestações. Foto: Rodrigo Covolan