Economia

DAF e Tatra podem realizar novos investimentos em Ponta Grossa

Segundo a Prefeitura, as montadoras de caminhões analisam a construção de unidades no Parque Ecotecnológico
(Foto: Arquivo DC)

O Parque Ecotecnológico, área localizada no bairro Jardim Carvalho que abrigará unidades de pesquisa e inovação e incubadoras tecnológicas, está sendo sondado para receber mais empresas além das seis instituições já confirmadas. Duas delas são a DAF Caminhões e a Tatra Trucks - segundo o secretário de Indústria, Comércio e Qualificação Profissional (SMICQP), José Loureiro, ambas as montadoras de caminhões pretendem formalizar pedidos de doação de terrenos no parque.

O complexo da DAF em Ponta Grossa é a maior unidade fabril do grupo no mundo e foi a primeira fábrica da marca fora da Europa. Segundo a Agência Estadual, a Paccar, controladora da DAF, investiu US$ 200 milhões na unidade e no ano passado aplicou R$ 60 milhões para a implantação de uma linha de montagem de motores. Há três meses a empresa confirmou a construção de um centro de distribuição de peças de 15 mil metros quadrados, vizinho à planta atual, e neste ano também começou a operar no Brasil com o Paccar Financial, braço financeiro do grupo detentor das marcas DAF, Kenworth e Petebilt. Com aporte de R$ 400 milhões, a instituição oferece financiamentos nas modalidades de CDC para clientes finais e linhas de crédito para estoque de revendedores DAF.

Já a Tatra Trucks, da República Tcheca, anunciou neste ano a sua vinda para Ponta Grossa, unidade que será a primeira da marca fora do seu país de origem. A previsão inicial de investimento é de R$ 600 milhões e a montadora de caminhões também confirmou uma parceria com o Município para a promoção do primeiro programa de qualificação internacional, através do qual vinte estudantes ponta-grossenses serão enviados à sede tcheca da indústria por um ano e poderão ser alocados em vagas de emprego quando a unidade local entrar em operação.

Parque Ecotecnológico

Pertencente a SMICQP, o Parque Ecotecnológico funcionará em uma área de 736 mil m², sendo quase a metade destinada à instalação de incubadoras tecnológicas em um único espaço, “permitindo com que setores de tecnologia e pesquisa atuem resultando em novos investimentos no município e geração de empregos”, conforme destaca a Prefeitura, ressaltando que no local não será feito nenhum tipo de produção, apenas pesquisas e atividades relacionadas à inovação e tecnologia.

As instituições que já tiveram suas instalações formalizadas são a Frísia Cooperativa Agroindustrial, KMM Engenharia de Sistemas e Sebrae que, juntas, devem gerar pelo menos 190 empregos diretos. O Parque faz parte do projeto “Cidade do Conhecimento”, que abrigará ainda o Instituto Federal do Paraná (IFPR) e novas unidades de pesquisa da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) e da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG).

 

Heineken irá dobrar produção e gerar 200 novos empregos

Durante a entrevista ao Diário dos Campos o secretário José Loureiro também afirmou que a ampliação da cervejaria Heineken já foi iniciada e deve ser concluída no final do próximo ano. Segundo a assessoria de imprensa da Prefeitura, a obra deve dobrar a capacidade de produção da fábrica e gerar mais duzentos empregos diretos. A cervejaria informou que o investimento que está sendo feito agora para dobrar a capacidade de produção é de R$ 220 milhões. “Eles estão exportando mais; nós devemos atender a América do Sul e México e a fábrica holandesa deve focar no mercado europeu”, disse Loureiro, que contou também que a Heneiken irá doar a terra removida do terreno para o aeroporto municipal, que a utilizará como base para as obras de ampliação que deverão ser feitas no próximo ano com o recurso de R$ 35 milhões já aprovado pelo Governo Federal.