Política

Destino do Centro de Eventos será definido após Feira Paraná

Prefeitura vai promover reforma do imóvel para realização do evento (Foto: Arquivo DC)

Sob muitas críticas e intenso debate, a Câmara de Vereadores de Ponta Grossa aprovou ainda no final de 2017 a concessão do Centro de Eventos da cidade à iniciativa privada. O projeto elaborado pelo Poder Executivo permitia que a Prefeitura outorgasse, mediante concessão, precedida de procedimento licitatório, o uso e exploração das finalidades naturais do Centro de Eventos do Município; segundo a Prefeitura, o objetivo era diminuir o alto custo de manutenção do espaço. 
No entanto, embora houvesse a intenção de fazer a concessão do espaço, no momento, o processo está parado. Isso porque a Prefeitura, em parceria com governo estadual vai sediar, no mês de setembro, a Feira Paraná e a Feira de Tecnologia e Inovação do Paraná, que acontecerá junto à Exposição Feira Agropecuária e Industrial de Ponta Grossa (Efapi).  
E, para receber a feira, a Prefeitura iniciará um trabalho de reforma do Centro de Eventos e, por isso, a discussão em torno da concessão do espaço acabou sendo interrompida. E, por conta dos investimentos que devem ser feitos para sediar o evento, após sua realização a Prefeitura informou, via assessoria de comunicação, que deve reavaliar se dará continuidade ao processo de concessão do imóvel. 

Leilão 
Se a concessão do Centro de Eventos era uma forma estudada pela Prefeitura de economizar, o leilão de áreas públicas que não estão sendo usadas também é avaliada pelo Poder Executivo como uma forma de aumentar a arrecadação. Neste sentido, no ano passado, a Câmara também aprovou projetos de lei que autorizam o Poder Executivo a alienar 37 imóveis. O objetivo é arrecadar mais de R$ 5,7 milhões, que serão destinados ao pagamento de precatórios. Dentre os espaços, por exemplo, estão 25 salas do Super Centro Princesa, além de outros imóveis no jardim Bom Retiro, bairro da Ronda, Vila Contorno e Parque dos Franceses.
Segundo a Prefeitura informou, via assessoria de imprensa, nos próximos dias devem ser publicados editais referente a alguns dos imóveis que tiveram projeto de lei aprovado ano passado para serem leiloados. 
No ano passado, o prefeito Marcelo Rangel (PSDB), informou, em entrevista ao Diário dos Campos, que a Prefeitura também pretende leiloar os imóveis do antigo Hospital 26 de Outubro - onde atualmente funciona a Secretaria Municipal de Políticas Públicas Sociais e Fundação de Assistência Social de Ponta Grossa - além do terreno que abriga o parque de máquinas. A intenção, segundo apontou o prefeito à época, é que a Prefeitura se desfaça de alguns terrenos e imóveis de sua propriedade que hoje se tornaram inviáveis a manutenção e onde não existe intenção mínima de construção de imóveis próprios, pelas dificuldades técnicas que os locais e os terrenos apresentam. Para leiloar estes espaços, a Prefeitura precisa ter o aval do Legislativo. 
No fim do ano passado, após a provação da Câmara, a Prefeitura leiloou terreno na rua Ermelino de Leão, no bairro de Olarias, com área total de 14.385 m². Através do leilão, o terreno foi comprado pela Philus Engenharia, por R$ 4,76 milhões.