Economia

Dia das mães tem aumento de 9% nas intenções de compras

Quase 80% dos paranaenses pretendem presentear neste Dia das Mães. Tíquete médio é o maior já registrado pela Fecomércio PR
(Foto: Reprodução/Agência Brasil)

Segundo a sondagem realizada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio PR) a disposição dos paranaenses em presentear neste Dia das Mães é 9% maior com relação ao ano passado. O percentual de consumidores que pretendem comprar um presente é de 79,6% nesse ano, ante 73,8% em 2018.

Os que não comprarão presentes correspondem a 17,8%, e 2,6% ainda não sabem se vão comemorar a segunda maior data do comércio varejista comprando alguma lembrança para a mãe. Os motivos das respostas negativas foram a ausência da figura materna, falta de condições econômicas ou desemprego.

Tipo de presente

A principal aposta dos filhos para agradar às mães será em roupas, bolsas ou calçados, com 44,7% das intenções de compra. Perfumes e cosméticos corresponderão a 17,9% dos presentes, além de joias, bijuterias ou acessórios, com 9,7%. Outros 4,7% preferem dar valores em dinheiro, para que a própria mãe compre algo de seu agrado. Também foram mencionados outros tipos de presentes, tais como eletrodomésticos ou objetos de decoração (4,7%), livros (2,3%), viagens (1,6%) e tablets ou celulares (1,6%). Os que estão indecisos somam 10,5%. Outros presentes, tais como flores, jantares, almoços e chocolates foram mencionados por 2,3% dos consumidores.

Valor do presente

O tíquete médio do presente neste ano será de R$125,71, e ficará 21% acima do ano passado. Este é o maior tíquete médio já registrado pela Fecomércio PR.

A maior parte dos paranaenses, 51%, está propensa a gastar de R$50,00 a R$100,00. Os que pretendem comprar um presente na faixa de R$101,00 a R$150,00 são 19,8%, enquanto os presentes com valor entre R$151,00 e R$200,00 corresponderão a 7,9%. Os consumidores dispostos a gastar mais de R$200,00 são 21,3%.

Motivadores de compra

O preço baixo é o principal motivador de compra, apontado por 46,1% dos consumidores. Em seguida a qualidade no atendimento do vendedor, com 15,6%.  Para 15,3%, a qualidade do produto é de grande importância para que a venda seja concluída. A possibilidade do desconto à vista também pode mudar a decisão do cliente, ao menos para 15,3%. Ser um estabelecimento flexível no quesito pagamento é importante para 4,9% e a exclusividade do produto, para 1%. Outros motivos não especificados correspondem a 1,8%.

Os consumidores ouvidos opinaram sobre melhorias que podem ser feitas. A maioria mencionou o atendimento, tanto dos vendedores quanto de maneira geral, para que possa se sentir mais à vontade nos estabelecimentos. De modo geral, os consumidores não gostam de se sentir pressionados a comprar, de serem julgados pelo seu modo de vestir, e consideram que há falta treinamento para funcionários de algumas lojas.