Ensaio

Doenças do ser humano

Quando o regime de exceção (entre vitória e posse dos vereadores) cortou os subsídios legislativos com cidades com menos de 200 (duzentos) mil habitantes em todo Brasil, na Câmara Municipal de Ponta Grossa, os eleitos não esmoreceram e a maioria optou pela manutenção de três sessões semanais, na segunda, quarta e sexta feiras, com início às 20 horas, perdurando até findarem todos os processos em pauta. Ainda nesse período, contávamos com o apoio e préstimos do deputado federal Mário Braga Ramos e do senador João de Mattos Leão.
Pela maioria, os candidatos da Mesa Executiva já estavam delineados com a presidência para Roberto de Jesus Portela. Na gestão finda, era presidente Júlio Federmann. Apoiado pela minoria, esse pretendia continuar na Presidência, empenhando a palavra uns que o apoiavam. Entre eles o próprio Júlio, Alexandre Aracema e Edmar Luiz Costa.
Agindo com questão humanitária, liderada por minha pessoa, nós aquiecemos ao acordo. Porém com a palavra empenhada, que na próxima eleição, votariam os três em nosso candidato. Baseados neste compromisso, a eleição do Julio Federmann e sua chapa foi tranqüila. Com o decorrer do tempo, alguém me assoprou que ele não iria manter a palavra, e que o presidente de então iria concorrer novamente ao cargo. Dialoguei com os três que haviam feito o acordo separadamente e ratificaram que iriam cumprir com a promessa. Iniciado prazo para candidatar-se a Mesa Executiva, o Júlio Federmann candidatou-se novamente ao cargo de presidente, o que confirma que o ser humano é neurótico, hipnótico, desequilibrado, etc.
Assim, também me candidatei à presidência e outros cargos da Mesa Executiva. Tomei algumas providências que Deus me concedeu e fomos para o dia da votação. Encerrada a votação e no escrutínio o resultado foi anunciado: “Está eleito para presidente com mandato para dois anos Oswaldo Spósito”, por 11 votos favoráveis e 10 para a outra chapa. Então pronunciou Júlio Federmann: “Convido o eleito para tomar posse”.
Ao sentar-me à mesa da Presidência, deparei com um discurso do ex- presidente agradecendo a reeleição. Sarcasticamente pedi a ele que viesse apanhar seu discurso que ficou na mesa, no qual agradecia a confiança de outro mandato. Confirmou-se minha convicção de que o ser humano é psicopata, neurótico, hipocondríaco, obsessivo, inconsciente, inconseqüente e outras doenças. Na política raramente são honestos e escapam dessas doenças.

O autor é advogado OAB – Pr. Nº 4.289, ex- Presidente da Câmara Municipal, Ex-Sócio, Administrador e Diretor do Jornal da Manhã , Produtor e Apresentador do Programa ‘Tribunal da Verdade’, liderou movimento no Brasil da volta dos subsídios dos Vereadores
[email protected]