Esportes

Equipe de Ponta Grossa  treina pensando em agosto

Se tudo correr bem em relação à pandemia, as competições estaduais de ciclismo têm início previsto para o dia 15 de agosto, com a primeira etapa do Campeonato Paranaense de Ciclismo. Já o calendário oficial da Confederação Brasileira de Ciclismo terá provas válidas para o ranking nacional também a partir de agosto, no Rio de Janeiro e em Santa Catarina.

 

Assim, o técnico da equipe princesina de ciclismo, Mauro Ricetti, entende que é preciso manter o ritmo dos treinamentos, mesmo com as incertezas de uma retomada.

 

“Estamos na torcida para que a pandemia seja devidamente controlada e com isso seja possível a volta das competições. Faremos o possível para participar das provas e dessa forma a equipe está enfrentando os desafios dessa pandemia, treinando focada na possível volta das competições a partir de agosto”, disse Ricetti.

 

No início do ano a equipe conseguiu novos patrocinadores. “São colaboradores que acreditam na continuidade da equipe de formação e de alto rendimento esportivo da Liga de Ciclismo dos Campos Gerais, devido ao trabalho aliado aos resultados obtidos principalmente pela ciclista Talita Oliveira. A maior referência das equipes da LCCG é o time feminino até então”, disse.

 

Ricetti conta que foi montado um projeto que abrange, além da Talita, as atletas Emanuelle Viximiczen e Gabriela Costa, ambas em processo de formação e que estarão juntas no projeto no seu segundo ano, já vinculadas a Federação Paranaense de Ciclismo através da LCCG.

 

“Além disso, temos um projeto paralelo para o alto rendimento masculino com alguns atletas da cidade (Walmir Bitar Junior desde 2019), que devido à pandemia sofrerá alguns atrasos e modificações. Daremos continuidade nesse projeto e trabalhamos pela expansão do mesmo, principalmente devido a uma parceria criada com alguns empresários da cidade e com o ciclista Mauricio Knapp”, disse.

 

Em relação à pandemia, o técnico da equipe princesia conta que inicialmente foram 14 dias de isolamento total, logo que foram iniciadas as ações de restrição. “Após isso fomos retornando as atividades gradualmente. Hoje estamos atuando de maneira restrita ainda, realizando treinamentos em conjunto uma a duas vezes na semana, sempre procurando manter as medidas de distanciamento e proteção individual”.

 

O trabalho da equipe está direcionado 100% para as capacidades individuais. “Procuro acompanhar os atletas, ao menos duas vezes por semana, além de orientá-los sempre que possível sobre as melhores maneiras de conduta. Além disso, busco reforçar sobre as questões específicas de carga de treinamento e saúde, para que assim cada um possa ter um mínimo de controle das suas respostas imunológicas, reduzindo consideravelmente as chamadas ‘janelas de risco’. Até o momento sequer temos relatos de casos suspeitos ou de sintomas que possam ser relacionadas a gripe ou a covid-19 em atletas de ciclismo no município”.