Saúde

Especialista recomenda o inverno para tratamento de pele

O inverno é a melhor época do ano para fazer tratamentos de pele com procedimentos mais agressivos e que trazem maior resultado. Nessa estação, a procura por peelings, microagulhamentos, jatos de plasma e lasers costuma ser maior. De acordo com a profissional Driellen Zarpellon, para tratar rugas, flacidez e manchas é necessário realizar algumas agressões no tecido, por isso, os profissionais preferem as estações mais frias.

“O risco de efeito rebote é menor no inverno, já que há menor incidência de sol, as temperaturas são mais baixas e além disso, a pele costuma ficar menos exposta devido à quantidade de roupas que as pessoas usam", explica.

A engenheira agrônoma Maria Freitas conta que devido ao trabalho que exerce, acaba se expondo bastante ao sol. “Eu sei que alguns procedimentos são um pouco mais agressivos, por isso aproveito o inverno para fazê-los”, firma.

“Eu procuro cuidar da minha pele durante todo o ano. Realmente acredito que a gente precisa saber envelhecer e cuidar da pele, assim como de todo o corpo é fundamental. Esse cuidado faz com que a gente tenha qualidade de vida”, reforça a engenheira.

Apesar da pandemia e isolamento social, o tratamento de pele continua em alta entre as brasileiras. Segundo dados recentes da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica e Estética (ISAPS), o Brasil é o país que mais realiza procedimentos estéticos no mundo, superando os Estados Unidos.

No entanto, conforme relata a doutora Driellen, tratamentos estéticos mais demorados e que exigem um cuidado maior tendem a ser interrompidos na metade.

"Para evitar isso, começamos em 2020 um tratamento multidisciplinar chamado Protocolo Pele Perfeita (3P), que permite resultados mais rápidos e duradouros nos pacientes. E para isso, cuidamos dos aspectos biológicos antes de realizarmos o procedimento estético", explica. Segundo a especialista, é importante garantir uma base sólida para que os produtos façam a diferença a longo prazo.

O objetivo é superar os efeitos dos tratamentos de forma isolada, que tendem a ser limitados quanto ao resultado. “O 3 P reúne o que cada procedimento tem de melhor. É a somatória dos benefícios aplicados em uma sessão, o que garante resultados mais eficazes”, afirma Driellen.

Os cuidados começam em casa, quando o paciente é orientado a tomar ativos específicos para o seu tipo de pele em conjunto com um creme noturno. “Ambos auxiliam na produção de colágeno e ajudam a adormecer as células produtoras de pigmentos, acalmando a pele para que durante o procedimento não haja a hiperpigmentação pós-inflamatória”.

A doutora garante que os resultados superam as expectativas, além de durarem por mais tempo. Além disso, ela reforça a importância de cuidar da saúde como um todo para manter uma pele bonita, já que outros fatores também são relevantes, como a alimentação diária, a exposição solar e a quantidade de água que a pessoa ingere.