Cidades

Estado executa obras de R$ 9,2 mi em escolas da região

Construção e reforma em quatro escolas estaduais de Ponta Grossa e região, no valor de R$ 9,2 milhões, estão sendo executadas pelo governo do Estado
(Foto: Fábio Matavelli)

Obras de construção e reforma em quatro escolas estaduais de Ponta Grossa e região, no valor de R$ 9,2 milhões, estão sendo executadas pelo governo do Estado, através do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Educacional (Fundepar).

Os projetos de execução se agregam a outras 52 obras tocadas pelo Fundepar, em 44 municípios de todas as regiões do Paraná. Elas somam R$ 88,8 milhões e englobam sete novas unidades educacionais em cidades com deficit de vagas e 37 reformas, que envolvem acessibilidade, reparos em telhado, reestruturação elétrica, adequação da cozinha, banheiros e refeitórios. De acordo com o Estado, elas já estão em andamento e têm previsão de conclusão para 2019, 2020 e 2021.

Na região, está em construção o Centro Estadual de Educação Profissional (CEEP) em Ortigueira, no valor de R$ 8,7 milhões. Outras instituições seguem em reforma, à exemplo de Ipiranga, no colégio Dr. Claudino dos Santos, no valor de R$ 200 mil e do CEEP Agrário em Palmeira, orçado em R$ 125 mil.

Em Ponta Grossa, segue em obras o colégio estadual Espírito Santo, no valor de R$ 200 mil. Segundo o Fundepar, no local são executados trabalhos para melhorias no saneamento e reparos nas instalações dos banheiros dos estudantes.

A construção de outras novas unidades ficam em Mauá da Serra, Sarandi, Boa Aventura de São Roque, Campina Grande do Sul, São José dos Pinhais e Toledo que, juntamente com a obra de Ortigueira, somam mais de R$ 35 milhões.

Ipiranga

As obras no Colégio Estadual Dr. Claudino dos Santos, em Ipiranga, segundo o Fundepar, estão quase concluídas e atendem 900 alunos do 6º ano do fundamental ao 3º do ensino médio. Elas custaram quase R$ 200 mil e ajudaram a reestruturar a escola depois de uma tempestade de granizo que durou quatro minutos e destruiu boa parte da estrutura, em 2015.

A reforma engloba ampliação da cozinha, reformas hidráulica e elétrica, novos projetores para as salas de aula, janelas de alumínio ventiladas, banheiro para os funcionários, depósito de merenda com bancada de concreto e piso revestido, banheiros novos com pias (até então as pias ficavam do lado de fora, espelhos e divisórias, readequação de uma rampa, reforma no piso de duas salas e cobertura de uma valeta por onde escorria a água das chuvas.

As intervenções se somam a outras iniciativas próprias da comunidade, como a pintura e a construção de uma quadra de areia para ser usada pelos alunos e pela população em parceria com a prefeitura municipal.

Recursos

A maior parte dos recursos do Fundepar é proveniente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), do governo federal, o que pressupõe prestações de conta detalhadas.

Quadro Negro

Por determinação do governador Carlos Massa Ratinho Junior, os investimentos do Fundepar estão cada vez mais perto de virar a página da Operação Quadro Negro no Paraná. Das 15 escolas listadas pelo Ministério Público que tiveram obras interrompidas, nove já foram entregues à população, uma está em fase de conclusão, duas estão em andamento e três serão licitadas até o começo do ano que vem.

A escola Francisco Pires Machado, localizada no bairro Cará-Cará, em Ponta Grossa, é uma das que ainda precisa ser licitada. Ela estava conveniada com o governo federal e agora será finalizada com recursos estaduais na ordem de R$ 2,3 milhões.

O Fundepar explica que o processo para a retomada da construção da nova unidade do colégio será encaminhado na próxima semana para a Procuradoria Geral do Estado (PGE) para análise e autorização da licitação.

A obra, que será retomada para conclusão, era de responsabilidade de uma das empresas que abandonou o serviço e envolvida na Operação Quadro Negro. O projeto prevê 20 salas de aula, sala multiuso, biblioteca, laboratórios, banheiros, cozinha, área administrativa, quadra poliesportiva coberta, entre outros espaços. Em três turnos, a escola tem capacidade para até duas mil matrículas.

Escola Francisco Pires Machado terá nova licitação para o término das obras. (Foto: Fábio Matavelli)