Literatura

‘Forte Apache’ tem lançamento duplo em PG, nesta quinta e sexta

(Foto: José Aldinan)

Mais de uma década de poesia do escritor Ramon Ronchi chega oficialmente ao público pela primeira vez nesta quinta-feira (14), com o lançamento de ‘Forte Apache’. O autor fará o primeiro dia de lançamento no Sesc Ponta Grossa, a partir das 19h45, com espaço para debate sobre a obra. O segundo será na sexta-feira (15), no Rei das Batidas, ao som do grupo Novos Malandros, a partir das 22 horas.  

Para Ronchi, apresentar ao público sua primeira obra é um desprendimento de julgamento. “Não é à toa que são dez anos de poemas engavetados. Alguns foram publicados na timeline do Facebook, mas é bem diferente de ter esse material impresso, com uma capa bonita e pronto para ser lido e criticado pelo público. A maior motivação é fazer a literatura atingir seu propósito, que é ser lida. Nesses dez anos de escrita o medo de ser lido se tornou um pouco de curiosidade também”, ressalta.

Sobre a produção, o autor explica que não possui uma rotina ou ritual de escrita. “Às vezes passo o final de semana com uma ideia na cabeça macetando o teclado e não sai nada, e às vezes o poema sai no estacionamento do mercado. Em Forte Apache tem de tudo um pouco. Tem poema que fiquei limando para encontrar rima e métrica e tem poema que saiu no susto. Como são poemas de diferentes épocas tentei não mexer em nada, respeitar o momento de produção de cada um”.

A princípio, a obra tinha outro nome e até outra capa. “Quando o livro veio para última leitura antes da impressão eu ainda estava incomodado com o título. Tive que me desprender dos vícios de leitura, dar um passo para trás e ler novamente. Quando bati o olho nesse poema foi tão obvio que parecia até outra obra. ‘Forte Apache’ é um nome de impacto e o poema homônimo consegue fragmentar essa fortaleza. O livro traz um pouco disso, uma desconstrução da estabilidade aparente da vida”, adianta o autor.

Por fim, a respeito da qualidade fictícia ou autobiográfica da obra, Ramon destaca que a confusão é uma característica que o livro assumiu por conta. “Não foi proposital. Acredito que os poemas mais sensíveis são aqueles que menos tem participação do Ramon empírico. A questão da autobiografia ou ficção diz mais respeito a quem lê do que quem escreveu. Um resultado interessante disso não é o leitor descobrir a minha relação pessoal com a obra, mas sim a dele. Em quantos poemas você consegue se ler?”, finaliza.

 

Sobre o autor

Nascido em 1987, em Ponta Grossa, Ramon Ronchi é graduado em letras pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) e mestrando em linguagem, identidade e subjetividade (UEPG). Atua como professor de literatura e inglês no ensino médio e fundamental. Já teve poemas publicados em coletâneas como TOC 140, promovida pela Festa Literária de Pernambuco (Fliporto) em 2010 e 2011 e Concurso Nacional de Poesias, realizado pela Prefeitura Municipal de Ponta Grossa, em 2011.