Política

“Gestão privada de Vila Velha vai desenvolver toda a região dos Campos Gerais”, diz Hussein Bakri

Líder do Governo participou de audiência pública em Ponta Grossa para debater modelo de concessão e exploração comercial do parque
(Foto: Divulgação)

Com 100% de apoio da comunidade local, Ponta Grossa realizou, na tarde desta quinta-feira (15), uma audiência pública para discutir o processo de concessão do Parque Estadual de Vila Velha à iniciativa privada. Segundo o Líder do Governo na Assembleia Legislativa, deputado Hussein Bakri (PSD), o objetivo é desenvolver o turismo e a geração de renda em sintonia com a preservação ambiental. A empresa que vencer a concorrência poderá ofertar uma série de atividades, como arvorismo, cicloturismo, acampamento e balonismo.

“É preciso ressaltar que todas as leis ambientais estaduais e federais serão respeitadas, até porque o maior ativo de quem ganhar a concorrência será justamente ter o meio ambiente preservado. O IAP (Instituto Ambiental do Paraná) não tem vocação para o turismo, e o resultado disso é que não exploramos como poderíamos o enorme potencial turístico do estado. Essa concessão vai gerar emprego e renda e trazer desenvolvimento a toda a região dos Campos Gerais”, afirmou Hussein Bakri. O parlamentar foi o indicado pelo Prefeito Marcelo Rangel (PSDB) para representar Ponta Grossa junto ao Governo do Estado.

No evento realizado no auditório do Sebrae, o Secretário do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Marcio Nunes, explicou todo o trâmite até que a empresa vencedora da licitação possa assumir a gestão do parque. O primeiro passo é aprovar na Assembleia o projeto que permite a concessão à iniciativa privada da exploração das áreas de uso público de Unidades de Conservação (UC). De acordo com Hussein Bakri, isso deve ocorrer antes do dia 5 de setembro, quando será lançado o edital da concorrência de Vila Velha.

A empresa que assumir o parque poderá explorar 13,4% da unidade – onde se encontram os Arenitos, as Furnas e a Lagoa Dourada – e ofertar até oito tipos de atividades: caminhadas, fotografia de natureza, arvorismo, campo de desafios, observação da vida selvagem, cicloturismo e mountain bike, acampamento ou glamping (acampamento de luxo em alta no mercado de turismo), e balonismo estacionário.

Para isso, poderá cobrar pela entrada, ingressos para atrativos, estacionamento e serviços como alimentação e loja de conveniência. Em troca, deverá respeitar o Plano de Manejo do parque e ficará responsável por investir na estrutura de visitação e em setores como a segurança patrimonial – além de pagar uma outorga mensal ao estado.

De acordo com Hussein Bakri, o modelo adotado no Parque de Vila Velha é um dos mais modernos do mundo e será replicado nos outros 63 parques do Paraná. Ele citou como exemplo de sucesso a exploração privada do Parque Nacional de Foz do Iguaçu, que recebe 2 milhões de visitantes por ano contra apenas 65 mil de Vila Velha. “O Governo vai economizar R$ 4 milhões por ano que gasta na manutenção de Vila Velha e, além disso, terá a garantia de que os investimentos em infraestrutura sairão do papel para atrair cada vez mais visitantes”, reforçou o Líder do Governo.