Polícia

GM registra crescimento em maus tratos a animais em Ponta Grossa

Casos em 2019 já superam todo o ano de 2017
Manifesto pediu rigor em caso de maus tratos (Foto: Fábio Matavelli)

A Guarda Municipal de Ponta Grossa realizou, somente nos primeiros seis meses deste ano, 256 atendimentos a casos de maus tratos de animais. A estatística se baseia no total de chamados feitos aos agentes, em sua maioria através do telefone 153, e aponta para um aumento nesse tipo de ocorrência ao longo dos últimos cinco anos.

Em 2015, o órgão registrou 73 atendimentos. Três anos depois, o número havia saltado para 323. Com o número de 256 chamados em apenas seis meses, existe a tendência de que a cidade verifique um novo aumento nos crimes dessa natureza até o final do ano.

Nesta semana, chamou a atenção um vídeo que circulou nas redes sociais, mostrando um homem que teria matado o próprio cão, amarrado, com golpes de foice. A situação ocorreu na vila Real, e as denúncias chegaram à GM, que localizou o suspeito e o encaminhou até a delegacia de Polícia Civil. Na tarde desta quarta-feira (14), um grupo de manifestantes pedia rigor na punição sobre esse e outros casos, diante do fórum.

No local estavam representantes de ONGs como Fauna, Canil Lar, SOS Bichos e Aprova, entre outras. Para a presidente da comissão de Defesa dos Animais da OAB-PG, Gardênia Mascarelo, que também esteve no manifesto, o alcance que as imagens tiveram obriga a uma ação enérgica do poder público. “A punição nesse caso precisa ser exemplar, seja pela promotoria, magistratura ou polícia”, disse.

Mobilização

Isabele Futerco, que representa uma das ONGs de defesa dos animais em Ponta Grossa, falou a todos os presentes a respeito da importância de se mobilizarem. “Esse caso foi filmado e chegou até a mídia. Mas quantos são os animais que sofrem silenciosos, os casos que não vêm à tona?” , questionou. O grupo destacou o grande número de casos de abandono de animais e o fato de que muito compram animais sem saber sua origem, quando poderiam estar adotando.