Cidades

Leitos da covid-19 têm 80% de taxa de ocupação no HU de Ponta Grossa

Dado é específico de leitos de UTI do Hospital Universitário Regional dos Campos Gerais, referência da doença na cidade
Além do HU, há leitos disponíveis nos demais hospitais públicos e particulares municipais (Foto: Arquivo DC)

Por Danilo Kossoski

Não havia, até o início da noite dessa sexta-feira (22), nenhum paciente morador de Ponta Grossa diagnosticado com a covid-19 internado nos leitos exclusivo para atendimento a esse público. A cidade encerrou a semana com 54 casos positivos no acumulado, mas apenas 21 considerados com vírus ativo, já que 33 dos confirmados estão recuperados da doença, conforme detalhado no boletim oficial da doença, divulgado pelo município.

Apesar disso, o mesmo boletim mostra que 70% dos leitos de UTI destinados especificamente a casos de covid-19 estão ocupados (no final da tarde de sexta-feira, o HU informou que já eram oito leitos ocupados, fazendo com que a taxa subisse para 80%). Isso ocorre porque o Hospital Universitário Regional dos Campos Gerais (HU) é referência no atendimento a esses pacientes para toda a região. São 10 leitos UTI adulto e 25 leitos clínicos contratualizados com o Estado do Paraná para pacientes suspeitos ou confirmados com a doença.

Na UTI estão três pacientes confirmados com covid-19 e outros cinco suspeitos ou descartados que são de outros municípios. Eles ocupam oito dos 10 leitos. Nos leitos clínicos estão três pacientes de Ponta Grossa e de outros municípios, ocupando três dos 25 disponíveis. Dessa forma, a cidade tem, apenas no HU, 11 leitos da ala Covid-19 ocupados, correspondendo a 70% das vagas de UTI e 15% das vagas de leitos clínicos.

Leitos municipais

Nos leitos municipais públicos e particulares, o boletim municipal informa que não há nenhum caso confirmado da doença, seja em UTI ou enfermaria. Mas há seis suspeitos (7% dos leitos) de contágio em UTI e outros seis suspeitos (1% dos leitos) em enfermaria. A maior parte das vagas em UTI (74%) é ocupada por pacientes com outras doenças, e 16 leitos (19%) estão vagos. Nas enfermarias, 351 leitos (51%) estão livres e 330 (48%) ocupados por pacientes com outras doenças.