Cidades

Manifestação dos professores é marcada por passeata em Ponta Grossa

Professores e alunos da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) realizaram uma passeata pelas principais ruas da cidade em sinal de protesto. A categoria aderiu à greve nacional em Defesa da Educação Pública. "A categoria docente mostrou que não se sujeitará a tais ataques à educação e à previdência social", disse Marcelo Ubiali Ferracioli, presidente do Sindicato dos Docentes da UEPG (Sinduepg).

Nesta semana, os professores também votaram pela assembleia permanente, que possibilita ao Sindicato convocar reunião a qualquer momento, sem a exigência do prazo legal de 48 horas de antecedência.

A Greve Nacional em Defesa da Educação Pública é uma resposta aos cortes de verbas para as Universidades e Institutos Federais, incluindo hospitais universitários, anunciada pelo governo federal no dia 30 de abril. Além disso, houve o corte de bolsas dos programas de pós-graduação, mestrado e doutorado, de todas as Universidades Públicas, incluindo as estaduais, como a UEPG, através da Coordenação de Pessoal de Nível Superior (Capes), órgão do Ministério da Educação (MEC).

Reforma

A luta dos professores também é pela derrubada da Reforma da Previdência do governo federal, que prevê o fim do direito à aposentadoria de todos os trabalhadores. Os sindicatos se preparam para a Greve Geral da classe trabalhadora, convocada para o dia 14 de junho, em nível nacional, contra a Reforma da Previdência.

UEPG

Em nota, a UEPG informou que respeita a decisão dos professores que aderiram à paralisação. "A UEPG reconhece a importância da mobilização e se soma a toda a sociedade em defesa dos investimentos nas universidades brasileiras", apontou a instituição.

Professores e alunos desceram as ruas em sinal de protesto. (Foto: José Aldinan)