Cidades

Moradores pedem volta das obras no Mercado Municipal de PG

Com previsão de que um novo prédio deve ser entregue até outubro, população pergunta por que obras estão paradas desde fevereiro
Roger: “Um dia tiraram as máquinas, e não voltaram” (Foto: Fávio Matavelli)

Moradores da região central de Ponta Grossa, no entorno do antigo prédio do mercado municipal, questionam as razões pelas quais as obras do novo prédio, previsto para entrega em outubro deste ano, ainda não começaram. O “mercadão”, há anos desativado, teve sua demolição iniciada em fevereiro, mas nem toda a estrutura foi derrubada. Se antes a população do entorno temia um imóvel abandonado e ocupado por marginais, agora são os escombros de demolição e o mato que tomam conta da paisagem.

Roger Willian Netrebka se animou com a notícia de que haveria uma espécie de shopping ao lado de casa. “Vim de Arapoti para estudar em Ponta Grossa. Quando fui alugar esse apartamento, me disseram que ia ficar bonito aqui depois que construíssem o novo mercado municipal. Fiquei ansioso, mas logo as obras pararam”, conta ele, que se mudou para o prédio nos fundos do terreno das obras, no mês em que houve a demolição.

Alguns dias depois, Fátima Aparecida Antunes também vinha morar em um prédio na rua Comendador Miró, de frente para os tapumes das obras. “Estou aqui há três meses. Desde que me mudei, não vi obra nenhuma”, diz. O comerciante Renato Bach gostaria de ver um novo mercado municipal sendo erguido. Ele acredita que isso atrairia mais clientes para sua loja a poucos metros do canteiro de obras. “Chamaria a atenção, né?”, comenta, sem certeza se a obra prossegue ou não.

 

Otimismo

Nazilda Lopes, aos 81 anos, é uma das moradoras que mantém o otimismo. Vivendo no mesmo imóvel há 36 anos, ela conheceu os tempos em que o mercado municipal era o que havia de melhor. “Ia todo dia comprar as coisas. Era muito bom. Por isso acho que a obra vai continuar. Tem que continuar”, diz. Embora a população estranhe a ausência de operários ou máquinas, em fevereiro a empresa Tekla Engenharia, responsável pelo execução, declarou que a demolição seguiria até junho.

 

Cronograma

O DC buscou a assessoria de imprensa da empresa, mas não foi informado sobre o andamento da obra, nem se o cronograma original, de entrega do novo prédio em outubro, está mantido. Por telefone, o prefeito Marcelo Rangel informou que o cronograma está mantido, e as obras devem acelerar no próximo mês.