PG 190 anos

Município garante recursos de R$ 3,5 mi para segurança

Marco Favero

Secretário Ary Lovato mostra como está hoje a cobertura de câmeras pela cidade

 

 

 

Uma das novidades do governo Marcelo Rangel (PPS) foi a criação da Secretaria Municipal de Cidadania e Segurança Pública, pasta que não existia na Prefeitura até o ano passado e que está fazendo diferença especialmente no que tange à obtenção de recursos junto ao governo federal. Como a Secretaria era inexistente em 2012, não foram previstos recursos do Município para esta pasta durante o ano de 2013.

Por isso, o secretário Ary Lovato teve de buscar verba junto ao governo federal e conseguiu, através de emendas parlamentares, R$ 1,5 milhão para serem aplicados na área da segurança. Isso sem contar os R$ 2 milhões repassados pelo programa ‘Crack, é possível vencer’. Duas emendas de R$ 500 mil vieram através do deputado federal Leopoldo Meyer (PSB) e outra emenda, de mesmo valor, foi conseguida pelo deputado federal Fernando Francischini (PSDB). Para o próximo ano, Ary espera que a Secretaria tenha mais recursos e, assim, possa cumprir sua principal meta que é a contratação de mais de 100 guardas municipais. “Se a Secretaria não tivesse sido criada, dificilmente Ponta Grossa teria tido condições de receber os investimentos da União”.

Por meio de uma das emendas, explica o secretário, foram adquiridos 50 rádios-comunicadores, um elevador de serviço para as viaturas e até o fim do ano serão adquiridas nove viaturas (três caminhonetes e seis carros de passeio).

Já o dinheiro oriundo da segunda emenda será aplicado na estrutura para garantir o preparo físico e técnico dos guardas municipais e policiais civis, militares e federais que atuam em Ponta Grossa. “Queremos montar uma academia e até um simulador de tiro. Esse espaço funcionaria no prédio do antigo Clube Guaíra”, explica. Outra meta é usar o dinheiro para compra de quatro para serem utilizados pelos guardas no policiamento das praças e mais uma viatura.

O recurso obtido com a terceira emenda também já tem destino certo: a aquisição de quatro segways (ao custo de R$ 15 mil cada) e a reestruturação do monitoramento eletrônico. “Queremos comprar novas câmeras, mais modernas e que garantam a captação de imagens melhores”, explica o secretário.

Outra mudança destacada por Ary Lovato é a separação da Guarda Municipal da Autarquia Municipal de Trânsito e Transporte. A GM está agora vinculada à Secretaria. “E eu sempre friso que a GM precisa estar atenta aos bens do Município”, afirma.

Hoje, Ponta Grossa possui 176 guardas municipais em atividade e 35 vagas não completadas, ou seja, eram ocupadas por servidores que saíram do quadro de funcionários seja porque pediram demissão ou foram demitidos ou ainda que se aposentaram. Dos 176, 15 deles fazem parte da chamada tropa de elite da GM, a Ronda Ostensiva Municipal (Romu), que também presta apoio às ações realizadas pelas Polícias Civil e Militar.

 

 

Crescimento populacional e a violência

 

Com a chegada de novas indústrias, existe estimativa de que a população de Ponta Grossa dobre daqui a dez anos. Por outro lado, o crescimento populacional pode gerar aumento da violência e é por isso que a Secretaria Municipal de Cidadania e Segurança está preocupada em, desde já, garantir a segurança e evitar que a criminalidade instale o caos na cidade. “Estamos muito preocupados e é por isso que já estamos com projetos de instalação de câmeras de vigilância na periferia. Fizemos um pacto com a Prolar para que cada novo núcleo habitacional seja monitoramento”, explica o secretário Ary Lovato.

Paralelamente, a Prefeitura também tem reivindicado ao governo estadual o aumento no efetivo da Polícia Militar. “Já estamos fazendo o mapeamento do crime e queremos que o Estado forneça logo o dobro de policiais que há hoje na cidade”, comenta o secretário. (E.S.)