Esportes

Palmeiras focado no jogo contra o Fortaleza, na Arena Castelão

O Palmeiras enfrenta o Fortaleza neste domingo (22), às 16h, na Arena Castelão, pelo Campeonato Brasileiro. Sem nenhuma partida marcada para o meio desta semana, o técnico Mano Menezes, enfim, pôde intensificar o seu trabalho com o elenco do time paulista. Recém-chegado ao clube e com três vitórias consecutivas, o comandante aproveitou os dias que antecedem o duelo com o Fortaleza para reforçar o seu estilo de jogo junto aos atletas palestrinos.

“A gente sempre analisa a semana após o jogo. A semana pode ser boa, o treino pode ser bonito, mas tem de corresponder no jogo. Estou absolutamente satisfeito com o comportamento deles no dia a dia de trabalho. Em uma semana cheia, os treinos podem ser mais completos, coisas que você não consegue trabalhar em outras situações. Mas acredito que esta semana, até aqui, está atendendo as nossas expectativas”, comentou o treinador, que ainda analisa quem será o substituto do atacante Dudu, que está suspenso.

“Estamos decidindo, escolheremos entre Zé Rafael e Carlos Eduardo. O Carlos Eduardo é mais parecido com o Dudu, com drible e velocidade. Já o Zé Rafael participou do primeiro jogo em Goiânia, aí mudaríamos o jeito da equipe, teríamos mais posse. Outro jogador que poderia ocupar esse espaço é o Angulo, mas ele teve um problema particular e começou a treinar no campo apenas na quinta”, disse.

Mano também avaliou o rival deste fim de semana. “O time varia o posicionamento do 4-3-3 para 4-4-2. É um adversário que está há três rodadas sem vencer, então já começa um pouco de pressão, mas é um time que tem feito bons jogos em sua casa. Mesmo na derrota para o Fluminense, eles criaram muitas oportunidades. É um time que cria bastante, não podemos deixar isso acontecer”, falou o comandante, negando que o Palmeiras tenha vantagem sobre o adversário por ter vencido o confronto do primeiro turno por 4 a 0, no Allianz Parque.

“Em um campeonato de 38 rodadas, nem nós somos os mesmos do momento em que enfrentamos o Fortaleza e nem o Fortaleza é o mesmo. As equipes vão se modificando, o segundo turno tende a ser mais difícil do que o primeiro. Você começa a jogar por coisas mais objetivas, é outro momento”, concluiu.