Cidades

PG quer construir mais de 500 moradias ainda neste ano

Dois conjuntos habitacionais deverão começar a ser construídos neste ano na região do Jardim Boreal e Ouro Verde. Ao todo, serão 546 moradias e um investimento de R$ 54 milhões

A construção de mais moradias populares em Ponta Grossa deverá contemplar cerca de 546 famílias que estão à espera da casa própria. Dois conjuntos habitacionais deverão começar a ser construídos ainda neste ano na região do Jardim Boreal e Ouro Verde. Um dos residenciais, chamado de Boreal II,  será voltado para famílias Faixa 1,5 - que recebem renda de R$ 1,3 mil a R$ 2 mil.

De acordo com o diretor-presidente da Companhia de Habitação de Ponta Grossa (Prolar), Dino Schrutt, a licitação de toda a parte de projetos para a construção do Boreal II ocorreu no final do ano passado. Já a contratação das obras aconteceu no final de julho pela Caixa Econômica Federal.

"Serão construídas 260 unidades com um investimento de quase R$ 30 milhões do programa do governo federal Minha Casa Minha Vida. O Governo do Estado também entrará com uma participação no convênio Copel e Sanepar", explica Dino.

A construtora responsável pelas obras é de Belo Horizonte e já foi contratada via processo de licitação. "Toda a parte de projetos já está pronta e o próximo passo é iniciar as obras. A previsão é de que as casas sejam entregues aos beneficiados em aproximadamente 18 meses", comenta.

Novas moradias vão beneficiar cerca de 546 famílias em Ponta Grossa. (Foto: Fábio Matavelli)

Áreas de risco

Outra novidade será a construção do residencial Ouro Verde II direcionado exclusivamente para famílias que atualmente vivem em áreas de risco. O presidente da Prolar explica que a obra segue em fase de análise pela Caixa Econômica. A expectativa é construir 286 unidades habitacionais que serão direcionadas para realocar 100% de famílias que vivem em áreas de risco na região da Vila Cipa. O valor total do investimento deverá ser em torno de R$ 24 milhões.

"Com esta obra, nós vamos extinguir quatro favelas na região da Vila Cipa. Os levantamentos já começaram a ser feitos, mas ainda precisamos da seleção oficial que deverá ser publicada pelo Ministério das Cidades. Este conjunto habitacional será totalmente voltado para famílias que estão em situações de risco e precariedade", ressalta.

Segundo Schrutt, a Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar) também sinalizou apoio na construção do empreendimento. "O presidente da Cohapar, Nelson Justus, já sinalizou positivamente quanto a este convênio. Agora estamos na fase do laudo de avaliação e, a partir disso, vamos encaminhar o projeto para a seleção do Fundo de Arrendamento Residencial (FAR)", detalhou Dino.

A construtora responsável pelo empreendimento deverá ser selecionada via chamamento público após a análise do projeto pela Caixa. "Tudo leva a crer que em torno de 60 dias nós tenhamos todas estas etapas vencidas para que a obra seja entregue dentro de 15 meses", aponta.