Cidades

PG tem boa qualidade do ar, mas índice já esteve pior

Coleta de dados deve servir para criação de políticas públicas
Relatório pode apontar principais fontes de poluição (Foto: Fábio Matavelli)

O Instituto Ambiental do Paraná (IAP) retomou, neste ano, a proposta de monitoramento constante da qualidade do ar em Ponta Grossa. Pela primeira vez, o órgão disponibilizou o acesso público aos índices coletados na cidade e em outros cinco municípios, mais Curitiba e região metropolitana. Os dados, que agora podem ser consultados em tempo real, permaneceram indisponíveis por, pelo menos, dois anos. O motivo, segundo informado pela assessoria de imprensa do instituto, foi uma falha no sistema, em função da troca do servidor da Celepar.

Com as informações coletadas e corretamente transmitidas, o IAP informa que está trabalhando para colocar todos os dados na internet, possivelmente com o histórico para pesquisas e desenvolvimento de programas voltados para as características atmosféricas de cada região analisada.

“Os dados coletados servem para construção de políticas públicas regionais e globais. Estudos específicos da comunidade científica servem para fiscalização das indústrias, além de dar a informação para a população do ar que respiramos”, informa o IAP.

Além de Ponta Grossa, o site oferece as informações sobre o Índice de Qualidade do Ar (IQA) em Foz do Iguaçu, Cascavel, Maringá, Londrina, Paranaguá. Na capital estão as estações mais antigas em funcionamento, que são 13 no total. Novel delas estão disponíveis para consulta no mapa. Segundo o instituto, o sistema ainda passa por ajustes, mas em breve deve estar disponível a totalidade das informações.

 

Índices

De acordo com o boletim de qualidade do ar das últimas 24 horas, divulgado pelo IAP, até o final da tarde de quarta-feira (9), Ponta Grossa verificou IQA entre 11 e 18. O boletim considera o IQA na categoria bom até 50. A variação fica mais clara na comparação com os meses anteriores, quando a cidade teve um alto número de queimadas, principalmente no período de estiagem. Em maio, o IQA ficou entre 10 e 33. Em junho, chegou a 47. Em julho, chegou ao IQA 52, passando ao nível considerado regular, atingindo o IQA 59 em 12 de agosto. O IQA é considerado inadequado a partir de 101, mau após 201 e crítico após 300.

*Consulte o índice de qualidade em tempo real, no site do IAP: