Cidades

Polícia flagra desmate ilegal na região dos Campos Gerais

Imbituva e Jaguariaíva foram cenário de crime ambiental
(Foto: Divulgação)

A Polícia Ambiental identificou, por meio de denúncias, dois grandes desmates ilegais nos municípios de Imbituva e Jaguariaíva, nessa segunda-feira (18). Em Imbituva, os policiais constataram a destruição de vegetação nativa no quantitativo de 4,4 hectares, atingindo espécies nativas de árvores ameaçadas de extinção pela legislação ambiental, como, pinheiro araucária e imbuia. A área foi embargada e é proibida a sua utilização até o seu desembargo.

O infrator deve pagar multa ambiental no valor de R$ 52,5 mil e a Polícia Civil foi comunicada sobre o crime para instaurar Inquérito Policial.

Em Jaguariaíva, destruição de vegetação nativa em área de 3,97 hectares também atingiu espécies como o pinheiro araucária, além de uma área de preservação permanente às margens de córrego. A área foi embargada e é proibida a sua utilização até o seu desembargo.

O infrator deve pagar multa ambiental no valor de R$ 50 mil e a Polícia Civil foi comunicada. A Polícia Ambiental informa que todas as denúncias sobre crimes ambientais devem ser feitas através do telefone 181.

 

Extinção

No ano passado, pesquisa realizada pela UFSC e divulgada pela Revista Fapesp apontou que, além da contribuição natural, o surgimento e expansão das araucárias na região Sul do país se deve à ação humana. Povos pré-colombianos teriam realizado o plantio, principalmente há cerca de 2 mil anos, tendo como objetivo o consumo do pinhão e uma forma de atrair a fauna e, portanto, a caça. A araucária segue ameaçada de extinção desde o século XX, devido ao corte e uso de sua madeira em velocidade e interesse muito maior que do plantio.