Cidades

Ponta Grossa aumenta em 95% as suspensões de CNH

Suspensão de CNH foi a maior dos últimos cinco anos (Foto: Fabio Matavelli)

Mais de 4,2 mil condutores tiveram seu direito de dirigir suspenso em Ponta Grossa, ao longo de 2018. A estatística é do Departamento de Trânsito do Paraná (Detran-PR), e aponta para um aumento no número de Carteiras Nacionais de Habilitação (CNHs) suspensas no comparativo com o ano anterior. Em 2017, haviam sido suspensas 2.157 carteiras, o que significa que o número quase dobrou no ano passado.

O aumento no número de CNHs suspensas foi verificado em todos os municípios nos quais há uma frota superior a 100 mil veículos. No entanto, o aumento em Ponta Grossa foi percentualmente maior* que nas sete cidades que possuem a maior frota no Paraná. Nenhum município chegou tão perto de dobrar o número de carteiras suspensas, entre 2017 e 2018.

Entre as penalidades previstas pelo Código de Trânsito Brasileiro, estão a suspensão do direito de dirigir e a cassação da carteira de motorista. Também estão previstas advertência por escrito, multa, cassação da permissão para dirigir e frequência obrigatória em cursos de reciclagem.

 

Suspensão

Segundo o Detran, a penalidade de suspensão do direito de dirigir é aplicada sempre que o condutor atinge, no período de 12 meses, a contagem de 20 pontos em infrações de trânsito. A duração da penalidade ocorre pelo prazo mínimo de seis meses até o máximo de um ano e, no caso de reincidência no período de doze meses, pelo prazo mínimo de oito meses até o máximo de dois anos.

 

Cassações

Quando ocorre a suspensão do direito de dirigir, a CNH é devolvida a seu titular imediatamente após cumprida a penalidade e o curso de reciclagem. Já a cassação de CNH ocorre quando o infrator, tendo a carteira suspensa, é flagrado dirigindo. Ou, no caso de reincidência no prazo de 12 meses de infrações específicas, como dirigir embriagado ou participar de racha. Em todo o Paraná foram cassadas 5.172 carteiras em 2018.

 

* A assessoria de imprensa do Detran-PR informou, após a publicação desta reportagem, que o comparativo estatístico de carteiras suspensas, entre municípios, pode não corresponder à exata realidade. Isso ocorreria porque os dados estatísticos se referem aos processos envolvendo suspensão de carteira. Alguns processos levam mais de dois anos para serem concluídos. Ou seja, o aumento de 95,4% nas carteiras suspensas denota um aumento no número de processos, mas não especifica em qual período, nem se um mesmo motorista não está incluso em mais de um processo. Na prática, o Detran forneceu as estatísticas que embasaram a reportagem, mas depois informou que não sabe ao certo quantas carteiras são efetivamente suspensas.