Polícia

Prolar apresenta o residencial Boreal II

A Companhia de Habitação de Ponta Grossa (PROLAR) apresentou, na sexta-feira (10), o residencial Boreall II, o mais novo empreendimento viabilizado pela instituição e que deve atender mais de 250 famílias, com renda entre 1300 e 1800 reais, no município. O investimento, segundo o diretor-presidente da Prolar, Dino Schrutt, é de mais de 26 milhões de reais.

Localizado no bairro Periquitos, o conjunto habitacional Boreal II  contará 260 casas destinadas às famílias cadastradas na Prolar e que se encaixam na faixa 1,5 do Programa Minha Casa, Minha Vida do Governo Federal. O projeto será viabilizado através recursos da Prefeitura de Ponta Grossa,  da Caixa  Econômica Federal e do governo do estado do Paraná, e contará com toda a estrutura necessária para a instalação das famílias.

“Esse é um empreendimento muito importante e que oferecerá casas com ótima estrutura e acabamento. A área total de cada um dos terrenos tem mais de 250 metros quadrados, o que permite que as famílias que se instalarem nesse novo conjunto habitacional possam realizar melhorias e ampliar seus imóveis com o passar do tempo e, dessa forma, criar raízes cada vez mais fortes nesses locais”, declara Schrutt.

Presente durante o encontro com as famílias para a apresentação do projeto, o prefeito Marcelo Rangel reiterou o comprometimento da Prefeitura de Ponta Grossa em promover a ampliação  e fortalecimento do projeto habitacional do município através de diversas frentes. Segundo ele, a proximidade do poder público com as famílias é essencial para que a cidade continue avançando na área da habitação.

“É fundamental o contato direto com a população  e o nosso programa de habitação é muito elogiado, em todo o Brasil, justamente pela proximidade que temos com as famílias”, aponta. “Nós escutamos muito as demandas da comunidade e estamos promovendo um programa de habitação de qualidade, com bairros que contam infraestrutura ideal para receber essas famílias e, o mais importante, ouvindo quais são as necessidades que elas gostariam que nós supríssemos  justamente nessa nova fase da vida delas”, completa Rangel.