Variedades

Rádio Sant’Ana completa 55 anos de história em PG

Divulgação
A Rádio Sant’Ana está há 55 anos no ar, com dez programas diários

Há 55 anos (em 9 de agosto de 1961), sob o lema ‘educar, evangelizar e divertir’, começava a operar a Rádio Sant’Ana, uma emissora católica, pertencente à Fundação Sant’Ana da Diocese de Ponta Grossa. No início, eram 100 watts, em 1995, passou a 3 mil watts e, hoje,são 5 mil watts de potência, cobrindo 15 cidades da região. O aniversário da emissora é festejado em meio ao maior desafio de sua história: a migração de AM para FM, que vai custar cerca de R$ 500 mil e exigir completa reestruturação técnica, física e de programação.

A rádio foi a quarta emissora a operar em Ponta Grossa. Suas ondas chegam hoje a aproximadamente 500 mil pessoas, moradoras do interior de Ponta Grossa e outros treze municípios da região. Para o padre Joel Nalepa, há oito anos à frente da direção da rádio, o período mais marcante da emissora foi vivido entre 1990 e 1995, quando a administração da rádio voltou para Diocese, sob o comando do bispo dom Murilo Sebastião Ramos Krieger.

“Foi nesta época que houve o aumento de potência para os 5 mil watts e foi criado o Clube do Ouvinte, uma associação de pessoas que colaboram financeiramente todos os meses para a manutenção da rádio”, acrescenta o diretor. O Clube conta atualmente com cinco mil associados.

A emissora vive hoje um momento de superação. Com a proposta, em 2014, do Ministério das Comunicações de migração das rádios AM para FM, a direção, a Mitra Diocesana e toda a comunidade católica da região corre contra o tempo para adequar tecnicamente a rádio.

Custo

Entre a taxa a ser paga ao governo pela diferença de outorga (R$ 170 mil), projeto de engenharia (R$ 16 mil), construção de torre, compra e instalação da antena (de R$ 100 a R$ 200 mil), troca de transmissores, mesa digital, devem ser gastos cerca de R$ 500 mil com a migração. “Esse custo varia conforme a potência da rádio. Quanto menor a potência, menor a despesa. E leva em consideração ainda população coberta, IDH entre outras coisas”, explica o padre Joel, lembrando que a migração não ampliará a potência ou o alcance, apenas dará uma melhor qualidade ao sinal, acabando com as interferências.


Ação entre amigos

Show de Prêmios deve ajudar no levantamento de recursos

Para levantar os recursos necessários, será realizada uma Ação entre Amigos, com Show de Prêmios, onde serão sorteados um notebook (5º prémio), tv 42” (4º prêmio), R$ 5 mil (3º), R$ 15 mil (2º) e um Nissan Versa no valor de R$ 45 mil como prêmio principal. “Cerca de 80% das cartelas foram distribuídas, com possibilidade de levantar R$ 1 milhão. Descontando os R$ 200 mil de premiação, material e divulgação, devemos obter R$ 600 mil, que devem ser suficientes para custear o processo de migração”, comenta o padre Joel. As cartelas serão vendidas até outubro, em paróquias, pastorais, movimentos, congregações e em algumas empresas da cidade. “Até o final de 2017, devemos estar operando em FM”, projeta o padre.