Variedades

Rádio T comemora 20 anos

Considerada a maior rede de rádio do estado, a Rádio T comemorou recentemente 20 anos de atuação. Para comemorar a data, a emissora promoveu em Ponta Grossa um show que reuniu mais de 25 mil pessoas e 34 artistas. Segundo a organização, o evento foi o maior festival sertanejo do país com 11 horas de shows. A rede transmite programação simultânea para emissoras em Ponta Grossa, Guarapuava, Telêmaco Borba, Campo Mourão, Mamborê, Brasilândia do Sul, Faxinal, Andirá, Paranacity e Palmeira.

A rádio nasceu em 1991, com o nome Tropical, em Palmeira. No período, a rádio FM não havia se popularizado. “Rádio era para um público diferenciado, elitizado. A Tropical nasceu no momento de popularização do veículo, quando o rádio FM chega às classes mais populares”, comenta Márcio Martins, proprietário da emissora. Aproveitando as mudanças no segmento, a Tropical nasceu como rádio popular. “A emissora só tocava música brasileira, especialmente música sertaneja”, lembra. Para Martins, este foi o grande diferencial da emissora, que até hoje baseia sua programação nas tendências do cenário musical.

 Em 2009, a Rádio Tropical passou a se chamar Rádio T. “Isso aconteceu porque conseguimos uma concessão para Curitiba. Como lá já existe uma emissora chamada Tropical, tivemos que mudar o nome. Decidimos então transformar em Rádio T”, explica. A mudança de nome refletiu também na roupagem e na programação da rádio. “A base, de rádio popular, se mantém. Mas não temos mais só uma programação musical. Temos também programas de entrevistas, informação, humor e outros modelos, segmentados por públicos”, fala.

Pesquisa

De acordo com pesquisa realizada recentemente pelo Ibope, a Rádio T é primeiro lugar geral das cinco da manhã à meia-noite, em todos os públicos e faixas etárias. “Realizamos várias pesquisas ao longo dos 20 anos sempre lideramos”, comenta Martins. Mas, segundo ele, o grande diferencial da pesquisa é o volume e o detalhamento das informações obtidas. “É possível fazer inúmeros cruzamentos com os dados levantados que nos possibilitam um profundo conhecimento do público de cada programa da emissora.

Para Martins, a pesquisa serve como instrumento de trabalho. “É importante conhecer o público de cada programa para podermos comercializar os horários. Uma pesquisa técnica como a realizada pelo Ibope nos dá estes subsídios”, fala. Ele explica ainda que hoje a rádio consegue determinar qual é o programa que atinge o público desejado pelo anunciante. “Temos um detalhamento do público por programa”, conta. Um dado curioso apontado pela pesquisa, segundo Martins, é que o programa do horário do almoço alcança 40% do share (total de rádios ligados na freqüência FM) na faixa etária com mais de 25 anos. Atualmente, a Rádio T alcança 48 mil pessoas diariamente.