Cidades

Restauro de locomotiva marca aniversário de PG

Solenidade de entrega da obra será na sexta-feira
Maria-fumaça volta a enfeitar Parque Ambiental (Foto: José Aldinan)

Nesta sexta-feira (13), às 10 horas, os ponta-grossenses poderão conhecer de perto o resultado do trabalho de revitalização da Locomotiva 250. Mais conhecida como maria-fumaça, a antiga máquina ferroviária vinha se deteriorando, exposta ao tempo e aos vândalos, no Parque Ambiental ao longo dos últimos anos. Mas uma parceria entre a prefeitura de Ponta Grossa e o Exército Brasileiro permitiu que a estrutura antiga ganhasse ares de novidade, o que marcará o aniversário da cidade, no próximo domingo (15).

A equipe que atuou para recuperar a máquina foi composta por militares da 5ª Brigada de Cavalaria Blindada, à qual o 13 BIB é subordinado. O 3º sargento Diego Fagundes de Oliveira coordenou os trabalhos de funilaria e o 2º sargento Joslei Carlos Ferreira Vaz, a equipe de marcenaria. Eles destacam que a recuperação da maria-fumaça contou com um trabalho de pesquisa e criatividade.

“Quando chegamos, não sabíamos como começar. A estrutura estava muito danificada. Mas recebemos a visita de voluntários que trabalharam com a máquina e de colecionadores. Foi tudo baseado em fotos e registros para reconstruir. Até o assoalho do maquinista estava podre. Alguma coisa tivemos que criar, partindo do zero”, explica Oliveira, que aplicou o conhecimento em recuperação de blindados e viaturas para dar outra aparência à locomotiva.

O sargento Vaz revela que, além de refazer peças de madeira, foi preciso realizar a limpeza da estrutura da máquina. “Muito lixo foi achado na máquina, e foi preciso ajuda para realizar a faxina”, conta, revelando que entre 10 e 15 militares realizaram a revitalização. “A ideia foi deixar o mais próximo possível do original”, diz.

 

Mão de obra

De acordo com o coronel Cláudio Roberto Nunes Grosso, a proposta de recuperar a locomotiva partiu do exército, que ofereceu a mão de obra, enquanto a prefeitura forneceu os materiais. Ele lembra que a restauração foi apenas estética, já que recuperar a máquina para uso seria inviável. “Um levantamento inicial apontava que seria preciso R$ 1,5 milhão para colocá-la em funcionamento”, diz, destacando que a maria-fumaça vai voltar agora a brilhar no Parque Ambiental.