Economia

Serviços puxam geração de empregos em PG no semestre

O setor foi responsável pela maior parte dos novos postos de trabalho tanto no município quanto no estado
(Foto: Fabio Matavelli/ DC)

Nos seis primeiros meses desse ano Ponta Grossa gerou 725 novas vagas de emprego, sendo 43,4% delas no setor de serviços; os únicos que demitiram mais do que contrataram foram o comércio, que teve um saldo negativo de 154 vagas, e a extração mineral (-9). Os números foram divulgados nesta quinta-feira (25) pelo Governo Federal através do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

O saldo foi calculado com base nas 18.723 admissões e 17.998 demissões registradas no semestre em todo o município. Em comparação ao mesmo período do ano passado, o desempenho de 2019 apontou uma melhora de 23%, já que de janeiro a junho de 2018 foram criados 588 novos postos de trabalho; naquela época o setor de serviços já despontava como o primeiro colocado, com 996 vagas criadas.

No Paraná ao cumulado do ano aponta a geração de 40 mil novos empregos, sendo mais de a metade no setor de serviços: 25 mil, o que corresponde a 62,5% do total. Assim como em Ponta Grossa, o setor extrativo mineral foi o único que teve mais demissões do que contratações (-71), mas diferente do município dos Campos Gerais o comércio registrou um saldo positivo - ainda que pequeno - de 173 novas vagas.

No ranking setorial do saldo de empregos do estado, figuram, logo após serviços, a construção civil (7.320), a indústria de transformação (5.996), a agropecuária (948), a administração pública (531), o comércio (173) e os serviços industriais de utilidade pública (64).

Junho

Considerando apenas o mês de junho os resultados não foram satisfatórios, porém melhores do que o mesmo mês de 2018 tanto em âmbito municipal, quanto estadual. No último mês Ponta Grossa fechou 208 postos de trabalho, contra 279 no ano passado – o último ano em que o saldo do período foi positivo foi 2012, quando foram admitidos 18 trabalhadores a mais do que foram demitidos.

A maioria das baixas esteve na indústria (110), seguida da agropecuária (55) e dos serviços (57). Os únicos setores que admitiram mais do que demitiram durante o mês foram a administração pública, com saldo de 34 vagas, e os serviços industriais de utilidade pública, com 9 novos empregos.

No Paraná, enquanto em junho de 2018 foram extintos 6.609 postos de trabalho, neste ano o mês contou com a criação de 158 vagas, sendo a maior parte, novamente, nos serviços (2.070) e, assim como em Ponta Grossa, a maior diminuição na indústria (-1.468). Foi o melhor resultado para o mês desde 2013, quando o saldo foi superior a 5,2 mil vagas.

 

Brasil tem melhor mês desde 2014

O Brasil gerou 48.436 empregos formais em junho, o melhor resultado registrado para o mês desde 2014. No consolidado do semestre, os números são os melhores desde 2015: foram 408.500 novas vagas nos primeiros seis meses de 2019, resultado superior ao mesmo período do ano passado, quando foram gerados 392.461 empregos. No cenário nacional o setor de serviços também foi o destaque, com um saldo de 23 mil vagas.

Quatro das cinco regiões brasileiras tiveram saldo positivo em junho. Em números absolutos, o melhor resultado é do Sudeste, com 31.054 postos de trabalho criados. No período, o Centro-Oeste registrou 10.952 novas vagas, o Nordeste criou 5.142 postos formais no período e o Norte, 4.002. Apenas no Sul houve mais demissões que admissões, com saldo negativo de 2.714 postos.

 

Novos empregos em Ponta Grossa em 2019

315: Serviços

232: Administração pública

178: Construção civil

60: Indústria de transformação

53: Serv. Indust. de util. pública

50: Agropecuária

-9: Extração mineral

-154: Comércio

*Os dados são do Caged e referem-se ao primeiro semestre do ano