Saúde

Skincare: dicas para melhorar a saúde da pele

A dermatologista Majenna Pachnicki esclarece dúvidas e explica o passo a passo para manter uma rotina de cuidados.

As redes sociais são parte de nossas vidas e o uso delas vem causando diversas mudanças de comportamento nos últimos anos. Um exemplo disso é que, com o aumento da exposição da imagem, as pessoas têm buscado muito mais as cirurgias plásticas (como rinoplastia, por exemplo), entre outros procedimentos, que prometem melhorar a harmonia e estética do rosto. Esta mudança também vem sendo sentida nos consultórios de dermatologia.

De acordo com a dermatologista Majenna Andrade Pachnicki, ainda é muito comum as pessoas buscarem a especialidade para corrigir algum problema, mas, ao mesmo tempo, é crescente a procura por tratamentos e procedimentos de prevenção. “A gente percebe até mesmo um aumento na procura por parte dos homens, que estão mais preocupados com a imagem e em melhorar a aparência da pele”, destaca.

As redes sociais se tornaram, inclusive, uma plataforma de grande difusão de informações sobre skincare e compartilhamento de dicas, o que, de acordo com a dermatologista, pode ser prejudicial. “É preciso entender a pele como um órgão. Ela também precisa de cuidados médicos especializados. A rotina de cuidados não deve ser generalizada, pois cada um possui um tipo de pele e uma indicação diferente. Ou seja, o que serve para uma pessoa, pode não servir para outra, por isso a importância de buscar um acompanhamento individualizado e receber o tratamento mais adequado, seja para prevenção ou correção de alguma doença de pele”, ressalta.

A seguir, Majenna esclarece muito mais sobre o assunto e dá diversas dicas para quem ainda não tem uma rotina de cuidados. Acompanhe!

  

Como deve ser a rotina diária de skincare?

A rotina de cuidados começa sempre pela higiene facial, lembrando que o sabonete do rosto nunca deve ser o mesmo do corpo. A escolha vai depender do tipo de pele, de forma a equilibrar seu PH e prepará-la para receber os ativos. O protetor solar é o carro-chefe dos cuidados, para todos os pacientes. Deve ser utilizado a vida toda, desde os 6 meses de idade e o ideal é do fator 30 para cima. O que muda entre as marcas é uma questão mais cosmética (mais toque seco, mais hidratante, ativos clareadores), enfim. Também é necessário optar por um bom creme facial, que pode ser utilizado de manhã e à noite. Dependendo do caso pode ser um tratamento apenas noturno. Basicamente, a rotina de skincare consiste nisso: higiene facial, fotoproteção e creme de tratamento. Com o tempo, com o envelhecimento, é preciso sair da zona de conforto. Nesse caso, entra a indicação de procedimentos como peelling, laser, botox, etc.

 

Cuidados e procedimentos em cada faixa etária

Crianças: utilização diária do protetor solar (a partir dos 6 meses de idade)

Adolescentes: Tratamentos para a acne (pomadas tópicas, sabonetes antioleosidade) e mudança para um protetor solar de toque mais seco

Jovens e adultos: Além da fotoproteção diária e hidratação, a indicação é começar a buscar tratamentos antiidade a partir dos 25 anos, que é quando o envelhecimento começa a dar os primeiros sinais (manchas, perda da uniformidade, rugas leves, etc.) A busca por tratamentos preventivos fará a diferença mais tarde

3ª idade: Os cuidados continuam os mesmos, com a adaptação dos produtos e procedimentos de acordo com as necessidades. Além, é claro, da fotoproteção constante

 

Principais erros relacionados à pele do rosto

O primeiro e grande erro é negligenciar o uso do protetor solar e, infelizmente, são poucos os pacientes que têm o habito de longa data de usar diariamente e reaplicar adequadamente. Outro problema, conforme já foi comentado, é lavar o rosto de qualquer jeito, com o mesmo sabonete do corpo. Também é um equívoco pensar em tratamentos e cuidados com a pele apenas como correção, e não como prevenção. Quanto mais cedo a pessoa buscar os procedimentos, melhores e mais naturais serão os resultados.

 

Limpeza de pele, máscaras e esfoliações...

A limpeza de pele, feita por um profissional e com o preparo adequado, ajuda muito. Na maioria das vezes é indicada para quem tem mais tendência à acne, para o tratamento das lesões. A periodicidade vai depender de quão oleosa a pele é como estão as lesões. Conforme vai melhorando o aspecto, as limpezas vão se espaçando. A esfoliação também é importante, para a retirada de células mortas, e pode ser feita de 1 a 2 vezes na semana, mas sempre com muito cuidado, sem necessidade de esfregar a pele com muita intensidade. Já as máscaras possuem ativos mais concentrados e podem ser aplicadas 1 vez por semana. Geralmente oferecem um efeito mais rápido e também mais temporário.

 

Hidratação é crucial para a manutenção das funções da pele

A pele hidratada vai conseguir manter as funções: de barreira, de secreção de hormônios e de excreção. Então, a hidratação tem que ser diária, tanto de dentro para fora, quanto de fora para dentro. Lembrando que peles oleosas também devem ser hidratadas, pois oleosidade é diferente de hidratação. Inclusive, a pele que está bem hidratada tem um controle melhor da oleosidade.

 

Procure sempre um dermatologista

As pessoas estão mais conscientes e a rotina de cuidados com a pele está mais incorporada no dia a dia. A importância do dermatologista é orientar sobre o que usar, quais os melhores produtos para cada tipo de pele, indicação de procedimentos, tratamentos seguros e manutenção dos cuidados. Seja por questões estéticas ou por doenças, o profissional saberá identificar e proporcionar o cuidado correto e individualizado. Cuidado com a pele é como atividade física: você precisa manter na rotina, demora um tempo para ver resultados efetivos (às vezes 1 ano), mas, se ficar uma semana sem cuidar, perde tudo o que foi conquistado. Portanto, é muita rotina, disciplina e paciência no tratamento. E o acompanhamento profissional é importante para saber quando é necessário mudar as indicações, tratamentos e abordagem.

 

Quais são os tipos de pele e como identificar:

PELE OLEOSA

Geralmente tem a sensação de seborreia, oleosidade, e apresenta sinais como poros dilatados, cravos, espinhas, dermatite seborreica, enfim, lesões características da oleosidade.

 

PELE MISTA

A pele mista apresenta oleosidade na zona T, mas não na parte lateral (bochechas). A parte central é mais seborreica e às vezes tem uma lesão ou outra da acne, mas é menos do que na pele oleosa.

 

PELE NORMAL

Não apresenta tanto as alterações da pele oleosa e nem ressecamento.

 

PELE SENSÍVEL

Pode estar presente com qualquer um dos outros tipos de pele (seca, mista, normal). Fica vermelha com facilidade. Alguns produtos, geralmente ácidos, mais concentrados, provocam ardência ou pinicam. Em alguns casos, até mesmo o protetor solar causa ardência.

 

OBS: É muito importante identificar seu tipo de pele para saber quais produtos usar e, assim, obter os melhores resultados.

 

Majenna Andrade Pachnicki é diretora da Clínica Identité, graduada em Medicina pela Universidade Federal do Paraná (PR), possui Residência Médica em Dermatologia pela Santa Casa de Misericórdia de Curitiba (PR) e título de Especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD/AMB).