Esportes

Técnico do Brasil Sub-17, prevê grande jogo com a Itália pelas quartas do Mundial

A cada fase que passa, o desafio fica ainda maior no Mundial Sub-17. Nesta segunda-feira, a seleção brasileira entra em campo para enfrentar a Itália, às 20h, no Estádio Olímpico, em Goiânia. A partida vale pelas quartas de final da competição e tem tudo para ser um grande jogo. Pelo menos essa é a avaliação do técnico Guilherme Dalla Déa, da Seleção Brasileira Sub-17.

Em entrevista coletiva na véspera do duelo, Dalla Déa ressaltou a força do adversário. Apesar de não ter grande retrospecto nas competições de base, a Itália representa uma das escolas mais tradicionais do futebol mundial. Tetracampeã da Copa do Mundo de profissionais, a Itália já teve grandes confrontos com o Brasil, em 1994, 1982 e 1970.

“A gente sabe que a Itália é uma excelente equipe, a gente conhece bem os seus jogadores. Todas as seleções que estão no Mundial estão bem preparadas para a conquista. Esperamos que seja um grande jogo, como os das décadas passadas também, em 1970, 1994 “, disse.

Para o jogo desta segunda-feira, o técnico Guilherme Dalla Déa tem algumas soluções para tirar da manga. Suspenso, Diego Rosa não poderá atuar. O treinador também precisa lidar com a ausência de Talles Magno, que deixou o grupo com uma lesão na coxa direita. Por outro lado, ele terá a volta do lateral-direito Yan, que cumpriu suspensão.

Enquanto estuda as peças de seu tabuleiro para definir qual time escalar, o técnico já confirmou duas mudanças: Yan volta ao time titular, assim como Talles Costa, que assume a vaga de Diego Rosa no meio. Perguntado sobre as alterações no time, o técnico ressaltou a confiança que tem em todos os convocados.

“Nós trouxemos 21 atletas. Ainda estamos com 21, porque o Talles Magno está no coração de todos nós. É importante que todos se sintam importantes neste momento. Mesmo que entrem pouco, eles têm a minha confiança. O Pedrinho, o Lázaro, o Matheus Araújo, o próprio Renan. Quando você coloca um jogador que tem uma característica diferente, quando você mexe na equipe, você muda a característica e isso é uma artimanha nossa”, destacou Dalla Déa.