Meus Escritos
A PRÁTICA DA PACIÊNCIA

           Uma palavra simples, mas com um profundo significado. Todos nós precisamos dela por um tempo indeterminado.

         Desde antes de nascermos, a nossa mãe, precisou ser paciente durante nove meses, marcados por dificuldades, cuidados, restrições e desconfortos em geral.

         Mas para que estivéssemos aqui, todo um processo prévio, de cuidados na infância, nossa educação, noites mal dormidas, obstáculos a serem superados, foram necessários.

         A paciência precisa ser plantada e irrigada para então ser aproveitada.

         Quantos de nós, queremos a felicidade, salários ótimos, bons empregos, um cônjuge ideal, uma casa boa, uma família “perfeita”, mas não somos pacientes e desejamos tudo para ontem e nos esquecemos de lutar no dia de hoje.

         Um jovem ao prestar uma prova, ao pegar o resultado final, tem duas alternativas: o êxito ou o fracasso. Lógico, isto na mentalidade dele. Pois, se estruturasse suas emoções na paciência, transformaria o êxito em muitas outras conquistas, e o fracasso, em metas a serem alcançadas, em um futuro próximo.

         Nós seres humanos, fomos preparados para subir no pódio. E ainda, o primeiro lugar, pois um segundo ou terceiro lugar, já é sinônimo de decepção e tristeza.

         Nossos dias são irrigados com fortes emoções. O trânsito caótico, a violência, o desemprego, o dinheiro escasso, as tragédias ao redor do planeta, transformam nossa vida em uma incógnita. Vivemos o presente, querendo adivinhar o futuro, como se isto fosse possível.

         Então qual é a saída em tempos difíceis? Fechar os olhos para as dificuldades e fazer de conta que não existem? Ou encará-las com paciência e espírito de luta?

         O final de ano aproxima-se, e neste momento, precisaremos demais da verdadeira paciência, pois as nossas ruas estarão congestionadas, as lojas e mercados lotados, filas intermináveis em todos os cantos, e as crianças, na maioria das vezes aos prantos, pois não entendem ainda a matemática financeira do bolso dos seus pais.

         Devemos e podemos, olhar a paciência, como um presente embrulhado e ir aos poucos, tirando tudo aquilo que atrapalha a nossa verdadeira visão. E quando vivemos em sociedade, tudo isto que eu falei, precisa ser em dobro, pois nós seres humanos que alguns chamam de “racionais”, em grande parte das vezes, agimos ao contrário, e colocamos os nossos extintos mais obscuros, para maltratar quem deveríamos amar.

         Você precisa escolher o caminho a seguir. As alternativas podem ser diversas, mas a direção correta é ter Deus em seu coração e buscar a alegria verdadeira e não somente os prazeres momentâneos deste mundo.