Sherlock Holmes Cultura
A quantos passos do Paço da Liberdade?

Divulgação
Paço da Liberdade, exemplo de conservação e uso

 

 

História e beleza que se impõem, sobrepõem na paisagem? No poder de transformar, o encalço por preservar? Um pouco de todos nós como alicerce da memória? Só sei que os olhos de encheram de encantamento e estupefatos contemplaram o Paço. Sim, o Paço da Liberdade, estrutura suntuosa, ares de palacete, no centro de Curitiba, coração que bate em ritmo paranaense. A edificação singular comemora seus cem anos de existência. Inaugurado em 24 de fevereiro de 1916, foi construído para ser a sede da administração pública da capital do Estado. A riqueza arquitetônica forma par com o esmero nos detalhes, estilo eclético com predominância em Art Nouveau, facilmente reconhecido nas formas sinuosas nos ornamentos em portas, colunas e espaços internos. A grandeza se revela ainda pela escadaria em peroba rosa, que circunda os quatro andares do edifício. A histórica construção, tombada pelo patrimônio municipal, estadual e nacional, recebeu o primeiro elevador instalado em Curitiba. Depois que o local deixou de ser o endereço do Palácio da Liberdade, passou por diversos usos, sofrendo deteriorações e reformas, culminando num grande projeto de revitalização e ocupação através de um convênio entre a Prefeitura de Curitiba e o Sistema Fecomércio SESC SENAC Paraná, abrangendo também a área comercial no entorno. Reinaugurado em 2009, passou a abrigar um centro cultural, SESC Paço da Liberdade, promovendo farta agenda de atividades. Inda hoje a arte expressa nos "Hercules", em colunas que sustentam a entrada do prédio e graciosa figura feminina que aludem aos poderes Legislativo, Executivo e a própria cidade, fazem refletir sobre a força necessária para suster e preservar o que nos pertence. A quantos destes passos estaria nossa Rua da Estação Saudade, em Ponta Grossa? Passos sem descompasso, ouso esperar.