Psicologia em pauta
Amizade

Lílian Yara de Oliveira Gomes

 

Hoje abordo esse tema, por sentir o quanto é importante a presença de amigos verdadeiros em nossas vidas. São eles que fazem a rede de apoio da nossa existência e nos ajudam a encontrar o significado da vida.

Amigos que estão na nossa vida, mesmo longe fisicamente, nos proporcionam compartilhar, em pensamento, momentos vividos, felizes ou não, nos fazem rir e chorar, passar vergonha e apoiar, dividir vitórias e fracassos. Os verdadeiros choram conosco e se alegram, com a nossa felicidade.

“Ao homem, está fadada a felicidade”, já apontavam alguns filósofos há muitos séculos! E onde está a tal felicidade?

“A amizade é terapêutica. Quem tem amigos, está comprovado pela medicina, vive melhor. Pesquisas científicas apontam que os que possuem amigos de verdade, tendem a ser mais felizes, saudáveis e a viver mais do que aqueles que não os têm.

A amizade é uma relação que se estabelece entre pessoas que se aceitam incondicionalmente, com suas qualidades e defeitos. Amigos se honram e respeitam a individualidade do outro.

Compartilhar experiências, e seguir pela estrada da vida ao lado de um amigo é uma das faces da felicidade.

Um amigo é alguém ao lado de quem você pode relaxar e mostrar suas vulnerabilidades, pois ele o (a) aceita como você é, sem críticas ou julgamentos. A um amigo você pode revelar seus segredos e seus medos. Conversar sobre tudo e sobre nada”. Fonte: vilamulher.com.br

“Nosso corpo é afetado quando estamos próximos daqueles que gostamos. Frequentar festas, visitar os outros, ter relações positivas, tudo isso estimula beneficamente o sistema nervoso simpático (que reage a situações de estresse). Além disso, o sistema nervoso parassimpático (responsável por responder a momentos de calma) é impulsionado através do processamento de expressões, da voz e do tom verbal”.

“Até onde sabemos, esse conjunto de nervos não é instigado por conversas virtuais. De um modo geral, você é projetado para responder ao que vê e escuta no mundo real. Somos fisiologicamente construídos para interação pessoal”, afirma o professor Paul Gilbert, psicólogo e fundador de um método de terapia focado em compaixão entrevistado pelo jornal The Guardian(2019).Fonte: metacurioso.com.br.ciencia.

Portanto...

“É bonito ser amigo, mas confesso: é tão difícil aprender!
E por isso eu te suplico paciência.
Vou encher teu rosto de lembranças,
Dá-me tempo, de acertar nossas distâncias”. Fernando Pessoa