Blog do Canabarro
ENTRAR NA FACULDADE

Um dia desses eu passei diante de uma escola no horário em que os estudantes estavam saindo das provas para acesso ao Ensino Superior. Lembro perfeitamente da minha caminhada desde a decisão de cursar algum curso superior até o dia em que entrei na universidade. Cursar uma faculdade era algo muito remoto para mim e para outros jovens da minha comunidade e da minha escola. Eu já trabalhava desde os 11 anos de idade e descobri logo que os melhores trabalhos e maiores salários pertenciam àqueles que tinham alguma profissão. E descobri que para ter uma profissão precisava fazer faculdade. Os assistentes, auxiliares, ajudantes e outros cargos de apoiadores eram/são trabalhos exigentes e mal remunerados. Naquele tempo o assunto sobre vestibular ou Ensino Superior não fazia parte da rotina da escola pública (espero que tenha mudado) e a primeira grande dificuldade que enfrentei foi entender o processo, que pode parecer óbvio, mas para quem tem 16 anos e está descobrindo sozinho não é. Inscrição, pagamento de taxa, conteúdos das provas, onde estudar e outras coisas inerentes à missão. Conversei com poucas pessoas sobre a ideia e recebi diferentes formas de incentivo.

CONSELHOS

Minha mãe falou que eu conseguiria fazer qualquer coisa na vida (mãe é mãe!). Uma grande amiga já falecida disse que era só estudar muito. Um professor de Geografia me disse que era loucura, que vestibular era só para os ricos que podiam pagar cursinho (e não existia cota para escola pública) e por fim, quando pedi orientação ao Professor Ulisses, de Português, ele abriu a sua pasta, tirou de lá 5 livros e me disse. “ – É difícil, mas você consegue. Vá lá, estude para caramba, leia estes livros que eles vão te dar umas 5 ou 6 questões de graça. Eu consegui, você consegue.” O ato de me entregar aqueles cinco livros criou em mim uma motivação tão grande que daquele momento em diante passei a ter certeza de duas coisas: 1) que iria fazer o vestibular e 2) que eu passaria. Todo momento livre que tinha no trabalho, em casa ou na escola eu estava estudando e lendo aqueles benditos livros. Criou em mim um compromisso com meu professor que, por inciativa própria, me cedeu aqueles livros, que sem dúvida foram decisivos para minha atitude vencedora. Entrei na Universidade e pude abrir caminho para uma nova história na minha vida e de minha família.

INCENTIVOS

Entrar na faculdade talvez seja o maior desafio que um profissional enfrente, porque a oferta e a procura por vagas no Ensino Superior são muito diferentes. O certo é que não tem lugar para todos e o processo seletivo é para ver quais são os eliminados, visto que há imensamente mais candidatos que vagas. Mas nada é impossível e incentivar os jovens para que estes explorem suas capacidades ao máximo, para que desenvolvam resistência emocional e resiliência para encarar os desafios, suportar as derrotas e saborear as vitórias. Um jovem com propósito de vida é a promessa de um mundo melhor, de novas formas de viver, de ver a vida, de ser sociedade. Professores, pais e amigos de modo geral devem falar sobre o tema, explicar o processo e os procedimentos, e incentivar sempre, pois não existe nenhum lugar no mundo que seja proibido para esta ou aquela pessoa, pobre ou rico, bonito ou feio, homem ou mulher. Pois como disse o Prof. Ulisses, se eu consegui, você consegue.