Visão Empresarial
O que fazer quando apenas alguns colegas aderem ao esforço para melhorar o ambiente?

Núcleo

O desejo de transformar um ambiente começa pela compreensão do significado da palavra transformar. Trans significa através de, por meio de, enquanto formar é dar formato de. Logo, transformar é dar um novo formato mediante uma espécie de caminho a ser seguido, uma espécie de roteiro a ser observado. Assim, quando um profissional quer melhorar o ambiente de trabalho dentro da empresa tem de entender que a unanimidade seria o ideal, mas nem sempre é o possível. Significa que poucas pessoas aderindo é o primeiro passo para que um núcleo homogêneo, uma espécie de núcleo fiel aos princípios da mudança se forme e automaticamente dê corpo e vá contagiando os demais colegas.

*****

Unir

Como exemplo: você trabalha numa equipe de vinte pessoas e agora quer propor um ambiente mais leve, mais ágil e também muito mais descontraído e direto na hora de resolver problemas. Para isso você tenta convencer toda a sua equipe que esse é o novo modelo que deve vigorar, que deve ser implantado, mas percebe que algumas pessoas sequer dão atenção para você quando propõe isso. De outro lado, quatro ou cinco colegas demonstram não apenas simpatia, mas também forte aderência às suas propostas. O que você precisa fazer agora é se agarrar, literalmente se unir com esses colegas para que vocês juntos comecem a implantar um ritmo de mudança.

*****

Progressão

O mais importante é começar a contagiar os demais colegas sobre os benefícios que esse novo modelo de gestão, que esse novo modus operandi de maneira de agir que vocês querem implantar, traz de resultados positivos para a equipe. Em bom português, às vezes nós ambicionamos demais, queremos transformar tudo em um único momento sem entender que toda mudança, em todos os momentos deve ser de natureza progressiva. As pessoas podem se sentir com mal estar inicial, mas aos poucos vão se acostumando com a ideia e quando menos percebem estão agindo tal qual você propôs no início. Pense nisso!

 

Luciano Salamacha